Pular para o conteúdo principal

SOBRE O DHARMA - OS ENSINAMENTOS DE BUDDHA - CHOEGON RINPOCHE C.WANGCHUK

Resultado de imagem para Sobre o Dharma – os ensinamentos de Buddha
Sobre o Dharma – os ensinamentos de Buddha


Por S. Ema. Choegon Rinpoche Chokyi Wangchuk


O que é o Dharma?

A palavra Dharma carrega muitos distintos significados a partir de diferentes grupos compostos de indivíduos com crenças religiosas diversas. Desde uma noção mais geral, o que quer que se faça, diga ou pense, em concordância com um conjunto de princípios predefinidos sobre o correto, que possui e preserva a ordem positiva das coisas, de acordo com suas funções essenciais ou de acordo com seu propósito inerente, pode ser tomado como incluído pelo significado de Dharma. Ainda de uma forma mais simples, qualquer coisa ou ações que sejam feitas em concordância com a ordem natural ou a lei universal da bondade, é Dharma.
Entretanto, na perspectiva budista, o Dharma é frequentemente usado para descrever o corpo de ensinamentos e práticas promulgadas pelo senhor Buddha. Este conjunto de ensinamentos expostos pelo Buddha são postos em prática e seguidos como uma forma de dar fim ao mal-estar da existência cíclica. O Dharma não foi feito ou criado pelo Buddha. É uma lei natural, uma verdade universal que encontra-se primordialmente presente e que o Buddha realizou e, então, ensinou a seus seguidores.
O verdadeiro significado do Dharma é muito profundo. É difícil de conceber pois encontra-se além de descrição ou definição ordinárias. No budismo fala-se de  dois tipos de Dharma:
a) o Dharma da Realização (Togpa em tibetano), e
b) o Dharma das Escrituras (lung, em tibetano).
O Dharma da Realização é o Dharma absoluto; é a realização do Buddha, que não tem em si quaisquer divisões ou classificações.
O Dharma das Escrituras é dividido em duas categorias:
a) as escrituras das palavras do Buddha (Kangyur, em tibetano) e;
b) as escrituras escolásticas (Tengyur, em tibetano).
Os textos sagrados que se referem aquilo que foi falado pelo Buddha são chamados de sutra. Os comentários explicativos destes sutras escritos por eruditos budistas são chamados de Shastras.
Os sutras são vastos e muito profundos. Por exemplo, só shunyata (vaziez) foi descrita pelo Buddha em 16 volumes de textos, traduzidos do sânscrito para o tibetano, contendo aproximadamente 400 páginas em cada volume. Mais tarde, Nagarjuna escreveu diversos shastras sobre estes sutras ensinados pelo Buddha. Para pessoas comuns do mundo, iniciar diretamente pelos sutras compreendendo seu significo é bem difícil.
Qualquer pessoa pode escrever comentários sobre um sutra? Não! De acordo com os ensinamentos, somente eruditos especialistas dotados das três qualidades abaixo são autorizados a escrever comentários sobre os sutras:
1. Aqueles dotados da realização sobre a natureza da mente;
2. Aqueles abençoados pelos Buddhas e Bodhisattvas;
3. Aqueles dotados de uma consciência compreensiva, incluindo todos os diferentes aspectos dos ensinamentos do Vinaya, Abhidharma, Madhyamaka, Sutra, Shastra, Tantra e assim por diante.
O fato é que estes eruditos budistas foram previstos pelo próprio Buddha tal como o caso de Nagarjuna e de Asanga. Neste caso o Buddha declarou: “Após o meu parinirvana (transcendência completa no falecimento), os grandes mestres Nagarjuna e Asanga irão compilar e explicar os meus ensinamentos.”
Sumarizando tudo isso de uma forma mais prática, Dharma basicamente significa o que quer que você faça que elimine suas emoções negativas e o conduza para uma autêntica felicidade e bondade, para você e para os outros. Isso é Dharma!

O Dharma Puro versus o Dharma Mundano

O Dharma puro ou autêntico não apresenta a mínima intenção egóica ou qualquer viagem auto-centrada de bem-estar. Nenhum dos grandiosos seres do passado navegaram pelo oceano de sofrimento com um foco no benefício próprio ou usando de forma inapropriada os outros para atingir um reconhecimento dentro do mundo.
A prática do Dharma puro delineia o caminho para a liberação, isto é, a iluminação, onde você terá completo domínio sobre sua próxima existência e nunca mais será dragado sem controle pela força do karma tal como a grande maioria das pessoas comuns.
O oposto, o dharma mundano, lhe oferece um prazer momentâneo que encontra-se já maculado pelo mal-estar que resultará da expectativa e do medo. A expectativa de ganhar, o medo de perder. Desta forma, nossa mente nunca se encontrará em paz.
Eu espero que vocês saibam o que são os 8 dharmas Mundanos. De forma breve, os 8 dharmas mundanos ou algumas vezes traduzidos como as 8 Preocupações Mundanas, os 8 Receios Mundanos ou os 8 Medos e Expectativas Mundanas, são:
Sensação de felicidade e desejo por:
1. Fama (estatus, poder, etc)
2. Prazeres do mundo
3. Ganho Material ou Riqueza
4. Elogios
Sensação de infelicidade e aversão por:
5. Infâmia (desgraça ou perda de fama)
6. Sofrimento ou perda de prazeres do mundo
7. Pobreza ou perda da riqueza
8. Palavras ásperas ou críticas desprazeirosas.
Estas são preocupações principais no reino dos seres humanos. Humano engajam-se em atividades intermináveis que buscam prazeres de curto prazo e esforçam-se tanto no rejeitar as infelicidades e adversidades que, no final, irão só servir como causas para mais descontentamento e tristeza, nos levando na direção de afundar ainda mais fundo em samsara.

