Pular para o conteúdo principal

PESQUISAS LABORATORIAIS POR IMAGENS DO CÉREBRO,DO MONGE BUDISTA MATTHIEU RICARD,EM VÁRIAS FORMAS DE MEDITAÇÃO,INCLUINDO MEDITAÇÃO DE COMPAIXÃO




PESQUISAS LABORATORIAIS POR IMAGENS DO CÉREBRO,DO MONGE BUDISTA MATTHIEU RICARD,EM VÁRIAS FORMAS DE MEDITAÇÃO, INCLUINDO MEDITAÇÃO DE COMPAIXÃO

Legenda: Em 5 de junho de 2008, o técnico Andy Francis (à esquerda com óculos) e o cientista associado e co-investigador principal Antoine Lutz (à direita) monge budista Matthieu Ricard (sentado) com uma rede de sensores geodésicos de 128 canais em preparação para conduzir um Eletroencefalograma (EEG) na unidade de EEG no Centro Waisman da Universidade de Wisconsin-Madison. Ricard é um participante de longa data em um estudo de pesquisa em curso liderado por Richard J. Davidson que monitora as ondas cerebrais de um sujeito durante várias formas de meditação, incluindo meditação de compaixão. Davidson é diretor do Laboratório Waisman para Imagens e Comportamento Cerebral (WLBIB) e o Professor William James e Vilas de Psicologia e Psiquiatria.
Foto por: Jeff Miller
Data:


O monge budista Matthieu Ricard está sentado em uma sala à prova de som e conversa com Richard J. Davidson (à direita) antes de participar de um teste de eletroencefalografia (EEG) na unidade de EEG no Centro Waisman da Universidade De Wisconsin-Madison em 5 de junho de 2008. Ricard é um participante de longa data em um estudo de pesquisa em curso liderado por Davidson que monitora as ondas cerebrais de um sujeito durante várias formas de meditação, incluindo meditação de compaixão. Davidson é diretor do Laboratório Waisman para Imagens e Comportamento Cerebral (WLBIB) e o Professor William James e Vilas de Psicologia e Psiquiatria.
Foto por: Jeff Miller
Data: Junho de 2008
JPEG de alta resolução


O monge budista Matthieu Ricard está em uma sala à prova de som e se prepara para um teste de eletroencefalografia (EEG) na unidade de EEG no Waisman Center, na Universidade de Wisconsin-Madison, em 5 de junho de 2008. Ricard é um participante de longa data em um estudo de pesquisa em curso liderado por Richard J. Davidson que monitora as ondas cerebrais de um sujeito durante várias formas de meditação, incluindo meditação de compaixão. Davidson é diretor do Laboratório Waisman para Imagens e Comportamento Cerebral (WLBIB) e o Professor William James e Vilas de Psicologia e Psiquiatria.
Foto por: Jeff Miller
Data: Junho de 2008
JPEG de alta resolução


O monge budista Matthieu Ricard está em uma sala à prova de som e se prepara para um teste de eletroencefalografia (EEG) na unidade de EEG no Waisman Center, na Universidade de Wisconsin-Madison, em 5 de junho de 2008. Ricard é um participante de longa data em um estudo de pesquisa em curso liderado por Richard J. Davidson que monitora as ondas cerebrais de um sujeito durante várias formas de meditação, incluindo meditação de compaixão. Davidson é diretor do Laboratório Waisman para Imagens e Comportamento Cerebral (WLBIB) e o Professor William James e Vilas de Psicologia e Psiquiatria.
Foto por: Jeff Miller
Data: Junho de 2008
JPEG de alta resolução


O monge budista Matthieu Ricard está em uma sala à prova de som e se prepara para um teste de eletroencefalografia (EEG) na unidade de EEG no Waisman Center, na Universidade de Wisconsin-Madison, em 5 de junho de 2008. Ricard é um participante de longa data em um estudo de pesquisa em curso liderado por Richard J. Davidson que monitora as ondas cerebrais de um sujeito durante várias formas de meditação, incluindo meditação de compaixão. Davidson é diretor do Laboratório Waisman para Imagens e Comportamento Cerebral (WLBIB) e o Professor William James e Vilas de Psicologia e Psiquiatria.
Foto por: Jeff Miller
Data: Junho de 2008
JPEG de alta resolução


