Pular para o conteúdo principal

COMO SENTAR PARA MEDITAR - A PRÁTICA DA MEDITAÇÃO - THICH NHAT HANH

COMO SENTAR PARA MEDITAR - A PRÁTICA DA MEDITAÇÃO - THICH NHAT HANH


Como sentar

A primeira coisa a fazer é parar qualquer outra coisa que você esteja fazendo. Agora sente-se em algum lugar confortável. Qualquer lugar está bom. Observe a sua respiração. Ao inspirar, esteja ciente de que você está inspirando. Ao expirar, perceba que você está expirando.

Muitos de nós passam muito tempo sentados, muito tempo. Nos sentamos em nossos trabalhos, em nossos computadores e em nossos carros. Sentar-se nesse texto significa sentar-se de tal maneira que você goste, sentar-se de forma descontraída, com sua mente acordada, calma e clara. Isso é o que chamamos de sentar e isso precisa de algum treinamento e prática.

Em nossa vida diária, nossa atenção se dispersa. Nosso corpo está em um lugar, a nossa respiração é ignorada e nossa mente está divagando. Assim que nós prestamos atenção a nossa respiração, enquanto inspiramos, estas três coisas, o corpo, respiração e mente se unem. Isso pode acontecer em apenas um ou dois segundos. Você volta para si mesmo, sua consciência une esses três elementos e você se torna totalmente presente no aqui e agora. Você está cuidando de seu corpo, você está cuidando de sua respiração e você está cuidando de sua mente.

Quando você faz uma sopa, tem que juntar todos os ingredientes certos em harmonia e os deixa ferver. Nossa respiração é o caldo que une os diferentes elementos. Nós unimos espírito e mente através da nossa respiração e eles se tornam integrados, assim são uma coisa só. Nós somos um todo. Não precisamos controlar o nosso corpo, mente e respiração, podemos apenas estar presentes para eles. Nós permitimos que eles sejam eles mesmos. Esta é a não-violência.

A energia de consciência pode ajudar a melhorar todo o seu ser. Basta prestar atenção a sua respiração. Permita que ela seja do jeito que é e você vai ver que a qualidade da sua respiração torna-se naturalmente mais calma, mais profunda e mais harmoniosa por si só. Este é o poder do reconhecimento simples. Quando a respiração for mais profunda e mais pacífica, terá uma influência imediata em seu corpo e sua mente. Paz e tranquilidade são contagiosas.

Imagine um barco cheio de pessoas que atravessam o oceano. O barco é pego por uma tempestade. Se alguém entra em pânico e age precipitadamente, vai colocar em risco o barco. Mas se há pelo menos uma pessoa que está calma, esta pessoa pode inspirar calma nos outros. Tal pessoa pode salvar todo o barco. Esse é o poder da não-ação. A nossa qualidade de ser é o fundamento de todas as ações adequadas. Quando olhamos de perto as nossas ações e as ações daqueles que nos cercam, podemos ver a qualidade do ser por trás dessas ações.

Imaginem árvores de pé juntas em uma floresta. Elas não falam, mas sentem a presença umas das outras. Quando você olha para elas, poderia dizer que não estão fazendo nada. Mas elas estão crescendo e fornecendo ar limpo para os seres vivos respirarem. Em vez de descrever a meditação sentada como a prática da concentração, de olhar profundamente, e ter insight, gosto de descrevê-la como desfrutar de estar sentado sem fazer nada. Principalmente, sentar é desfrutar do prazer de sentar, estar totalmente vivo e em contato com as maravilhas do nosso corpo, o ar fresco, os sons de pessoas e aves e a mudança de cores no céu.

O termo para se sentar e estar consciente é meditação sentada. "Zen" é a pronúncia japonesa de Dhyana, que é a palavra sânscrita para meditação. Meditação é simplesmente a prática de parar e olhar em profundidade. Você não precisa se sentar para meditar. Quando você está olhando profundamente, seja se você estiver andando, cortando legumes, escovando os dentes ou indo ao banheiro, você pode estar meditando. A fim de olhar profundamente, você precisa ter tempo para parar tudo e ver o que está presente.

