Pular para o conteúdo principal

APRENDA A FAZER MEDITAÇÃO ZAZEN

Aprenda a fazer a meditação zazen

Sente-se e entregue-se ao momento. Esse é o portal zen-budista.

Texto: Raphaela de Campos Mello

“Você já se encontrou consigo mesmo na grande intimidade do silêncio?”. Terna, porém assertiva, a pergunta lançada por monja Coen ecoa entre os presentes do Templo Taikozan Tenzuizenji, sede da Comunidade Zen-Budista Zendo Brasil, localizada no bairro do Pacaembu, em São Paulo. Instalado numa casa cercada por jardins, ao lado de um estádio de futebol, que fica bem barulhento em dias de jogo, o núcleo foi fundado pela religiosa, ligada à tradição Sotoshu Zen-Budismo. A doutrina nasceu na China, mas foi levada para o Japão pelo Mestre Eihei Dogen (1200-1253). O compromisso dessa linhagem é perpetuar os ensinamentos de Xaquiamuni Buda, iluminado que viveu na Índia há cerca de 2600 anos e alcançou o despertar supremo praticando o zazen, alvo do interesse ali. “Se você quer aquietar a mente, veio ao lugar errado. Nossa ordem não é contemplativa”, avisa a missionária em uma de suas palestras. O zazen pode ser praticado por qualquer pessoa, a despeito da sua religião. Em minha primeira experiência nessa linha de meditação, tinha vaga ideia do que me esperava. Sabia apenas que sentaria de pernas cruzadas, voltada para uma parede e que permaneceria imóvel por alguns minutos. É isso. E muito mais. “Za” significa sentar-se; “zen”, estado meditativo profundo e sutil. “Zazen é estar consciente de si mesmo e da teia da vida na qual somos causas, condições e efeitos”, ensina Coen.
Sentada sobre uma almofada redonda própria para o exercício (chamada zafu), com as pernas em posição de lótus ou meia lótus (quando o pé direito fica sobre o joelho da perna esquerda e o pé esquerdo no chão), os joelhos apoiados no solo e a coluna ereta, numa postura firme e confortável, rememoro a orientação quanto ao trato dos pensamentos: “Eles chegarão e partirão. Ora calmos, ora agitados. Deixe-os seguirem. A mente não se esvaziará nunca. Você apenas irá tomar a posição do observador. E poderá escolher não se prender à atividade mental”. Aí me lembro da tríade do zen-budismo: observar, atuar e transmutar. “Que maravilha conhecer a mente e poder usá-la de forma adequada, compreendendo que as emoções são naturais. O que nós fazemos com o que sentimos é a grande questão”, sublinha a monja.
É o que procuro fazer, disposta a perseverar, apesar das tensões percebidas em diferentes partes do corpo, do desconforto gerado pela imobilidade, além da música alta lá fora e de um pernilongo dando rasantes na minha testa. “É importante resistir ao desejo de se mexer a fim de aliviar imediatamente o desconforto. Esse aprendizado, inclusive, nos acompanha na vida”, esclarece a monja Wahô, encarregada de orientar os novatos. Da capacidade de se manter como uma montanha ao desapego em relação a desejos, sentimentos e sensações que resolvem nos visitar na hora H – e logo passam, como tudo – até o cerimonial que norteia a prática no templo, tudo é oportunidade de viver o zen, ou seja, de se fazer consciente de cada gesto.
Não por acaso, pesquisas relacionam esse treino à redução de estresse, a melhoras no tratamento da síndrome do pânico e ao desenvolvimento de áreas cerebrais relacionadas com a compaixão e a amorosidade. “Hoje, me sinto mais sensível e perspicaz nas relações interpessoais”, conta o empresário Victor Amarante, de São Paulo, adepto há três meses. Já a paranaense Maisa Correia, aluna e voluntária da Comunidade Zen do Brasil, diz ter encontrado sua essência. “Sinto-me equilibrada e conectada. Aprecio a sutileza de tudo o que é... simplesmente sou”, sintetiza. Independentemente de qualquer barulho externo ou distração. O mais importante, segundo a monja Coen, é a prática pela prática. Sem grandes expectativas. Apenas mantendo-se atento, instante após instante.
Como fazer
- Escolha um local calmo, seja em casa, no trabalho seja ao ar livre, pela manhã, à tarde ou à noite. Você poderá sentar-se com as pernas cruzadas sobre o zafu (joelhos apoiados no chão) ou se ajoelhar e sentar com os ísquios apoiados num banquinho de baixa estatura. Também pode sentar na beirada de uma cadeira ou mesmo da cama, mantendo os joelhos ligeiramente abaixo dos quadris e os pés fncados no chão e alinhados aos ombros.
- Determine o tempo disponível – no começo, apenas cinco minutos – e programe um despertador de som ameno. Com a experiência, vá aumentando o período de meditação para até 40 minutos. Muitas vezes o cérebro fca tão treinado que nem é mais preciso um despertador.
- Com os olhos entreabertos e a visão numa inclinação de 45 graus (é importante não fechar os olhos para manter-se atento no momento presente), volte-se para uma parede livre de distrações. Mantenha a coluna ereta, os ombros para trás e o queixo para baixo, o que permite a abertura do diafragma e facilita a passagem do prana – a energia vital.
- Faça o mudra cósmico (as costas dos dedos da mão esquerda repousando sobre os dedos da mão direita e a ponta dos polegares se tocando suavemente; iniciantes podem usar o colo como apoio). Esse gesto reforça o estado de atenção. Após três respirações profundas, feche a boca e respire de forma natural pelas narinas. então, observe os movimentos da mente, sem controlálos. Deixe-os passar.

