Pular para o conteúdo principal

VIAJE PARA A ÁSIA : A SABEDORIA DO BUDISMO

Budismo
Kathmandu, Nepal. Um monge curtindo o melhor do Budismo: a felicidade do desapego.

Viaje para a Ásia: a Sabedoria do Budismo

Viajar para um lugar é conhecer a sua cultura e o seu modo de vida. Na Ásia, em termos religiosos, a cultura foi e ainda é dominada por duas grandes religiões: o Islamismo e o Budismo. Assim, se você pretende viajar para essas bandas, vale muito a pena saber um tiquinho sobre o Islamismo e o Budismo para você aproveitar mais a viagem e saber o quê está fotografando ou o porquê um monte de gente usando laranja está passando perto de você. Além disso, você poderá tirar uma onda com seus parentes e amigos na sessão de fotos do retorno da viagem! hehehe…
O Islamismo não é tão diferente do Cristianismo e do Judaísmo, e já foi objeto de um post anterior, o qual recomendamos muito a leitura, caso você esteja planejando uma viagem para o incrível Mundo Muçulmano. Já o Budismo é uma religião inteiramente diferente e domina boa parte da Ásia.
O budista acredita que a vida, como regra, é sofrimento, e que vivemos numa cadeia infinita de reencarnações. Ou seja, sofremos nesta vida, sofreremos na próxima, e naquela que tivermos depois da próxima, para todo o sempre. É uma tristeza sem fim. Óh céus… Mas há uma saída para essa sofrência toda!
O budismo seria uma receita para escapar do ciclo de reencarnações (samsara, em sânscrito) e sofrimentos eternos. Tal libertação se dá por meio do exercício do desapego, pois é o apego é que nos faz sofrer e nos mantém preso ao ciclo de encarnações.
Viaje com a gente pelos ensinamentos do Budismo, e descubra os tesouros que a cultura do Oriente guarda e como eles podem tornar a sua viagem e a até a sua vida mais rica!
Pachupatinah, Nepal. Há séculos os sábios sannyasis caminham pelo mundo, em busca da iluminação. Budismo.
Pashupatinah, Nepal. Há séculos os sábios hinduístas chamados sannyasis caminham pelo mundo, em busca da iluminação.

Budismo e as Grandes Religiões Orientais

Sidarta Gautama, o Buda, nasceu no Século VI a.C., em uma família nobre da Índia antiga, em um período de grande florescimento religioso. São os ensinamentos do Buda que constituem o ponto de partida ao que hoje chamamos de Budismo.
Por toda parte, sábios andarilhos (chamados de sannyasis ou bhikshus) dedicavam a sua vida ao estudo e ao ensino, a fim de descobrir a verdade sobre o mundo e sobre si mesmos, a qual estaria escondida inclusive dos deuses. Qual é a origem do universo? Quem sou eu? Qual é o sentido da minha vida?
Até hoje, se viajar para a Índia, você encontrará esses nobres vagabundos, principalmente em lugares de maior significado religioso. E são as intuições, inspirações e entendimentos desses sábios que vão dar origem, lá no Século VI a.C., às três grandes religiões da Índia antiga: o Hinduísmo , o Jainismo  e o Budismo.
Essas três religiões têm em comum inúmeras crenças, que as tornam muito diferentes das religiões abraâmicas (que acreditam que Abraão é um profeta de deus, Cristianismo, Judaísmo e Islamismo), entre as quais a ideia de karma e de reencarnação.
Hangzhou, China. Budismo
Hangzhou, China. Bodisatva da Misericórdia. Bostisatvas são pessoas/espíritos bondosos que, em uma das suas próximas encarnações futuras, alcançará a iluminação, e se tornará um novo Buda. Elas buscam auxiliar os outros para que encontrem e persistam no caminho da iluminação. São objeto de grande devoção no Budismo Mahayana, prevalente na China, Japão, Coréia e Vietnã.
As religiões indianas compartilham a ideia de que todo ser vivo não vive apenas uma vida, mas retorna a este mundo de novo e de novo, num processo contínuo e interminável de mortes e renascimentos. Aqui no Ocidente, muitas vezes, a ideia de reencarnação é retratada de forma atrativa, pela possibilidade de, na próxima vida, aproveitarmos alguma coisa que não tivemos a oportunidade nesta vida, por qualquer razão. Mas, na Índia antiga, o ciclo de reencarnações (samsara, em sânscrito) era tido como um fardo. Uma das principais preocupações dos sábios indianos era precisamente como escapar desse fardo, ou ao menos diminuir o seu peso.
Entende-se, nessa tradição, que é possível obter uma próxima encarnação mais favorável por meio de boas ações (karma, em sânscrito). Inversamente, más ações conduzem a uma próxima encarnação menos favorável. As reencarnações podem se dar em seis reinos diferentes: deus, semideus, ser humano, fantasma, animal ou espírito no Inferno. Se praticar boas ações, você subirá na cadeia dos reinos, e se se comportar mal, cairá. Imagina só vir como uma barata ou um verminho ou os borós que servem de isca para pai pescar… punk, né? Então, esforce-se para ser um(a) bom (a) menino (a).
Todavia, tal ascenção e queda são impermanentes, e até mesmo os deuses estão submetidos à lei do karma e ao ciclo de reencarnações. Parada bem democrática, né? Assim, se um deus se comportar mal, ele poderá, no futuro, renascer como um mísero verme. Certamente, a ideia de divindade para as religiões indianas é muito distinta daquela das religiões abraâmicas.
Todavia, o prêmio maior seria sem dúvida escapar por completo do ciclo de mortes e encarnações, alcançar o estado de não-reencarnação, e é nesse ponto que vão se concentrar os ensinamentos do Budismo.
Budismo
Como em outros países, o Budismo japonês incorporou muitos elementos da religião tradicional local, no caso o Xintoísmo.