Qual a razão para se aprender e praticar o Dharma autêntico?

Na condição de humanos, temos um enorme potencial de realizar nossos objetivos, sejam eles positivos ou negativos, mundanos ou transcendentais. O bom ou o mal esta na dependência de como usamos este corpo humano. Quando usado de forma correta, ele é uma jóia realizadora de desejos que irá trazer um bem-estar interminável além de qualquer compreensão dentro de samsara. Quando usado de forma incorreta, irá ancorar ainda mais fundo a existência cíclica sempre dolorida, difícil e interminável. Para aqueles que tenham a grande fortuna de encontrar o Dharma sublime e um mestre autêntico, esta vida é o ponto de mudança seja para um bem-estar duradouro ou para um eterno sofrimento.
Nunca se comprometerá de coração a coisa alguma a não ser que se reconheça e se sinta profundamente as razões para tal. Portanto, contemple sobre as falhas de samsara até que você se convença por completo. Caso contrário, a nossa prática do Dharma irá permanecer superficial e fácil de ser chacoalhada pelas adversidades.
(Traduzido rapidamente pelo Lama Jigme Lhawang pela ocasião da visita de ensinamentos de Choegon Rinpoche ao Brasil em dezembro de 2014)

Fonte:http://www.drukpabrasil.org/sobre-o-dharma-os-ensinamentos-de-buddha/
Resultado de imagem para Sobre o Dharma – os ensinamentos de Buddha











Postagens mais visitadas deste blog

OS MUDRAS NO BUDISMO E SEU SIGNIFICADO

Os Mudras no Budismo 

Os mudras são os gestos simbólicos que são associados aos budas. Esses gestos são muito utilizados na iconografia hindu e budista.

Mudra, uma palavra com muitos significados, é caracterizada como gesto, posicionamento místico das mãos, como selo ou também como símbolo. Estas posturas simbólicas dos dedos ou do corpo podem representar plasticamente determinados estados ou processos da consciências. Mas as posturas determinadas podem também, ao contrário, levar aos estados de consciência que simbolizam. Parece que os mudras originaram-se na dança indiana, que é considerada expressão da mais elevado religiosidade. [...] O significado espiritual dos mudras encontra sua expressão perfeita na arte indiana. Os gestos das divindades representadas na arte hinduísta e budista e os atributos que os acompanham simbolizam suas funções ou aludem a determinados acontecimentos mitológicos. [...] No decorrer dos séculos, os budas e bodhisattvas representados iconograficamente com s…

PORTÕES DA PRÁTICA BUDISTA - CHAGDUD TULKU RINPOCHE - SÍNTESE DE GISLAINE D'ASSUNPÇÃO

PORTÕES DA PRÁTICA BUDISTA

Chagdud Tulku Rinpoche
Ed. Paramitas Ltda, 1995, Taquara – R.S




Trabalhando com o Apego e Desejo
Para compreender como o sofrimento aparece, pratique observar sua mente. Neste espaço da mente não há problemas não há sofrimento. Então, alguma coisa prende sua atenção - uma imagem, um som, um cheiro. Sua mente se subdivide em interno e externo, “eu” e “outro” sujeito e objeto. Com a simples percepção do objeto, não há ainda nenhum problema, Porém, quando você se foca nela,  nota que é grande ou pequeno, branco ou preto, quadrado ou redondo. Então você faz um julgamento – por exemplo, se o objeto é bonito ou feio. Tendo feito esse julgamento, você reage a ele: decide que gosta ou não do objeto.
 É aí que o problema começa, pois “Eu gosto disto” conduz a “Eu quero isto”. Igualmente, “Eu não gosto disto” conduz a “Eu não quero isto”. Se gostamos de alguma coisa, se a queremos e não podemos tê-la, nós sofremos. Se a queremos, a obtemos e depois a perdemos, nós sofremos.…

PARA COMPREENDER O BUDISMO

PARA COMPREENDER O BUDISMO
1- INTRODUÇÃO:
O Budismo é uma religião e filosofia baseada nos ensinamentos deixados por Siddhartha Gautama, ou Sakyamuni (o sábio do clã dos Sakya), o Buda histórico, que viveu aproximadamente entre 563 e 483 a.C. no Nepal. De lá se espalhou através da ÍndiaÁsiaÁsia Central,TibeteSri Lanka (antigo Ceilão), Sudeste Asiático como também para países do Leste Asiático, incluindo ChinaMyanmarCoréiaVietnã eJapão. Hoje o budismo se encontra em quase todos os países do mundo, amplamente divulgado pelas diferentes escolas budistas, e conta com cerca de 376 milhões de seguidores. Os ensinamentos básicos do budismo são: evitar o mal, fazer o bem e cultivar a própria mente. O objetivo é o fim do ciclo de sofrimento,samsara, despertando no praticante o entendimento da realidade última - o Nirvana. A moral budista é baseada nos princípios de preservação da vida e moderação. O treinamento mental foca na disciplina moral (sila), concentração meditativa (samadhi), …