Pular para o conteúdo principal

A ACEITAÇÃO DA MORTE SEGUNDO O BUDISMO

A ACEITAÇÃO DA MORTE SEGUNDO O BUDISMO


A aceitação da morte

Houve uma vez uma jovem chamada Kisa –
ou “magra” – Gotami. Ela veio de uma família pobre que só podia oferecer um dote muito pequeno a um marido em potencial. Mesmo assim, encontraram um marido para ela, e a moça foi ...viver com a família dele. Mas Kisa era sempre olhada com um certo desdém, devido ao seu pequeno dote.

Seus novos familiares eram rudes com ela e faziam com que trabalhasse muito, tratando-a apenas um pouco melhor do que uma criada. Após algum tempo, ela deu à luz um filho e sua vida mudou. A criança lhe trouxe felicidade, e ela passou a ser tratada com mais respeito pelos parentes. Infelizmente, seu filho, ainda muito pequeno, adoeceu. A doença piorou, e Kisa Gotami observava, desesperada, a vida da criança se esvair. Apesar de todos os seus esforços, ela morreu.

Em sua dor, Kisa ficou histérica e se recusou a acreditar que seu filho estava morto. Agarrava-se ao corpo da criança e não deixava que seus parentes o levassem. Segurando o corpo, ela vagou pelo vilarejo, implorando às pessoas que lhe dessem algum remédio que pudesse curar seu filho. Algumas a tratavam com desprezo, outras respondiam de forma confusa ou desconcertada. Outras tentavam fazê-la aceitar a realidade, oferecendo-lhe simpatia e consolo. Queriam ajudá-la a encarar o fato de que seu filho havia morrido, mas ela não ouvia. A única coisa que desejava era um remédio que pudesse trazer seu filho de volta.

Alguém, então, sugeriu que ela fosse ver o Buda. Ele tinha a reputação de possuir diversos poderes misteriosos. Talvez pudesse ajudá-la… Com esperança renovada, Kisa foi correndo até onde ele estava e, finalmente em farrapos e chorosa, chegou à sua presença, pedindo histericamente que ele desse um remédio para curar seu filho.

O Buda olhou para Kisa Gotami e para a criança morta que ela trazia em seus braços e disse:

- Sim, eu posso ajudá-la, mas antes que eu consiga preparar o remédio você precisa me trazer uma coisa. Precisarei de uma semente de mostarda.

Transbordando de felicidade, a moça estava prestes a sair correndo. Afinal, todas as casas da Índia possuem um pote com sementes de mostarda na cozinha, e logo ela poderia obter o remédio para seu filho.

- Entretanto, há uma condição – continuou Buda. – A semente deverá vir de um lar no qual ninguém tenha morrido.

Sem pensar sequer por um segundo, a mulher partiu, cheia de esperança em seu coração. Chegou à primeira casa e perguntou se poderiam lhe dar uma semente de mostarda. A mulher que morava lá disse que ficaria feliz em ajudá-la, mas então Kisa Gotami se lembrou das palavras de Buda e perguntou:

- Alguém já morreu neste lar?

- Meu avô morreu mês passado. Por favor, não me lembre disso.

E então, Kisa continuou de casa em casa, mas ouvia sempre a mesma história. Em um lar, era a esposa; na outra, o marido; em outras, um irmão, uma mãe, o filho, o pai, a filha… Em todos os lares, a morte era comum. Diziam para ela sucessivamente:

- Os que vivem são poucos, mas os que se foram são muitos. Por favor, não nos lembre de nossa dor.

Kisa foi compreendendo que a morte chega para todos e que ela não estava sozinha em sua perda. Calma e controlada, olhou para a criança em seus braços e finalmente foi capaz de aceitar o fato de que ela havia morrido. Levou seu bebê para o local onde eram realizados os funerais, deu-lhe adeus e retornou para o Buda.

O Buda a recebeu com boas-vindas e perguntou se havia encontrado a semente de mostarda de que ele precisava para fazer o remédio.

- O trabalho do remédio já foi feito – ela disse.

Kisa pediu ao Buda que a aceitasse como discípula e a ordenasse como monja. Tempos depois, meditando na floresta, Kisa Gotami encontrou a perfeita libertação da Iluminação.

