Pular para o conteúdo principal

APÓS 58 ANOS,DALAI LAMA REENCONTRA O SOLDADO NAREM CHANDRA DAS,QUE AJUDOU DALAI LAMA A FUGIR DO TIBET

transferir

Após 58 anos, Dalai Lama reencontra Narem Chandra Das

Resultado de imagem para Naren Chandra Das
Há quase 60 anos, o soldado Narem Chandra Das ajudou Dalai Lama a fugir do Tibete. Agora, os dois voltaram a encontrar-se, numa altura em que o líder espiritual tibetano visita – para desagrado de Pequim – as regiões na fronteira entre a Índia e a China.
Resultado de imagem para Naren Chandra Das
Há 58 anos, Naren Chandra Das, um guarda paramilitar indiano, tinha ordens para não falar com o jovem de óculos que escoltava perto de fronteira chinesa, numa missão secreta. Agora, os dois voltaram a encontrar-se numa cerimónia emotiva que lembrou a fuga do líder budista do Tibete, depois de uma insurreição fracassada contra as autoridades chinesas.
A cerimónia teve lugar no domingo, na cidade de Guwahati, no nordeste da Índia. Este encontro poderá causar danos nas relações diplomáticas entre a Índia e a China, uma vez que Pequim considera Dalai Lama um “separatista anti-China”. Além disso, o líder budista de 81 anos está a visitar zonas fronteiriças que a China considera seu território, nomeadamente Arunachal Pradesh.
No encontro, foi Dalai Lama quem tomou a palavra, cita o The Guardian. “Olhando para o seu rosto, agora percebo que também devo estar muito velho”, disse a Das, de 79 anos.
Quando os dois se abraçaram, Dalai Lama pareceu sussurrar algo a Naren Chandra Das. Quando confrontado com a questão, Das apenas disse “ele estava feliz por me ver”. O líder budista também confirmou que estava realmente contente por poder reunir-se com parte da equipa que lhe salvou a vida, segundo a BBC News.
Em Guwahati, Dalai Lama – que nega procurar a independência tibetana – recordou a recepção “calorosa” que teve na Índia após treze dias de viagem para escapar ao exército chinês, pelos Himalaias. “Os dias que precederam a minha chegada à Índia eram bastante tensos e a segurança era a única preocupação, mas eu experimentei a liberdade quando fui recebido calorosamente por pessoas e autoridades, e um novo capítulo foi iniciado na minha vida”, referiu.
A fuga de Dalai Lama, disfarçado de soldado chinês, deu-se em março de 1959. Saiu durante a noite do seu palácio em Lhasa. Atravessou as montanhas e o rio Brahmaputra, e chegou à fronteira com a Índia. Tinha então 23 anos. Há muito que se verificava um clima de tensão entre os tibetanos e o governo chinês, o que originou uma rebelião popular.
Durante o tempo de fuga, temia-se que o líder espiritual tibetano estivesse entre as 2.000 pessoas mortas pelos chineses. A Índia ofereceu-lhe asilo e uma base na cidade montanhosa de Dharamsala, onde estabeleceu um governo no exílio. Cerca de 80.000 refugiado tibetanos juntaram-se a Dalai Lama.
Por sua vez, a China afirma que a rebelião de 1959 esteve a cargo de proprietários de terras que queriam manter o domínio feudal e que a “libertação pacífica” da região montanhosa trouxe desenvolvimento e prosperidade.
O ministro chinês das Relações Externas reiterou a sua oposição à visita de Dalai Lama às regiões fronteiriças, dizendo que se opõe firmemente “ao apoio e facilitação de qualquer país para as atividades separatistas do 14º grupo anti-China de Dalai Lama”.
O facto de a Índia abrigar Dalai Lama foi um dos factores que conduziu à guerra entre os dois países, em 1962. É também frequente que as tropas chinesas realizem incursões pela fronteira, sendo que as áreas fronteiriças são também altamente militarizadas.
Contudo, os líderes indianos continuam a receber bem Dalai Lama. Narendra Modi, primeiro-ministro, tratou o líder budista como “um convidado de honra” e lançou o convite para um encontro, em dezembro, com o presidente indiano, o que foi condenado pela China. Para Dalai Lama, esta visita foi também “o relembrar da liberdade” que viveu em 1959.
A Índia e o Tibete partilham laços culturais e religiosos e Dalai Lama afirmou a soberania da Índia sobreArunachal Pradesh, região localizada no extremo nordeste da Índia e disputada pela China.
O Tibete continua sob controlo chinês e a posse de fotografias ou escritos de Dalai Lama é considerada ilegal.
Fonte:https://portaldobudismo.org/2017/04/05/apos-58-anos-dalai-lama-reencontra-narem-chandra-das/
Resultado de imagem para Naren Chandra Das