O Despertar do Budismo

Sidarta, o Buda, passou a maior parte de sua juventude no castelo de seu pai, protegido dos horrores do mundo. Todavia, eventualmente aconteceu o inevitável: Sidarta conheceu os males da doença, da morte e da velhice. Diante disso, decidiu deixar tudo para trás, todo o conforto e a riqueza, e inclusive a sua esposa e filha. Então, ele se tornou um andarilho, com o objetivo de descobrir a verdade sobre a vida e a morte, e o sentido de todo o sofrimento do mundo – audacioso, né? O importante é ter foco…
Depois de muitas aventuras, sentado de baixo de uma árvore, Sidarta finalmente alcançou o Despertar (bodhi, em sânscrito), e tornou-se o Buda, que significa o Iluminado, em sânscrito. Ele tinha entendido as causas do sofrimento e soprou elas para longe, alcançando o nirvana. O nirvana envolve um estado de liberdade e calma que estão ausente na vida ordinária, e é obtido em vida, e não apenas com a morte, quando o iluminado abandona para sempre o ciclo de morte e renascimento. É o que se chama de parinirvana (total extinção).
Mandalay, Myanmar. Budismo
Mandalay, Myanmar. As meninas também podem se tornar monjas, trilhar o caminho da sabedoria e alcançar o nirvana. Mas no Jainismo, há correntes que dizem que apenas os homens podem alcançar tal façanha.
Assim, o nirvana não é um estado de prazer interminável, como acontece com a ideia de paraíso nas tradições judaicas, cristãs e muçulmanas. O estado é um estado de não ser, em que o EU não mais existe, e, portanto, não pode mais sentir prazer ou sofrimento. Então, se você quer ser budista, esqueça esse negócio de virgens no paraíso, comer sem engordar, etc e tal.

