Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de 2016

"MUITAS DAS NOSSAS FUGAS SÃO INVOLUNTÁRIAS : VÍCIOS E DISSOCIAÇÃO COM OS SENTIMENTOS DOLOROSOS SÃO DOIS EXEMPLOS..." - PEMA CHODRON

"Muitas das nossas fugas são involuntárias: vícios e dissociação com os sentimentos dolorosos são dois exemplos. Quem já trabalhou com um forte vício de comer compulsivamente, sexo compulsivo, abuso de substâncias, a raiva explosiva, ou qualquer outro comportamento que está fora de controle, sabe que quando o impulso vem, ele é irresistível. A sedução é muito forte. Então vamos treinar novamente e novamente em situações menos altamente carregadas em que o desejo está presente, mas de forma não tão esmagadora. Treinando com as irritações diárias, desenvolvemos a habilidade de recuarmos quando as coisas correm mal. É preciso paciência e uma compreensão de como estamos prejudicando a nós mesmos, para não continuarmos a tomar a mesma e velha rota de fuga ao falar ou agir.” -Pema Chodron

MEDITAÇÃO DE CURA - TÜLKU THÖNDUP RIPONCHE

Meditação de Cura  por Tülku Thöndup Rinpoche A maioria dos exercícios compõe-se de quatro passos básicos: 1. identificar os problemas que precisam ser sanados; 2. apoiar-se numa fonte de poder; 3. aplicar os meios de cura e 4. alcançar o resultado da cura. Em alguns exercícios, a fonte de energia não é utilizada. Do mesmo modo, em alguns outros não se sugere uma determinada imagem; você poderá visualizar qualquer imagem que seja apropriada. Para promover uma cura realmente eficaz, precisamos usar o poder da imaginação, da compreensão, dos sentimentos e da força da nossa crença no processo de cura. Quanto mais vemos, compreendemos, sentimos e acreditamos nesse processo, mais profundos serão os benefícios. Podemos reforçar cada um dos quatro passos básicos da cura mediante quatro técnicas de meditação. Podemos 1. ver ou visualizar cada passo como uma imagem; 2. pensar em cada um deles usando um determinado nome ou designação; 3. sentir as qualidades de cada um deles e 4. acreditar na sua …

OS OITO NÍVEIS DE CONSCIÊNCIA - THICH NHAT HANH

Os Oito Níveis da Consciência Thich Nhat Hanh
O primeiro nível da consciência é a consciência do olhar. A forma é o objeto dos olhos. Quando os olhos e a forma encontram um ao outro, eles trazem a “visão” sobre a consciência do olhar. A consciência do olhar sempre tem contato, atenção e sentimentos, porque qualquer consciência tem as cinco formações mentais universais dentro dela. Elas acontecem muito rápido, talvez em menos de um milissegundo.
Da segunda até a quinta consciência temos: a consciência da audição, a consciência do olfato, a consciência do paladar, e a consciência do corpo. Corpo e toque, língua e gosto, nariz e cheiro, ouvido e som, olhos e forma. Essas consciências são um tipo de fluxo; sua natureza é um continuum, sempre passando por nascimento e morte.
É como a chama de uma vela. Nós temos a ilusão, a falsa percepção, de que é um chama, mas ao invés disso há uma sucessão de milhões de chamas juntas sem interrupção. Quando alguém desenha um círculo com uma tocha flamejant…

"A DESILUSÃO COM AS BUSCAS MUNDANAS DE FELICIDADE NÃO É O SUFICIENTE..." - B.ALAN WALLACE

A desilusão com as buscas mundanas de felicidade não é suficiente.
Nem sondar a profundidade do sofrimento ou a variedade do mal no mundo.
Este conhecimento talvez o torne um bom filósofo existencial, mas não lhe dará a inspiração para se devotar à prática espiritual.
A compreensão teórica vem da leitura, de ouvir conferências, de conversas, de pensamentos, mas ela é como uma receita em um livro de culinária, e uma receita não é uma refeição.
É somente pela prática do Dharma que conseguimos a inspiração que sustenta a prática espiritual.
A própria prática o nutrirá com um sentido de felicidade e bem-estar.
O sofrimento diminui.
Os benefícios do Dharma são testados pela própria prática do Dharma.
- B. Alan Wallace, Ph.D, monge budista tibetano, ordenado por SS o Dalai Lama