Postagens mais visitadas deste blog

OS MUDRAS NO BUDISMO E SEU SIGNIFICADO

Os Mudras no Budismo 

Os mudras são os gestos simbólicos que são associados aos budas. Esses gestos são muito utilizados na iconografia hindu e budista.

Mudra, uma palavra com muitos significados, é caracterizada como gesto, posicionamento místico das mãos, como selo ou também como símbolo. Estas posturas simbólicas dos dedos ou do corpo podem representar plasticamente determinados estados ou processos da consciências. Mas as posturas determinadas podem também, ao contrário, levar aos estados de consciência que simbolizam. Parece que os mudras originaram-se na dança indiana, que é considerada expressão da mais elevado religiosidade. [...] O significado espiritual dos mudras encontra sua expressão perfeita na arte indiana. Os gestos das divindades representadas na arte hinduísta e budista e os atributos que os acompanham simbolizam suas funções ou aludem a determinados acontecimentos mitológicos. [...] No decorrer dos séculos, os budas e bodhisattvas representados iconograficamente com s…

PORTÕES DA PRÁTICA BUDISTA - CHAGDUD TULKU RINPOCHE - SÍNTESE DE GISLAINE D'ASSUNPÇÃO

PORTÕES DA PRÁTICA BUDISTA

Chagdud Tulku Rinpoche
Ed. Paramitas Ltda, 1995, Taquara – R.S




Trabalhando com o Apego e Desejo
Para compreender como o sofrimento aparece, pratique observar sua mente. Neste espaço da mente não há problemas não há sofrimento. Então, alguma coisa prende sua atenção - uma imagem, um som, um cheiro. Sua mente se subdivide em interno e externo, “eu” e “outro” sujeito e objeto. Com a simples percepção do objeto, não há ainda nenhum problema, Porém, quando você se foca nela,  nota que é grande ou pequeno, branco ou preto, quadrado ou redondo. Então você faz um julgamento – por exemplo, se o objeto é bonito ou feio. Tendo feito esse julgamento, você reage a ele: decide que gosta ou não do objeto.
 É aí que o problema começa, pois “Eu gosto disto” conduz a “Eu quero isto”. Igualmente, “Eu não gosto disto” conduz a “Eu não quero isto”. Se gostamos de alguma coisa, se a queremos e não podemos tê-la, nós sofremos. Se a queremos, a obtemos e depois a perdemos, nós sofremos.…

QUAL O SIGNIFICADO DAS BANDEIRAS DE ORAÇÃO NO BUDISMO TIBETANO ? - AS CINCO CORES SIMBOLIZAM AS 5 SABEDORIAS DO BUDISMO

QUAL O SIGNIFICADO DAS BANDEIRAS DE ORAÇÃO NO BUDISMO TIBETANO? "Qual o significado das bandeiras coloridas? É alguma festa?" Esta é uma pergunta frequente feita por quem, pela primeira vez, chega a um centro ou mosteiro budista tibetano. A questão é legítima, uma vez que semelhante costume nunca existiu no nosso país. O costume vem do Tibete e remonta ao século XI. Foi o grande mestre indiano Atisha (982-1054) que ensinou aos seus discípulos como imprimir orações e mantras sobre pedaços de tecido, a partir de blocos de madeira gravados. Estas bandeiras, fixadas a um mastro ou a um bambu, ou cosidas a cordas esticadas entre dois pontos, ondulavam livremente ao vento. Esta tradição acabou por ser muito difundida no seio do Budismo tibetano. À volta dos mosteiros, nos sítios sagrados, presas aos ramos da árvore de Bodhi, em redor do grande Stupa em Boudhnath e mesmo junto a habitações, vemos por toda a parte. Desfraldadas ao vento, a sua presença sonora acompanha a cadência das o…