Legenda: dados um monitor de computador exibe sendo gravado durante uma eletroencefalografia (EEG) realizado com monge budista Matthieu Ricard na instalação EEG no Centro Waisman da Universidade de Wisconsin-Madison, em 5 de junho de 2008. Ricard é um participante de longa data em uma Pesquisa em curso conduzido por Davidson que monitora as ondas cerebrais de um sujeito durante várias formas de meditação, incluindo meditação de compaixão. Davidson é diretor do Laboratório Waisman para Imagens e Comportamento Cerebral (WLBIB) e o Professor William James e Vilas de Psicologia e Psiquiatria.
Foto por: Jeff Miller
Data: Junho de 2008
JPEG de alta resolução


Legenda: Monge budista Matthieu Ricard (esquerda) e co-investigador principal Richard J. Davidson são retratados antes Ricard participa de um teste de ressonância magnética funcional (fMRI) na instalação de MRI no Centro Waisman da Universidade de Wisconsin-Madison de junho Ricard é um participante de longa data em um estudo de pesquisa em andamento liderado por Davidson que monitora a atividade cerebral de um sujeito eo impacto da meditação na regulação da dor. Davidson é diretor do Laboratório Waisman para Imagens e Comportamento Cerebral (WLBIB) e o Professor William James e Vilas de Psicologia e Psiquiatria.
Foto por: Jeff Miller
Data: Junho de 2008
JPEG de alta resolução


Legenda: Monge budista Matthieu Ricard (esquerda) e co-investigador principal Richard J. Davidson são retratados antes Ricard participa de um teste de ressonância magnética funcional (fMRI) na instalação de MRI no Centro Waisman da Universidade de Wisconsin-Madison de junho Ricard é um participante de longa data em um estudo de pesquisa em andamento liderado por Davidson que monitora a atividade cerebral de um sujeito eo impacto da meditação na regulação da dor. Davidson é diretor do Laboratório Waisman para Imagens e Comportamento Cerebral (WLBIB) e o Professor William James e Vilas de Psicologia e Psiquiatria.
Foto por: Jeff Miller
Data: Junho de 2008
JPEG de alta resolução


O cientista associado e pesquisador associado Antoine Lutz, monge budista Matthieu Ricard e Richard J. Davidson são retratados antes que Ricard participe de um exame de ressonância magnética funcional (fMRI) na unidade de ressonância magnética no Waisman Center no Universidade de Wisconsin-Madison em 4 de junho de 2008. Ricard é um participante de longa data em um estudo de pesquisa em curso liderado por Davidson que monitora a atividade cerebral de um sujeito eo impacto da meditação na regulação da dor. Davidson é diretor do Laboratório Waisman para Imagens e Comportamento Cerebral (WLBIB) e o Professor William James e Vilas de Psicologia e Psiquiatria.
Foto por: Jeff Miller
Data: Junho de 2008
JPEG de alta resolução


Legenda: Técnico Michael Anderle (esquerda, com óculos) e co-investigador principal Richard J. Davidson (centro vestindo jaqueta) e Antoine Lutz (direita) preparar monge budista Matthieu Ricard para um teste de ressonância magnética funcional (fMRI) na instalação de MRI em O Centro Waisman na Universidade de Wisconsin-Madison em 4 de junho de 2008. Ricard é um participante de longa data em um estudo de pesquisa em curso liderado por Davidson que monitora a atividade cerebral de um sujeito eo impacto da meditação sobre a regulação da dor. Davidson é diretor do Laboratório Waisman para Imagens e Comportamento Cerebral (WLBIB) e o Professor William James e Vilas de Psicologia e Psiquiatria.
Foto por: Jeff Miller
Data: Junho de 2008
JPEG de alta resolução


Legenda: Técnico Michael Anderle (esquerda, com óculos) e co-investigador principal Richard J. Davidson (centro vestindo jaqueta) e Antoine Lutz (direita) preparar monge budista Matthieu Ricard para um teste de ressonância magnética funcional (fMRI) na instalação de MRI em O Centro Waisman na Universidade de Wisconsin-Madison em 4 de junho de 2008. Ricard é um participante de longa data em um estudo de pesquisa em curso liderado por Davidson que monitora a atividade cerebral de um sujeito eo impacto da meditação sobre a regulação da dor. Davidson é diretor do Laboratório Waisman para Imagens e Comportamento Cerebral (WLBIB) e o Professor William James e Vilas de Psicologia e Psiquiatria.
Foto por: Jeff Miller
Data: Junho de 2008
JPEG de alta resolução


O cientista associado Antoine Lutz (à esquerda) e o técnico Michael Anderle (com óculos) preparam o monge budista Matthieu Ricard para um exame de ressonância magnética funcional (fMRI) na unidade de ressonância magnética do Centro Waisman da Universidade de Wisconsin -Madison em 4 de junho de 2008. Ricard é um participante de longa data em um estudo de pesquisa em curso liderado por Richard J. Davidson que monitora a atividade cerebral de um sujeito eo impacto da meditação sobre a regulação da dor. Davidson é diretor do Laboratório Waisman para Imagens e Comportamento Cerebral (WLBIB) e o Professor William James e Vilas de Psicologia e Psiquiatria.
Foto por: Jeff Miller
Data: Junho de 2008
JPEG de alta resolução


