Pular para o conteúdo principal

OS 3 VENENOS DO MUNDO SEGUNDO O BUDISMO

Resultado de imagem para Os 3 venenos do mundo segundo o Budismo

Os 3 venenos do mundo segundo o Budismo




Resultado de imagem para Os 3 venenos do mundo segundo o Budismo

Vivemos numa dimensão onde a dualidade energética Yin / Yang é visível, palpável e experienciável fisicamente nas suas infinitas representações.

Enquanto que na Fonte, em dimensões mais elevadas existimos fundidos com o Todo, ou seja somos Um Só tal como o Oceano, aqui nas 3 dimensões a frequência energética desacelera, é de tal maneira lenta que conseguimo-nos materializar, separar parte da nossa energia criando individualidades a partir do todo tal como acontecem com as gotas de água do mesmo Oceano.
Por exemplo, num avião a uma velocidade de 900km por hora a viajar por cima do mar, vemos apenas uma enorme superfície azul. Vemos o todo. Mas se sairmos do avião, abrandarmos a velocidade, baixarmos à superfície e observarmos com atenção a mesma água, iremos ver centenas de variedades de peixes e plantas, iremos poder observar as mais variadas cores do arco-íris, iremos sentir o cheiros e texturas e podemos até decompor a gota de água quimicamente encontrando não só a formula que a compõe como a dualidade energética que cada átomo representa.
De cima, a 900km à hora víamos o todo.
Parados, em baixo conseguimos ver a diversidade.
O mesmo se passa entre a nossa própria realidade e o mundo microscópico. Totalmente invisível aos nossos olhos mas sem duvida existente e bastante poderoso.
É então na realidade 3D em que vivemos que podemos experimentar o bom o mau, o quente o frio, o alto o baixo, o inverno o verão, o masculino o feminino, o dentro o fora, a noite o dia, o positivo o negativo, o preto o branco e todas as cores do espectro, e por aí fora tomando consciência das experiencias de cada polo.
Esta é, para mim, a razão do espírito encarnar; experienciarmos a Luz que já somos nas mais variadas facetas, em frequências mais lentas e baixas, trocando permanentemente de polos pois só a perspectiva de cada polo nos dará a visão completa da realidade.
As mais velhas filosofias, as religiões do mundo, a antiga sabedoria esotérica desde sempre nos tentou relembrar esta visão e fazer esta ponte entre a nossa existência terrena e uma existência para além da do corpo físico.
A própria palavra religião vem do latim RE-LI-GA-RE.
Religare o quê?
Precisamente a nossa mente ou visão terrena à visão do espírito superior pois só dessa perspectiva conseguimos perceber a realidade.
Infelizmente o materialismo das sociedades modernas e o deslumbramento com a ciência abafaram este lado sagrado da vida chegando mesmo ao ponto de o desacreditar.
Negarmos esse lado da vida é tão ignorante ou infantil como se alguém negar a existência de micróbios e bactérias apenas porque não os vê.
Sem noção nenhuma então de qual é o propósito energético da vida, incapazes de perceber a lógica do Todo e as dinâmicas de atracção e equilíbrio energético a que nos propusemos antes de encarnar, passamos a por o foco no nosso ser inferior, vivendo na ilusão da separação, no espírito da competição e sobrevivência, no deslumbramento do imediato e no culto do lado físico e material.
Cada vez mais desidentificados com as frequências altas do amor e cada vez mais apegados ao ser inferior e a tudo o que mundo tem para oferecer, o medo passa a tomar o lugar do amor, os valores interiores são substituídos por valores exteriores e as nossas acções agressivas, egoístas e violentas passam a ser um reflexo do estado de medo em que vivemos.
Estamos cada vez mais identificados com a nosso mundo material alheios ao mundo superior a nós tal como os micróbios sem noção nenhuma da nossa própria existência e do poder que temos sobre eles.
Que existem varias dimensões já os cientistas perceberam há muito. Que o tempo e espaço são relativos já foi comprovado. Que existe um lado misterioso e sagrado da vida incompreensível até hoje, todos concordamos. Todas as culturas e filosofias do mundo, desde as mais antigas à mais modernas, sugerem que a realidade em que vivemos não é um caos biológico e material mas sim uma realidade energética, organizada e extremamente inteligente.
Está então na nossa mão, ou melhor dentro de nós, a escolha de como queremos ver o mundo. De como escolhemos experienciá-lo. De como queremos acreditar que ele realmente é.
Podemos então escolher duas grandes e opostas visões;
– A visão do Amor que percebe e intui a lógica sagrada, capaz de ver os fios invisíveis que nos ligam, as leis universais em acção levando a cada um individualmente as suas propostas pessoais de evolução.
Ou
– A visão do medo, da competição e do egoísmo através da limitada perspectiva 3D, rejeitando tudo o que não é palpável e manipulável.
Há muito que os Budistas conseguiram sair da visão do medo e se renderam à experiência terrena como uma enorme escola de evolução espiritual. Deles está o Ocidente agora a herdar os conceitos de Karma, Dharma, vidas passadas, evolução, rendição, responsabilidade pela própria existência.
Capaz de ver o mundo e a nossa existência de uma perspectiva superior e mais sábia, o Budismo fala de três grandes venenos que tornam esta visão espiritual ainda difícil à humanidade;