A Caminho do Nirvana

Para o Budismo tradicional, quando o Buda morreu, ele desapareceu da existência, e, dessa forma, ele não pode influenciar o destino dos seus seguidores ou mesmo operar milagres. Ou seja, não dá para rezar para o Buda. Não é que ele não esteja aí para os problemas do mundo, ele simplesmente não está mais. O Buda não é o Deus das religiões abraâmicas. O que não impede as pessoas mais simples nos países budistas de buscarem a ajuda do Buda para resolver os problemas, grandes e pequenos, do seu dia-a-dia, como ocorre em todas as religiões do mundo, que servem de alento e conforto para inevitabilidade da vida.
Mas o Buda não guardou para si o caminho para iluminação, e sim compartilhou com o mundo um amplo conjunto de sábios ensinamentos, aos quais se dá o nome de dharma. E no coração da doutrina do Buda,estão as “Quatro Verdades Nobres”, a pedra fundamental do Budismo, que serve de ponto inicial para a distinção deste em relação às demais religiões indianas.
Bagan, Myanmar. Budismo.
Bagan, Myanmar. A cidade de Bagan contém cerca de 3.200 templos budista como esse da foto. Na verdade, é um desvirtuamento da doutrina pura budista, pois os nobres e a família real entendiam que se eles construíssem templos em homenagem a Buda, eles demonstrariam um suposto desapego ao dinheiro e ganhariam pontos de karma para melhorar a próxima encarnação. Contudo, na verdade, seria uma forma de ganhar status naquela comunidade. Tipo a bolsa da Hermés da época.. hehehe
A Primeira Verdade do Budismo é a “Realidade do Sofrimento” (dukha, em sânscrito). O Buda iniciou o seu primeiro sermão com a seguinte e poderosa afirmação: “Tudo é Sofrimento”. Mesmo os momentos prazerosos da vida causam sofrimento, pois são impermanentes, não duram para sempre, e, quando vão embora, deixam para traz o sofrimento de sua cessação. Aliás, sofremos mesmo durante os momentos de felicidade, pois sabemos que eles chegarão ao fim. Sofremos porque vivemos uma situação prazerosa, que não é mais tão prazeroso quanto já foi.
Bangkok, Tailândia. Budismo.
Bangkok, Tailândia. Esse é o complexo dos templos reais de Bangkok. 
A Segunda Verdade do Budismo é a “Realidade da Origem do Sofrimento” (samudaya, em sânscrito). É o desejo, o apego que nos conduz ao sofrimento e à permanência dentro do ciclo de morte e renascimento. Isso inclui não só o desejo por coisas ou por sentimento, mas também o desejo por ser/existir.
Para o Budismo, tudo é impermanente, e a ideia de um EU estável e permanente é uma ilusão. Somos não apenas um mas uma pluralidade de processos simultâneos, a correnteza de um rio que se transforma a todo momento. Essa correnteza transborda de uma vida para outra, sempre e sempre até o infinito. É o apego ao EU que nos causa os maiores sofrimentos, pois é em razão dele que sentimos medo da doença, a velhice e a morte.
Kathmandu, Nepal. Com a invasão do Tibet pela China, muito monges imigraram para países próximos, como a Índia (onde reside o Dalai Lama) e o Nepal. Budismo.
Kathmandu, Nepal. Com a invasão do Tibet pela China, muito monges imigraram para países próximos, como a Índia (onde reside o Dalai Lama) e o Nepal.
A Terceira Verdade do Budismo é a “Realidade da Cessação do Sofrimento” (nirodha, em sânscrito). A cessação do sofrimento somente pode ser obtida por meio da renúncia ao desejo e ao apego a tudo, às coisas, à família, a si mesmo e até mesmo aos ensinamentos do Buda. Somente assim é possível alcançar a liberdade, a independência e o nirvana.
Tal tarefa é enormemente difícil, como se pode imaginar. Apenas depois de inúmeras reencarnações, e muito karma acumulado, alcançaremos uma encarnação favorável para alcançarmos o nirvana. Mesmo o Buda teve que percorrer um grande número de encarnações, antes de alcançar a iluminação, e essas outras vidas são objeto de muitas histórias no budismo.
Sarnath, Índia. Budismo.
Sarnath, Índia. Esse é o local onde Sidarta, depois de ter se tornado o Buda, proferiu seu primeiro sermão. Fica pertinho de Varanasi e compensa a visita!
A Quarta Verdade do Budismo é a “Realidade do Caminho para a Cessação do Sofrimento” (magga, em sânscrito). O caminho que leva à cessação do sofrimento passa por oito diretrizes, chamados conjuntamente de “Nobre Óctuplo Caminho”: entendimento correto, pensamento correto, linguagem correta, ação correta, modo de vida correto, esforço correto, atenção plena correta, concentração correta.
Podemos reduzir essas oito diretrizes a apenas três: conduta moral (sila, em sânscrito); concentração mental (samadihi, em sânscrito), para focar e clarear a mente, principalmente por meio da meditação; e sabedoria (pañña, em sânscrito), ou o entendimento do não-EU.
Para os budistas leigos, conduta moral significa: não matar; não furtar; não mentir; não abusar do sexo; e não consumir substâncias intoxicantes. Tais obrigações não tem valor em si mesmas, mas são importantes no processo de aprendizagem acerca da natureza ilusória do EU. Já para os monges, há cinco obrigações adicionais, incluindo a proibição de comer depois do meio dia, de não dormir em camas macias e de não manejar dinheiro, todas com o mesmo objetivo indicado.
Veja que, no final, o objetivo do Budismo não é transformar o devoto em um psicopata indiferente a tudo, mas, na negação do EU, encontrar-se com o mundo, pois não haveria diferença entre o si e o mundo. Não há, no budismo, uma negação do mundo, mas sim a aceitação da sua impermanência, e, nessa medida, não haveria motivo para sofrimento.
Luang Prabang, Laos. Budismo.
Luang Prabang, Laos. Tendo em vista da tentativa de negação do Eu, os monges dependem da comida que a comunidade lhes oferece e não daquela que eles desejam ou possam comprar com dinheiro, mesmo porque são proibidos de manejar dinheiro. Assim, todos os dias, em Luang Prabang, no Laos, várias pessoas, também para conquistarem bom karma, levantam-se cedo de suas camas para darem de comer ao monges que fazem filas nas ruas com suas marmitas e cantam em agradecimento. Uma cerimônia linda de se ver… compensa acordar cedinho para conferir!