Legenda: Um monitor de computador exibe representações gráficas do cérebro de monge budista Matthieu Ricard como Ricard participa de um teste de ressonância magnética funcional (fMRI) na instalação de MRI no Centro Waisman da Universidade de Wisconsin-Madison, em 4 de junho de 2008. Ricard é Um participante de longa data em um estudo de pesquisa em curso liderado por Richard J. Davidson que monitora a atividade cerebral de um sujeito eo impacto da meditação sobre a regulação da dor. Davidson é diretor do Laboratório Waisman para Imagens e Comportamento Cerebral (WLBIB) e o Professor William James e Vilas de Psicologia e Psiquiatria.
Foto por: Jeff Miller
Data: Junho de 2008
JPEG de alta resolução


Legenda: Técnico Michael Anderle (à esquerda) e alunos formados David Perlman monitor de computador exibe como monge budista Matthieu Ricard participa de um teste funcional ressonância magnética (fMRI) na instalação de MRI no Centro Waisman da Universidade de Wisconsin-Madison em 4 de Junho , 2008. Ricard é um participante de longa data em um estudo de pesquisa em curso liderado por Richard J. Davidson que monitora a atividade cerebral de um sujeito eo impacto da meditação sobre a regulação da dor. Davidson é diretor do Laboratório Waisman para Imagens e Comportamento Cerebral (WLBIB) e o Professor William James e Vilas de Psicologia e Psiquiatria. Davidson é diretor do Laboratório Waisman para Imagens e Comportamento Cerebral (WLBIB) e o Professor William James e Vilas de Psicologia e Psiquiatria.
Foto por:



Legenda: Um monitor de computador exibe representações gráficas do cérebro de monge budista Matthieu Ricard como Ricard participa de um teste de ressonância magnética funcional (fMRI) na instalação de MRI no Centro Waisman da Universidade de Wisconsin-Madison, em 4 de junho de 2008. Ricard é Um participante de longa data em um estudo de pesquisa em curso liderado por Richard J. Davidson que monitora a atividade cerebral de um sujeito eo impacto da meditação sobre a regulação da dor. Davidson é diretor do Laboratório Waisman para Imagens e Comportamento Cerebral (WLBIB) e o Professor William James e Vilas de Psicologia e Psiquiatria.
Foto por: Jeff Miller
Data: Junho de 2008
JPEG de alta resolução


Legenda: Técnico Michael Anderle monitores de computador exibe como monge budista Matthieu Ricard participa de um teste de ressonância magnética funcional (fMRI) na instalação de MRI no Centro Waisman da Universidade de Wisconsin-Madison, em 4 de junho de 2008. Ricard é um participante de longa data Em um estudo de pesquisa em curso liderado por Richard J. Davidson que monitora a atividade cerebral de um sujeito eo impacto da meditação sobre a regulação da dor. Davidson é diretor do Laboratório Waisman para Imagens e Comportamento Cerebral (WLBIB) e o Professor William James e Vilas de Psicologia e Psiquiatria.
Foto por: Jeff Miller
Data: Junho de 2008
JPEG de alta resolução


Legenda: um monitor de computador exibe close-up de vídeo de um dos olhos do monge budista Matthieu Ricard como Ricard participa de uma ressonância magnética funcional de teste (fMRI) na instalação de MRI no Centro Waisman da Universidade de Wisconsin-Madison em 4 de junho, 2008. O software de rastreamento de olhos mede a dilatação pupilar, que está relacionada com a excitação emocional e esforço mental. Ricard é um participante de longa data em um estudo de pesquisa em curso liderado por Richard J. Davidson que monitora a atividade cerebral de um sujeito eo impacto da meditação sobre a regulação da dor. Davidson é diretor do Laboratório Waisman para Imagens e Comportamento Cerebral (WLBIB) e o Professor William James e Vilas de Psicologia e Psiquiatria.
Foto por: Jeff Miller
Data: Junho de 2008
JPEG de alta resolução