Com plena consciência e concentração você pode direcionar sua atenção para o que está presente e ter um olhar profundo. Você pode começar a ver a verdadeira natureza do que está na sua frente. O que está presente pode ser uma nuvem, um seixo ou um ser humano. Pode ser a nossa raiva. Ou pode ser o nosso próprio corpo e sua natureza impermanente. Toda vez que nós realmente paramos e olhamos profundamente, o resultado é uma melhor compreensão da verdadeira natureza do que está presente dentro de nós e ao nosso redor.

Quando as pessoas dizem: "Não basta sentar, faça alguma coisa," eles estão pedindo-lhe para agir. Mas, se a qualidade do seu ser é pobre, se você não tem suficiente paz, compreensão e equanimidade, se você ainda tem um muita raiva e preocupações, suas ações irão também ser pobres. Suas ações devem basear-se na fundação de um ser de alta qualidade. Ser é a não-ação, por isso a qualidade da ação depende da qualidade de não-ação. Não-ação já é alguma coisa.

Há pessoas que não parecem fazer muito, mas a sua presença é fundamental para o bem-estar do mundo. Você pode conhecer pessoas como estas, que são estáveis, nem sempre ocupadas fazendo as coisas, não ganhando muito dinheiro ou se envolvendo em uma série de projetos, mas que são muito importantes para você; a qualidade da presença delas as torna verdadeiramente disponíveis. Elas estão contribuindo com não-ação, pela alta qualidade de sua presença. Estar no aqui e no agora, sólido e totalmente vivo, é uma contribuição muito positiva para a nossa situação coletiva.

Muitos de nós continuam a tentar fazer mais e mais. Nós fazemos as coisas porque achamos que precisamos, porque queremos ganhar dinheiro, realizar algo, cuidar dos outros ou queremos fazer nossas vidas e nosso mundo melhor. Muitas vezes fazemos as coisas sem pensar, seja porque temos o hábito de fazê-las, porque alguém nos pede ou porque achamos que deveríamos. Mas se a fundação do nosso ser não for forte o suficiente, então quanto mais fizermos, mais perturbada nossa sociedade se tornará.

Às vezes fazemos muito, mas nós realmente não fazemos nada. Há muitas pessoas que trabalham muito. Há pessoas que parecem meditar muito, gastando muitas horas por dia fazendo meditação sentada, cantando, recitando, acendendo uma grande quantidade de incenso, mas que nunca transformam a sua raiva, frustração e ciúmes. Isso ocorre porque a qualidade do nosso ser é a base de todas as nossas ações. Com a intenção de realizar, julgar, ou agarrar, todas as nossas ações, mesmo a nossa meditação, terão esta qualidade. A qualidade da nossa presença é o elemento mais positivo que podemos contribuir para o mundo.

Quando você se sentar, a primeira coisa a fazer é tornar-se consciente da sua respiração. Tornar-se consciente da sua respiração é o primeiro passo para cuidar de si mesmo. Ao se tornar consciente de sua inspiração e expiração, você pode ver como a sua respiração se move através de seu corpo. Você começa a tomar conta de seu corpo e sua mente, e começa a encontrar alegria no simples ato de respirar. Cada inspiração pode trazer alegria; cada expiração pode trazer calma e relaxamento. Esta é uma razão boa o suficiente para se sentar. Nós não precisamos nos sentar com a intenção de nos tornarmos mais espertos ou iluminados. Nós podemos sentar para desfrutarmos apenas de estar sentados e respirando.

Se você perguntar a uma criança: "Por que você está comendo chocolate? A criança provavelmente vai responder: "Porque eu gosto." Não há propósito em comer o chocolate. Suponha que você suba num morro e permaneça no alto para olhar ao redor. Você pode se sentir muito feliz em pé sobre o morro. Não há uma razão para fazer isso. Sente-se, a fim de se sentar. Fique em pé a fim de ficar em pé. Não há nenhuma meta ou objetivo em sentar-se. Faça porque isso te faz feliz.