Leigos e Monges no Coração do Budismo

Já que tocamos no assunto, a distinção entre monge e leigo é um das mais fundamentais no Mundo Budista.
Uma das expressões fundamentais da fé budista é o chamado “Triplo Refúgio”: “Eu me refugio no Buda. Eu me refugio no Dharma (conjunto de ensinamentos do Budismo). Eu me refugio na Samgha (comunidade dos devotos budistas)”.
Na comunidade budista (samgha, em sânscrito), os leigos e os monges desempenham papéis distintos e complementares.
Os leigos não pretendem alcançar o nirvana na sua encarnação atual, mas apenas em um dos seus próximos retornos a este mundo, em que tenha condições mais favoráveis para tanto. Com esse fim, realizam boas ações, para assegurar uma encarnação futura mais favorável. Entre essas boas ações, destaca-se apoiar os monges e freiras, que, por terem abandonado a vida mundana, dependem da comunidade dos leigos para o seu sustento diário.
Dito de outra forma, a comunidade dos leigos assegura as condições materiais para que os monges e as freiras tentem alcançar o nirvana já nesta vida. Ao ajudar os monges e as freiras, os leigos estão trabalhando para uma encarnação futura mais favorável, em que eles mesmos poderão alcançar o nirvana, o objetivo final de todos os budistas. Dessa forma, para os membros leigos da comunidade budista, a generosidade é a principal virtude.
Com o desaparecimento do Buda, o Dharma e a Samgha são os principais pilares do Budismo.
Monastério Budista, Mandalay, Myanmar. Budismo.
Monastério Budista, Mandalay, Myanmar. Refeição coletiva com a comida que foi doada pela comunidade. Você também pode acompanhar a cerimônia! Aliás, Myanmar é um país maravilhoso, que será objeto de um post futuro.
Na origem, o Budismo não trazia qualquer mitologia, ou qualquer ideia sobre deus ou a origem do universo. O Buda estava preocupado exclusivamente com o pensamento humano, e não com questões metafísicas. O lado metafísico e místico do budismo foi acrescentado séculos depois, principalmente a partir da suposta descoberta de ensinamentos secretos do Buda.
Monastério Budista, Mandalay, Myanmar. Budismo.
Monastério Budista, Mandalay, Myanmar. Os monges estudam teologia budista, pali (a língua oficial do budismo), sânscrito e inglês.