Legenda: Técnico Michael Anderle monitora monitores de computador e mantém contato de voz com monge budista Matthieu Ricard como Ricard participa de uma ressonância magnética funcional (fMRI) teste na instalação MRI no Centro Waisman da Universidade de Wisconsin-Madison em 04 de junho de 2008 Ricard é um participante de longa data em um estudo de pesquisa em curso liderado por Richard J. Davidson que monitora a atividade cerebral de um sujeito eo impacto da meditação sobre a regulação da dor. Davidson é diretor do Laboratório Waisman para Imagens e Comportamento Cerebral (WLBIB) e o Professor William James e Vilas de Psicologia e Psiquiatria.
Foto por: Jeff Miller
Data: Junho de 2008
JPEG de alta resolução


Legenda: Richard J. Davidson, diretor do Waisman Lab for Imaging Brain and Behavior (WLBIB) da Universidade de Wisconsin-Madison, é retratado no Centro Waisman em 5 de junho de 2008. Davidson também é a William James e Vilas Professor de Psicologia e Psiquiatria.
Foto por: Jeff Miller
Data: Junho de 2008
JPEG de alta resolução


Fonte:http://news.wisc.edu/newsphotos/davidson08.html

Postagens mais visitadas deste blog

OS MUDRAS NO BUDISMO E SEU SIGNIFICADO

Os Mudras no Budismo 

Os mudras são os gestos simbólicos que são associados aos budas. Esses gestos são muito utilizados na iconografia hindu e budista.

Mudra, uma palavra com muitos significados, é caracterizada como gesto, posicionamento místico das mãos, como selo ou também como símbolo. Estas posturas simbólicas dos dedos ou do corpo podem representar plasticamente determinados estados ou processos da consciências. Mas as posturas determinadas podem também, ao contrário, levar aos estados de consciência que simbolizam. Parece que os mudras originaram-se na dança indiana, que é considerada expressão da mais elevado religiosidade. [...] O significado espiritual dos mudras encontra sua expressão perfeita na arte indiana. Os gestos das divindades representadas na arte hinduísta e budista e os atributos que os acompanham simbolizam suas funções ou aludem a determinados acontecimentos mitológicos. [...] No decorrer dos séculos, os budas e bodhisattvas representados iconograficamente com s…

QUAL O SIGNIFICADO DAS BANDEIRAS DE ORAÇÃO NO BUDISMO TIBETANO ? - AS CINCO CORES SIMBOLIZAM AS 5 SABEDORIAS DO BUDISMO

QUAL O SIGNIFICADO DAS BANDEIRAS DE ORAÇÃO NO BUDISMO TIBETANO? "Qual o significado das bandeiras coloridas? É alguma festa?" Esta é uma pergunta frequente feita por quem, pela primeira vez, chega a um centro ou mosteiro budista tibetano. A questão é legítima, uma vez que semelhante costume nunca existiu no nosso país. O costume vem do Tibete e remonta ao século XI. Foi o grande mestre indiano Atisha (982-1054) que ensinou aos seus discípulos como imprimir orações e mantras sobre pedaços de tecido, a partir de blocos de madeira gravados. Estas bandeiras, fixadas a um mastro ou a um bambu, ou cosidas a cordas esticadas entre dois pontos, ondulavam livremente ao vento. Esta tradição acabou por ser muito difundida no seio do Budismo tibetano. À volta dos mosteiros, nos sítios sagrados, presas aos ramos da árvore de Bodhi, em redor do grande Stupa em Boudhnath e mesmo junto a habitações, vemos por toda a parte. Desfraldadas ao vento, a sua presença sonora acompanha a cadência das o…

PORTÕES DA PRÁTICA BUDISTA - CHAGDUD TULKU RINPOCHE - SÍNTESE DE GISLAINE D'ASSUNPÇÃO

PORTÕES DA PRÁTICA BUDISTA

Chagdud Tulku Rinpoche
Ed. Paramitas Ltda, 1995, Taquara – R.S




Trabalhando com o Apego e Desejo
Para compreender como o sofrimento aparece, pratique observar sua mente. Neste espaço da mente não há problemas não há sofrimento. Então, alguma coisa prende sua atenção - uma imagem, um som, um cheiro. Sua mente se subdivide em interno e externo, “eu” e “outro” sujeito e objeto. Com a simples percepção do objeto, não há ainda nenhum problema, Porém, quando você se foca nela,  nota que é grande ou pequeno, branco ou preto, quadrado ou redondo. Então você faz um julgamento – por exemplo, se o objeto é bonito ou feio. Tendo feito esse julgamento, você reage a ele: decide que gosta ou não do objeto.
 É aí que o problema começa, pois “Eu gosto disto” conduz a “Eu quero isto”. Igualmente, “Eu não gosto disto” conduz a “Eu não quero isto”. Se gostamos de alguma coisa, se a queremos e não podemos tê-la, nós sofremos. Se a queremos, a obtemos e depois a perdemos, nós sofremos.…