Como uma grande enchente arrebata um vilarejo dormente, da mesma forma a morte leva o homem que colhe as flores da existência com o coração absorto em prazeres.

Dhammapada 47.

Extraído do livro “Histórias e Ensinamentos da vida do Buda”, de Saddhaloka. Editora Sextante.


Postagens mais visitadas deste blog

OS MUDRAS NO BUDISMO E SEU SIGNIFICADO

Os Mudras no Budismo 

Os mudras são os gestos simbólicos que são associados aos budas. Esses gestos são muito utilizados na iconografia hindu e budista.

Mudra, uma palavra com muitos significados, é caracterizada como gesto, posicionamento místico das mãos, como selo ou também como símbolo. Estas posturas simbólicas dos dedos ou do corpo podem representar plasticamente determinados estados ou processos da consciências. Mas as posturas determinadas podem também, ao contrário, levar aos estados de consciência que simbolizam. Parece que os mudras originaram-se na dança indiana, que é considerada expressão da mais elevado religiosidade. [...] O significado espiritual dos mudras encontra sua expressão perfeita na arte indiana. Os gestos das divindades representadas na arte hinduísta e budista e os atributos que os acompanham simbolizam suas funções ou aludem a determinados acontecimentos mitológicos. [...] No decorrer dos séculos, os budas e bodhisattvas representados iconograficamente com s…

PORTÕES DA PRÁTICA BUDISTA - CHAGDUD TULKU RINPOCHE - SÍNTESE DE GISLAINE D'ASSUNPÇÃO

PORTÕES DA PRÁTICA BUDISTA

Chagdud Tulku Rinpoche
Ed. Paramitas Ltda, 1995, Taquara – R.S




Trabalhando com o Apego e Desejo
Para compreender como o sofrimento aparece, pratique observar sua mente. Neste espaço da mente não há problemas não há sofrimento. Então, alguma coisa prende sua atenção - uma imagem, um som, um cheiro. Sua mente se subdivide em interno e externo, “eu” e “outro” sujeito e objeto. Com a simples percepção do objeto, não há ainda nenhum problema, Porém, quando você se foca nela,  nota que é grande ou pequeno, branco ou preto, quadrado ou redondo. Então você faz um julgamento – por exemplo, se o objeto é bonito ou feio. Tendo feito esse julgamento, você reage a ele: decide que gosta ou não do objeto.
 É aí que o problema começa, pois “Eu gosto disto” conduz a “Eu quero isto”. Igualmente, “Eu não gosto disto” conduz a “Eu não quero isto”. Se gostamos de alguma coisa, se a queremos e não podemos tê-la, nós sofremos. Se a queremos, a obtemos e depois a perdemos, nós sofremos.…

QUAL O SIGNIFICADO DAS BANDEIRAS DE ORAÇÃO NO BUDISMO TIBETANO ? - AS CINCO CORES SIMBOLIZAM AS 5 SABEDORIAS DO BUDISMO

QUAL O SIGNIFICADO DAS BANDEIRAS DE ORAÇÃO NO BUDISMO TIBETANO? "Qual o significado das bandeiras coloridas? É alguma festa?" Esta é uma pergunta frequente feita por quem, pela primeira vez, chega a um centro ou mosteiro budista tibetano. A questão é legítima, uma vez que semelhante costume nunca existiu no nosso país. O costume vem do Tibete e remonta ao século XI. Foi o grande mestre indiano Atisha (982-1054) que ensinou aos seus discípulos como imprimir orações e mantras sobre pedaços de tecido, a partir de blocos de madeira gravados. Estas bandeiras, fixadas a um mastro ou a um bambu, ou cosidas a cordas esticadas entre dois pontos, ondulavam livremente ao vento. Esta tradição acabou por ser muito difundida no seio do Budismo tibetano. À volta dos mosteiros, nos sítios sagrados, presas aos ramos da árvore de Bodhi, em redor do grande Stupa em Boudhnath e mesmo junto a habitações, vemos por toda a parte. Desfraldadas ao vento, a sua presença sonora acompanha a cadência das o…