Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Dezembro, 2016

"MUITAS DAS NOSSAS FUGAS SÃO INVOLUNTÁRIAS : VÍCIOS E DISSOCIAÇÃO COM OS SENTIMENTOS DOLOROSOS SÃO DOIS EXEMPLOS..." - PEMA CHODRON

"Muitas das nossas fugas são involuntárias: vícios e dissociação com os sentimentos dolorosos são dois exemplos. Quem já trabalhou com um forte vício de comer compulsivamente, sexo compulsivo, abuso de substâncias, a raiva explosiva, ou qualquer outro comportamento que está fora de controle, sabe que quando o impulso vem, ele é irresistível. A sedução é muito forte. Então vamos treinar novamente e novamente em situações menos altamente carregadas em que o desejo está presente, mas de forma não tão esmagadora. Treinando com as irritações diárias, desenvolvemos a habilidade de recuarmos quando as coisas correm mal. É preciso paciência e uma compreensão de como estamos prejudicando a nós mesmos, para não continuarmos a tomar a mesma e velha rota de fuga ao falar ou agir.” -Pema Chodron

MEDITAÇÃO DE CURA - TÜLKU THÖNDUP RIPONCHE

Meditação de Cura  por Tülku Thöndup Rinpoche A maioria dos exercícios compõe-se de quatro passos básicos: 1. identificar os problemas que precisam ser sanados; 2. apoiar-se numa fonte de poder; 3. aplicar os meios de cura e 4. alcançar o resultado da cura. Em alguns exercícios, a fonte de energia não é utilizada. Do mesmo modo, em alguns outros não se sugere uma determinada imagem; você poderá visualizar qualquer imagem que seja apropriada. Para promover uma cura realmente eficaz, precisamos usar o poder da imaginação, da compreensão, dos sentimentos e da força da nossa crença no processo de cura. Quanto mais vemos, compreendemos, sentimos e acreditamos nesse processo, mais profundos serão os benefícios. Podemos reforçar cada um dos quatro passos básicos da cura mediante quatro técnicas de meditação. Podemos 1. ver ou visualizar cada passo como uma imagem; 2. pensar em cada um deles usando um determinado nome ou designação; 3. sentir as qualidades de cada um deles e 4. acreditar na sua …

OS OITO NÍVEIS DE CONSCIÊNCIA - THICH NHAT HANH

Os Oito Níveis da Consciência Thich Nhat Hanh
O primeiro nível da consciência é a consciência do olhar. A forma é o objeto dos olhos. Quando os olhos e a forma encontram um ao outro, eles trazem a “visão” sobre a consciência do olhar. A consciência do olhar sempre tem contato, atenção e sentimentos, porque qualquer consciência tem as cinco formações mentais universais dentro dela. Elas acontecem muito rápido, talvez em menos de um milissegundo.
Da segunda até a quinta consciência temos: a consciência da audição, a consciência do olfato, a consciência do paladar, e a consciência do corpo. Corpo e toque, língua e gosto, nariz e cheiro, ouvido e som, olhos e forma. Essas consciências são um tipo de fluxo; sua natureza é um continuum, sempre passando por nascimento e morte.
É como a chama de uma vela. Nós temos a ilusão, a falsa percepção, de que é um chama, mas ao invés disso há uma sucessão de milhões de chamas juntas sem interrupção. Quando alguém desenha um círculo com uma tocha flamejant…

"A DESILUSÃO COM AS BUSCAS MUNDANAS DE FELICIDADE NÃO É O SUFICIENTE..." - B.ALAN WALLACE

A desilusão com as buscas mundanas de felicidade não é suficiente.
Nem sondar a profundidade do sofrimento ou a variedade do mal no mundo.
Este conhecimento talvez o torne um bom filósofo existencial, mas não lhe dará a inspiração para se devotar à prática espiritual.
A compreensão teórica vem da leitura, de ouvir conferências, de conversas, de pensamentos, mas ela é como uma receita em um livro de culinária, e uma receita não é uma refeição.
É somente pela prática do Dharma que conseguimos a inspiração que sustenta a prática espiritual.
A própria prática o nutrirá com um sentido de felicidade e bem-estar.
O sofrimento diminui.
Os benefícios do Dharma são testados pela própria prática do Dharma. - B. Alan Wallace, Ph.D, monge budista tibetano, ordenado por SS o Dalai Lama

COMO O BUDISMO PODE ESTAR POR TRÁS DA MISTERIOSA APOSENTADORIA DO PILOTO DA FÓRMULA I,NICO ROSBERG

Como o budismo pode estar por trás da misteriosa aposentadoria de RosbergEduardo Ohata 03/12/2016

A explicação do repentino e misterioso anúncio da aposentadoria de Nico Rosberg, logo após ganhar o título da temporada de F-1 e que pegou a todos de surpresa, pode muito bem estar há 2.500 anos. As pistas, ou melhor, as peças do quebra-cabeça, estão aí.
O símbolo do budismo que o alemão trazia em seu capacete.
Os mantras budistas recitados dentro do box da Mercedes por sua mulher, Vivian, quando viu ameaçada a segunda colocação do marido no GP de Abu Dhabi, que garantiria o título.
A foto com o líder espiritual Dalai Lama, que o piloto não fez a menor questã0 de esconder.
O nome da filha de Rosberg, que tem pouco menos de um ano, é Alaia. ''Alaya'', no budismo, cria todas as consciências, corpos e meio ambiente. Tudo é criado pela Alaya.
Nico Rosberg põe capacete com o símbolo budista
E o timing do momento do anúncio de que está parando: Ele acontece justamente durante a semana de…