– A ignorância

– O apego

– O ódio

A ignorância é responsável pelo estado de desorientação no que toca ao significado da nossa existência e papel no mundo.
A vida vista apenas pelos olhos do corpo é uma espécie de violento parque jurássico sem regras nem leis, cheio de desafios permanentes ao estado de paz e alegria que o ser humano tanto precisa e onde temos de agressivamente lutar para sobreviver.
Pelos olhos do espírito a vida são infinitas oportunidades de aprender a amar e elevar a nossa energia. É o palco onde as energias dançam e se atraem levando inteligentemente a cada um exatamente o que precisa para se libertar e elevar ainda mais.
Quando a visão da alma e do amor substitui a visão do medo e do ego, a paz instala-se, a rendição, a fé e a humildade passam a ser a novas abordagens aos desafios da vida, o amor passa a ser a lei maior.
O apego é uma consequência da ignorância. Ou seja, quando não percebemos que tudo são experiencias que trazem o poder de nos transformar, enquanto o nosso foco não está na constante transmutação das nossas energias mais densas em energias mais leves, estamos ainda a viver a visão egocêntrica. Completamente fechados para o mundo interior e cegos para a magia da vida, o mundo é então um espaço onde tudo e todos existem para alimentar os nossos caprichos e compensar o enorme e doloroso vazio interior. Resolver o apego é então abrir mão do controle e confiar que o que é nosso, a nós virá e o que não é, não virá.
O ódio, a agressividade, a violência, a maldade também não deixam de ser outro tipo de consequências advindas precisamente da falta de consciência do propósito da vida. E onde não há propósito há controle e onde há controle há MEDO. Se cada pessoa conseguisse sentir e observar a lei do Karma, que todas as experiências, boas ou menos boas que atraiu foram por si mesmo criadas e que as que está a causar no presente irão ter idênticas consequências, acredito que o mal acabaria.
Todos estamos continuamente a receber as consequências de acções passadas, muitas delas bastante violentas e pesadas. Sem a visão da Lei do Karma elas são vistas como injustas e más causando o pior dos ódios, do ressentimento e da necessidade de reagir violentamente a esses embates. O estado do mundo mostra o ciclo vicioso em que estamos. Este ódio é apenas uma resistência, uma força reactiva que enquanto não gastar todos os seus cartuchos, não desistirá da lutar. Infelizmente na maior parte das vezes, só mesmo pela perda e pela violência a passagem do medo para o amor acontece.
Mais cedo ou mais tarde, o relógio planetário trará a proposta de mudança na forma de eventos variados, onde a intensidade da violência dos mesmos será sempre proporcional à resistência à luz.
O estudo das antigas sabedorias, dos Mestres que passaram pela Terra, da meditação e silêncio, ajudam a acelerar o processo de evolução. Sem resistência podemos finalmente fluir e permitirmo-nos experienciar vibrações mais altas onde a magia da vida é visível e as leis cósmicas observáveis.
Deixo assim a sugestão que, com o devido bom-senso e responsabilidade, sejas cada vez mais observador e não tanto participante. Que estejas mais atento aos processos interiores e não tanto aos exteriores. Que consideres mais o que atrais do que propriamente o que acontece. Que desenvolvas mais a humildade do que alimentas o orgulho. Que aprendas mais sobre a vida e Deus do que sobre política e futebol.
Bem hajas!
Resultado de imagem para Os 3 venenos do mundo segundo o Budismo
Fonte:http://verdademundial.com.br/2017/05/os-3-venenos-do-mundo-segundo-o-budismo/
Resultado de imagem para Os 3 venenos do mundo segundo o Budismo

Postagens mais visitadas deste blog

OS MUDRAS NO BUDISMO E SEU SIGNIFICADO

Os Mudras no Budismo 

Os mudras são os gestos simbólicos que são associados aos budas. Esses gestos são muito utilizados na iconografia hindu e budista.

Mudra, uma palavra com muitos significados, é caracterizada como gesto, posicionamento místico das mãos, como selo ou também como símbolo. Estas posturas simbólicas dos dedos ou do corpo podem representar plasticamente determinados estados ou processos da consciências. Mas as posturas determinadas podem também, ao contrário, levar aos estados de consciência que simbolizam. Parece que os mudras originaram-se na dança indiana, que é considerada expressão da mais elevado religiosidade. [...] O significado espiritual dos mudras encontra sua expressão perfeita na arte indiana. Os gestos das divindades representadas na arte hinduísta e budista e os atributos que os acompanham simbolizam suas funções ou aludem a determinados acontecimentos mitológicos. [...] No decorrer dos séculos, os budas e bodhisattvas representados iconograficamente com s…

5 PRECEITOS BUDISTAS PARA ENCONTRAR A PAZ INTERIOR

5 Preceitos Budista para encontrar a paz interior

SOBRE AS ESCOLAS DENTRO DO BUDISMO

SOBRE AS ESCOLAS DENTRO DO BUDISMO Como a maioria das religiões e filosofias mundiais, o Budismo de acordo com a sua evolução histórica dividiu-se em diversos grupos e segmentos que diferenciam entre si em algumas doutrinas e visões do budismo. Não conseguiremos aqui distinguir todos os ramos do budismo que existem ou já existiram, mas analisaremos aqueles de maior relevância histórica. Escola TheravadaO Budismo Theravada; quer dizer literalmente, "o ensino dos anciões", ou "o antigo ensino" é considerada a mais antiga escola de Budismo ainda existente. Por muitos séculos, o Theravada tem sido a religião predominante no Sri Lanka, Birmânia e Tailândia; atualmente, o número de budistas Theravada em todo o mundo excede 100 milhões de pessoas. Em décadas recentes, o Theravada começou a fincar suas raízes no Ocidente. Escola MahayanaA Escola Mahayana (nome que quer dizer "grande veículo") é atualmente a maior das duas principais tradições do Budismo existentes h…