COMO O BUDISMO PODE ESTAR POR TRÁS DA MISTERIOSA APOSENTADORIA DO PILOTO DA FÓRMULA I,NICO ROSBERG

Como o budismo pode estar por trás da misteriosa aposentadoria de RosbergEduardo Ohata 03/12/2016

A explicação do repentino e misterioso anúncio da aposentadoria de Nico Rosberg, logo após ganhar o título da temporada de F-1 e que pegou a todos de surpresa, pode muito bem estar há 2.500 anos. As pistas, ou melhor, as peças do quebra-cabeça, estão aí.
O símbolo do budismo que o alemão trazia em seu capacete.
Os mantras budistas recitados dentro do box da Mercedes por sua mulher, Vivian, quando viu ameaçada a segunda colocação do marido no GP de Abu Dhabi, que garantiria o título.
A foto com o líder espiritual Dalai Lama, que o piloto não fez a menor questã0 de esconder.
O nome da filha de Rosberg, que tem pouco menos de um ano, é Alaia. ''Alaya'', no budismo, cria todas as consciências, corpos e meio ambiente. Tudo é criado pela Alaya.
Nico Rosberg põe capacete com o símbolo budista
E o timing do momento do anúncio de que está parando: Ele acontece justamente durante a semana de…

CONTO BUDISTA : "SOM DO SILÊNCIO"

Conto Budista: “Som do Silêncio”Certa vez, um budista foi às montanhas procurar um grande mestre, que segundo diziam e acreditavam, poderia dizer-lhe a palavra definitiva sobre o sentido da Sabedoria. Após muitos dias de dura caminhada, encontrou-o num belo templo à beira de um lindo vale. E diz: “Mestre, vim até aqui para lhe pedir uma palavra sobre o sentido do Dharma. Por favor, faça-me atravessar os Portões da Sabedoria.” “Diga-me,” respondeu o sábio, “vindo para cá vós passastes pelo vale?”
“Sim.”
“Por acaso ouvistes o seu som?”
Um tanto incerto, o homem disse:
“Bem, ouvi o som do vento como um suave canto penetrando todo o vale.”
O sábio respondeu:
“O local onde vós ouvistes o som do vale é onde começa o caminho que leva aos Portões da Sabedoria. E este som é toda palavra que vós precisais ouvir sobre a Verdade, pois quem ouve a Verdade e a pratica de forma sentida, terá sempre o caminho aberto para a sabedoria que todos procuramos, e no Silêncio da Mente e não na confusão e no caos, …

A PERDA É INEVITÁVEL - LAMA PADMA SAMTEN

A perda é inevitávelÉ preciso estar preparado para os momentos difíceis – da demissão no trabalho à morte de uma pessoa querida.Padma Samten A aparente normalidade de nossas rotinas não nos prepara para os eventos-limite da derrota, abandono, depressão, doença e morte. Olhar esses acontecimentos com olhos de profundidade, antes que eles ocorram, nos ajuda a ter lucidez quando se concretizam. Omitir a realidade deles é inútil. Referindo-se à inevitabilidade da morte, Chagdud Rinpoche dizia, sorrindo: “antes de cair na água é necessário aprender a nadar”. Na nossa cultura, a morte parece algo a ser evitado. Confrontados com a proximidade do fim de nossos entes queridos, nos sentimos incapazes de ajudá-los. Parece insuportável até mesmo ouvi-los. Impotentes, sofremos diante de suas dores e lamentos. Como ajudá-los e a nós mesmos quando nos aproximarmos desse momento? Onde colocar nossa mente e nossas emoções nessa passagem?  O que fazer quando entendemos que não poderemos mais ajudar noss…