Fonte:http://casa.abril.com.br/materia/aprenda-a-fazer-a-meditacao-zazen

Postagens mais visitadas deste blog

OS MUDRAS NO BUDISMO E SEU SIGNIFICADO

Os Mudras no Budismo 

Os mudras são os gestos simbólicos que são associados aos budas. Esses gestos são muito utilizados na iconografia hindu e budista.

Mudra, uma palavra com muitos significados, é caracterizada como gesto, posicionamento místico das mãos, como selo ou também como símbolo. Estas posturas simbólicas dos dedos ou do corpo podem representar plasticamente determinados estados ou processos da consciências. Mas as posturas determinadas podem também, ao contrário, levar aos estados de consciência que simbolizam. Parece que os mudras originaram-se na dança indiana, que é considerada expressão da mais elevado religiosidade. [...] O significado espiritual dos mudras encontra sua expressão perfeita na arte indiana. Os gestos das divindades representadas na arte hinduísta e budista e os atributos que os acompanham simbolizam suas funções ou aludem a determinados acontecimentos mitológicos. [...] No decorrer dos séculos, os budas e bodhisattvas representados iconograficamente com s…

PORTÕES DA PRÁTICA BUDISTA - CHAGDUD TULKU RINPOCHE - SÍNTESE DE GISLAINE D'ASSUNPÇÃO

PORTÕES DA PRÁTICA BUDISTA

Chagdud Tulku Rinpoche
Ed. Paramitas Ltda, 1995, Taquara – R.S




Trabalhando com o Apego e Desejo
Para compreender como o sofrimento aparece, pratique observar sua mente. Neste espaço da mente não há problemas não há sofrimento. Então, alguma coisa prende sua atenção - uma imagem, um som, um cheiro. Sua mente se subdivide em interno e externo, “eu” e “outro” sujeito e objeto. Com a simples percepção do objeto, não há ainda nenhum problema, Porém, quando você se foca nela,  nota que é grande ou pequeno, branco ou preto, quadrado ou redondo. Então você faz um julgamento – por exemplo, se o objeto é bonito ou feio. Tendo feito esse julgamento, você reage a ele: decide que gosta ou não do objeto.
 É aí que o problema começa, pois “Eu gosto disto” conduz a “Eu quero isto”. Igualmente, “Eu não gosto disto” conduz a “Eu não quero isto”. Se gostamos de alguma coisa, se a queremos e não podemos tê-la, nós sofremos. Se a queremos, a obtemos e depois a perdemos, nós sofremos.…

PARA COMPREENDER O BUDISMO

PARA COMPREENDER O BUDISMO
1- INTRODUÇÃO:
O Budismo é uma religião e filosofia baseada nos ensinamentos deixados por Siddhartha Gautama, ou Sakyamuni (o sábio do clã dos Sakya), o Buda histórico, que viveu aproximadamente entre 563 e 483 a.C. no Nepal. De lá se espalhou através da ÍndiaÁsiaÁsia Central,TibeteSri Lanka (antigo Ceilão), Sudeste Asiático como também para países do Leste Asiático, incluindo ChinaMyanmarCoréiaVietnã eJapão. Hoje o budismo se encontra em quase todos os países do mundo, amplamente divulgado pelas diferentes escolas budistas, e conta com cerca de 376 milhões de seguidores. Os ensinamentos básicos do budismo são: evitar o mal, fazer o bem e cultivar a própria mente. O objetivo é o fim do ciclo de sofrimento,samsara, despertando no praticante o entendimento da realidade última - o Nirvana. A moral budista é baseada nos princípios de preservação da vida e moderação. O treinamento mental foca na disciplina moral (sila), concentração meditativa (samadhi), …