O Budismo na sua Viagem

Viajar é também descobrir tesouros de sabedoria, formas diferentes de ver e viver o mundo, que sempre enriquecem a nossa própria vivência do mundo.
Vivemos em uma cultura que coloca a valorização do EU como o caminho para a felicidade. Temos que ter e ser muitas coisas.
Já o budismo sustenta que a felicidade e a libertação está na negação do EU e no desapego das coisas do mundo. Tal objetivo é impossível para a maioria de nós, mas certamente a sabedoria do budismo nos ensina a importância  de uma vida mais simples, na qual damos valor apenas às coisas realmente importantes. Essa é uma lição que, na minha opinião, vale muito à pena aprender.
Mas este post explorou apenas a pontinha do iceberg do Mundo Budista, que é enormemente rico e variado, indo do místico tantra ao silencioso zen, e tudo isso será assunto de futuras conversas aqui no Borboleteando por Aí. Não perca!
Ho Chi Mihn, Vietnã. Budismo.
Ho Chi Mihn, Vietnã. Conforme o Budismo foi viajando pelo mundo, ele foi incorporando os elementos das culturas locais. Aqui, você pode perceber claras influências chinesas no budismo do Vietnã.

Fonte:http://www.borboleteandoporai.com/viaje-para-asia-sabedoria-budismo/

Postagens mais visitadas deste blog

5 PRECEITOS BUDISTAS PARA ENCONTRAR A PAZ INTERIOR

5 Preceitos Budista para encontrar a paz interior

DALAI LAMA: ATRÁS DE NOSSA ANSIEDADE ESTÁ O MEDO DE NÃO SER NECESSÁRIO

DALAI LAMA: ATRÁS DE NOSSA ANSIEDADE ESTÁ O MEDO DE NÃO SER NECESSÁRIOO medo de não ser necessário é um dos maiores causadores de tristezas no ser humano.  De muitas maneiras, nunca houve um melhor momento para estar vivo. A violência assola alguns cantos do mundo, e muitos ainda vivem sob o domínio de regimes tirânicos. 

E embora todas as grandes religiões do mundo ensinem amor, compaixão e tolerância, a violência impensável está sendo perpetrada em nome da religião. E ainda assim, poucos dentre nós são pobres, cada vez menos pessoas tem fome, menos crianças morrem e mais homens e mulheres sabem ler do que nunca. 

Em muitos países, o reconhecimento dos direitos das mulheres e das minorias é agora norma. Ainda há muito trabalho a fazer, é claro, mas há esperança e há progresso.
Quão estranho, então, ver tanta raiva e grande descontentamento em algumas das nações mais ricas do mundo. 

Nos Estados Unidos, Grã-Bretanha e em todo o continente europeu, as pessoas são convulsionadas com frustraçã…

ESCUTA COMPASSIVA - THICH NHAT HANH ENTREVISTADO POR OPRAH WINFREY (VÍDEO LEGENDADO EM PORTUGUÊS)

Thich Nhat Hanh entrevistado por Oprah Winfrey - Escuta Compassiva - LEGENDADO

Thich Nhat Hanh diz que ouvir pode ajudar a terminar com o sofrimento do outro, colocar fim a uma guerra e mudar o mundo para melhor. Assista a ele explicar como praticar a escuta compassiva.




Quem SomosNós somos um grupo de meditação budista e estudo dos textos do mestre Zen Vietnamita Thich Nhat Hanh.  Nos reunimos semanalmente nas 3a feiras das 19:30hs às 21:00hs, na Rua Jornalista Orlando Dantas, n. 5 no Flamengo - Rio de Janeiro. Clique aqui para ver o mapa. Todos estão convidados a participar conosco da nossa prática de plena consciência segundo os métodos ensinados por Thich Nhat Hanh e detalhada no quadro ao lado. Mesmo os que nunca meditaram ou têm pouca experiência estão convidados. Aos iniciantes serão dadas instruções antes do início da prática. Por isso sugerimos que os iniciantes cheguem 15 minutos antes do início. Semanalmente estudamos um texto de Thich Nhat Hanh. Para conhecer o texto dessa semana…