O BUDA E O DEVA

O Buda e o Deva O Buda estava um dia no Jardim de Anathapindika, na cidade de Jetavana, quando lhe apareceu um Deva ( espírito da natureza ) em figura de brâmane e vestido de hábitos brancos como a neve, e entre ambos se estabeleceu o seguinte “duelo”: O Deva: – Qual é a espada mais cortante? Ao que Buda respondeu: – A palavra raivosa é a mais cortante. – Qual o maior veneno? – A inveja é o mais mortal veneno. – Qual é o fogo mais ardente? – A luxúria – Qual a noite mais escura? – A ignorância – Quem obtém a maior recompensa? – Quem dá sem desejo de receber é quem mais ganha. – Quem sofre a maior perda? – Quem recebe de outro sem nada devolver é quem mais perde. – Qual é a armadura mais impenetrável? – A paciência – Qual a maior arma? – A sabedoria – Qual o ladrão mais perigoso? – Um mau pensamento é o ladrão mais perigoso – Qual o tesouro mais perigoso? – A virtude – Quem recusa o melhor que é oferecido deste mundo? – Recusa o melhor que se lhe oferece quem aspira à mortalidade – O que atrai? – O bem atrai – O…

ESCUTA COMPASSIVA - THICH NHAT HANH ENTREVISTADO POR OPRAH WINFREY (VÍDEO LEGENDADO EM PORTUGUÊS)

Thich Nhat Hanh entrevistado por Oprah Winfrey - Escuta Compassiva - LEGENDADO

Thich Nhat Hanh diz que ouvir pode ajudar a terminar com o sofrimento do outro, colocar fim a uma guerra e mudar o mundo para melhor. Assista a ele explicar como praticar a escuta compassiva.




Quem SomosNós somos um grupo de meditação budista e estudo dos textos do mestre Zen Vietnamita Thich Nhat Hanh.  Nos reunimos semanalmente nas 3a feiras das 19:30hs às 21:00hs, na Rua Jornalista Orlando Dantas, n. 5 no Flamengo - Rio de Janeiro. Clique aqui para ver o mapa. Todos estão convidados a participar conosco da nossa prática de plena consciência segundo os métodos ensinados por Thich Nhat Hanh e detalhada no quadro ao lado. Mesmo os que nunca meditaram ou têm pouca experiência estão convidados. Aos iniciantes serão dadas instruções antes do início da prática. Por isso sugerimos que os iniciantes cheguem 15 minutos antes do início. Semanalmente estudamos um texto de Thich Nhat Hanh. Para conhecer o texto dessa semana…

ESSE CORPO NÃO SOU EU - TICH NHAT HANH

ESSE CORPO NÃO SOU EU
Este corpo não sou eu.
Eu não sou limitado por este organismo.
Eu sou a vida sem limites.
Eu nunca nasci,
Eu nunca morri.

Olhe para o mar e o céu cheio de estrelas,
manifestações da minha mente,
verdade maravilhosa.

Desde antes dos tempos, eu sou livre.

O nascimento e a morte são apenas portas pelas
quais passamos,
limiares sagrados no nosso caminho.

Nascimento e morte são um jogo de esconde-esconde.
Então ria comigo,
segura minha mão,
vamos dizer adeus,
despedir-se, reunir-se novamente em breve.

Nós nos encontramos hoje.
Nós vamos nos encontrar novamente amanhã.
Nós vamos nos encontrar na fonte a cada momento.

Nós nos encontramos uns aos outros em todas as formas de vida. .

- Thich Nhat Hanh




NOSSOS ANCESTRAIS ESTÃO EM NÓS - THICH NHAT HANH

Nossos ancestrais estão vivos em nós
Minha mãe, meu pai, estão em mim, E quando olho, eu os enxergo em mim, O Buda, os patriarcas, eles estão em mim, E quando olho, eu os enxergo em mim, Sou uma continuação da minha mãe e do meu pai, Sou uma continuação de todos os meus irmãos e irmãs, É minha aspiração Preservar e continuar a nutrir Sementes de testemunho, sementes de habilidade, de felicidade Que eu tiver herdado; É também meu desejo reconhecer As semente de medo e sofrimento Que eu tiver herdado, E pouco a pouco transformá-las, Sou uma continuação do Buda e dos patriarcas, Sou uma continuação de todos os meus mestre espirituais, É minha aspiração profunda Preservar, desenvolver e nutrir Sementes de compreensão, de amor, de liberdade Que eles me transmitiram; Em minha vida diária também quero semear Sementes de amor e compaixão Em minha própria consciência E no coração das pessoas; Estou determinado A não regar sementes de desejo, aversão e violência nos outros,