Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Novembro, 2016

CONTO BUDISTA : "SOM DO SILÊNCIO"

Conto Budista: “Som do Silêncio”Certa vez, um budista foi às montanhas procurar um grande mestre, que segundo diziam e acreditavam, poderia dizer-lhe a palavra definitiva sobre o sentido da Sabedoria. Após muitos dias de dura caminhada, encontrou-o num belo templo à beira de um lindo vale. E diz: “Mestre, vim até aqui para lhe pedir uma palavra sobre o sentido do Dharma. Por favor, faça-me atravessar os Portões da Sabedoria.” “Diga-me,” respondeu o sábio, “vindo para cá vós passastes pelo vale?”
“Sim.”
“Por acaso ouvistes o seu som?”
Um tanto incerto, o homem disse:
“Bem, ouvi o som do vento como um suave canto penetrando todo o vale.”
O sábio respondeu:
“O local onde vós ouvistes o som do vale é onde começa o caminho que leva aos Portões da Sabedoria. E este som é toda palavra que vós precisais ouvir sobre a Verdade, pois quem ouve a Verdade e a pratica de forma sentida, terá sempre o caminho aberto para a sabedoria que todos procuramos, e no Silêncio da Mente e não na confusão e no caos, …

A PERDA É INEVITÁVEL - LAMA PADMA SAMTEN

A perda é inevitávelÉ preciso estar preparado para os momentos difíceis – da demissão no trabalho à morte de uma pessoa querida.Padma Samten A aparente normalidade de nossas rotinas não nos prepara para os eventos-limite da derrota, abandono, depressão, doença e morte. Olhar esses acontecimentos com olhos de profundidade, antes que eles ocorram, nos ajuda a ter lucidez quando se concretizam. Omitir a realidade deles é inútil. Referindo-se à inevitabilidade da morte, Chagdud Rinpoche dizia, sorrindo: “antes de cair na água é necessário aprender a nadar”. Na nossa cultura, a morte parece algo a ser evitado. Confrontados com a proximidade do fim de nossos entes queridos, nos sentimos incapazes de ajudá-los. Parece insuportável até mesmo ouvi-los. Impotentes, sofremos diante de suas dores e lamentos. Como ajudá-los e a nós mesmos quando nos aproximarmos desse momento? Onde colocar nossa mente e nossas emoções nessa passagem?  O que fazer quando entendemos que não poderemos mais ajudar noss…

O BUDA E O DEVA

O Buda e o Deva O Buda estava um dia no Jardim de Anathapindika, na cidade de Jetavana, quando lhe apareceu um Deva ( espírito da natureza ) em figura de brâmane e vestido de hábitos brancos como a neve, e entre ambos se estabeleceu o seguinte “duelo”: O Deva: – Qual é a espada mais cortante? Ao que Buda respondeu: – A palavra raivosa é a mais cortante. – Qual o maior veneno? – A inveja é o mais mortal veneno. – Qual é o fogo mais ardente? – A luxúria – Qual a noite mais escura? – A ignorância – Quem obtém a maior recompensa? – Quem dá sem desejo de receber é quem mais ganha. – Quem sofre a maior perda? – Quem recebe de outro sem nada devolver é quem mais perde. – Qual é a armadura mais impenetrável? – A paciência – Qual a maior arma? – A sabedoria – Qual o ladrão mais perigoso? – Um mau pensamento é o ladrão mais perigoso – Qual o tesouro mais perigoso? – A virtude – Quem recusa o melhor que é oferecido deste mundo? – Recusa o melhor que se lhe oferece quem aspira à mortalidade – O que atrai? – O bem atrai – O…