(Do livro “How to sit “– Thich Nhat Hanh)
(Traduzido por Leonardo Dobbin)
Comente esse texto em http://sangavirtual.blogspot.com

Sangha Virtual
 Estudos Budistas
Tradição do Ven. Thich Nhat Hanh

Fonte:http://www.viverconsciente.com/textos/como_sentar.htm

Postagens mais visitadas deste blog

OS MUDRAS NO BUDISMO E SEU SIGNIFICADO

Os Mudras no Budismo 

Os mudras são os gestos simbólicos que são associados aos budas. Esses gestos são muito utilizados na iconografia hindu e budista.

Mudra, uma palavra com muitos significados, é caracterizada como gesto, posicionamento místico das mãos, como selo ou também como símbolo. Estas posturas simbólicas dos dedos ou do corpo podem representar plasticamente determinados estados ou processos da consciências. Mas as posturas determinadas podem também, ao contrário, levar aos estados de consciência que simbolizam. Parece que os mudras originaram-se na dança indiana, que é considerada expressão da mais elevado religiosidade. [...] O significado espiritual dos mudras encontra sua expressão perfeita na arte indiana. Os gestos das divindades representadas na arte hinduísta e budista e os atributos que os acompanham simbolizam suas funções ou aludem a determinados acontecimentos mitológicos. [...] No decorrer dos séculos, os budas e bodhisattvas representados iconograficamente com s…

PORTÕES DA PRÁTICA BUDISTA - CHAGDUD TULKU RINPOCHE - SÍNTESE DE GISLAINE D'ASSUNPÇÃO

PORTÕES DA PRÁTICA BUDISTA

Chagdud Tulku Rinpoche
Ed. Paramitas Ltda, 1995, Taquara – R.S




Trabalhando com o Apego e Desejo
Para compreender como o sofrimento aparece, pratique observar sua mente. Neste espaço da mente não há problemas não há sofrimento. Então, alguma coisa prende sua atenção - uma imagem, um som, um cheiro. Sua mente se subdivide em interno e externo, “eu” e “outro” sujeito e objeto. Com a simples percepção do objeto, não há ainda nenhum problema, Porém, quando você se foca nela,  nota que é grande ou pequeno, branco ou preto, quadrado ou redondo. Então você faz um julgamento – por exemplo, se o objeto é bonito ou feio. Tendo feito esse julgamento, você reage a ele: decide que gosta ou não do objeto.
 É aí que o problema começa, pois “Eu gosto disto” conduz a “Eu quero isto”. Igualmente, “Eu não gosto disto” conduz a “Eu não quero isto”. Se gostamos de alguma coisa, se a queremos e não podemos tê-la, nós sofremos. Se a queremos, a obtemos e depois a perdemos, nós sofremos.…

PARA COMPREENDER O BUDISMO

PARA COMPREENDER O BUDISMO
1- INTRODUÇÃO:
O Budismo é uma religião e filosofia baseada nos ensinamentos deixados por Siddhartha Gautama, ou Sakyamuni (o sábio do clã dos Sakya), o Buda histórico, que viveu aproximadamente entre 563 e 483 a.C. no Nepal. De lá se espalhou através da ÍndiaÁsiaÁsia Central,TibeteSri Lanka (antigo Ceilão), Sudeste Asiático como também para países do Leste Asiático, incluindo ChinaMyanmarCoréiaVietnã eJapão. Hoje o budismo se encontra em quase todos os países do mundo, amplamente divulgado pelas diferentes escolas budistas, e conta com cerca de 376 milhões de seguidores. Os ensinamentos básicos do budismo são: evitar o mal, fazer o bem e cultivar a própria mente. O objetivo é o fim do ciclo de sofrimento,samsara, despertando no praticante o entendimento da realidade última - o Nirvana. A moral budista é baseada nos princípios de preservação da vida e moderação. O treinamento mental foca na disciplina moral (sila), concentração meditativa (samadhi), …