Pular para o conteúdo principal

MEDITAÇÃO ZAZEN - VOLTAR-SE PARA DENTRO E IR AO ENCONTRO DO SEU VERDADEIRO SER - MONJA COEN

Meditação Zazen

Voltar-se para dentro e ir ao encontro do seu verdadeiro Ser

Por Monja Coen

monja coenZazen significa sentar-se em Zen.
Zen é uma palavra que veio do sânscrito dhyana ou do pali jhana. Os chineses, por onomatopeia, chamaram de Chan. A este Chan deram um ideograma, o qual os japoneses chamam de Zen.
Assim, ao procurar a origem da palavra Zen, muitas vezes traduzida como meditação, encontramosdhyana.
Seria o mesmo Dhyana que Patañjali recomendava aos yogis, o dhyana de Xaquiamuni Buda?
O que sabemos é que foram contemporâneos.
Xaquiamuni Buda viveu na Índia há cerca de 2.600 anos.
Ele havia praticado Yoga, de forma sistemática, por mais de seis anos. Depois de outros tantos anos de práticas ascéticas (tapas) muito rigorosas, sentou-se em Zen.
Este Za (sentar) Zen (dhyana) transforma o jovem peregrino, o praticante de Yoga e de ascetismos em um Buda.
O que foi esse zazen? O que aconteceu e o que acontece quando um ser humano senta-se com determinação, intenção, estabilidade, contentamento, equilíbrio, em uma mesma postura, por horas e horas, dias e noites?
Contam os textos sagrados (Sutras) que Buda foi provocado pelos demônios, diabos.
A palavra diabo tem sua origem em dois, dualidade, o que é dual. Teria o futuro Buda sido provocado pela dualidade?
Primeira provocação: pensamentos dualistas. Sob a árvore da iluminação, o jovem se questiona sobre o significado de estar ali, sentado, em vez de estar com seu pai, cuidando de seu reino. Não é assim conosco, no início dos processos meditativos?
O que estamos fazendo parados aqui? Será que não temos coisas mais importantes a fazer?
Mas ele se manteve sentado.
Segunda provocação: prazeres sensuais. Surge o desejo sexual, mulheres lindas o tocando e seduzindo.
Mas ele não se deixa seduzir e elas desaparecem como brumas no ar, a Índia nessa época era patriarcalista e os textos sagrados, sempre escritos por homens, colocavam as mulheres como grandes sedutoras. Vamos imaginar que a jovem princesa peregrina, a yogini, a asceta, em seu percurso em direção à sabedoria suprema, fosse provocada, seduzida, por homens lindos, fascinantes. Mas não se deixasse seduzir. Assim, podemos incluir Budas mulheres.
Terceira provocação: energias negativas. Dizem que os diabos, tendo falhado em suas duas primeiras tentativas de dissuadir o jovem de suas práticas meditativas, usaram de suas forças energéticas malévolas. Entretanto, tão grande era a determinação do futuro Buda que as energias prejudiciais se transformavam em pétalas de flores.
Quarta provocação: orgulho. Então, Mara, o rei dos demônios, vendo que seus discípulos não conseguiam dissuadir o jovem, foi, ele mesmo, usar sua malícia e sedução:
“Você é o melhor! Você é o maior! Você é superior aos outros seres!”
Sentado em lótus, o jovem coloca a mão direita no chão e diz apenas:
“A terra é minha testemunha”.
Furioso, Mara desaparece.
As dualidades se vão.
Atravessou a noite escura.
Amanhece o dia. Ao ver a estrela da manhã, o novo Buda exclama:
“Eu, a Grande Terra e todos os seres, simultaneamente nos tornamos o Caminho”.
Zazen é sentar-se em Zen.
Ir além das dualidades.
Penetrar o Samadhi Rei dos Samadhis.
Estar em grande intimidade com todos e todas Budas.
Mãos em prece.
Monja Coen
Monja Coen é missionária oficial da tradição Zen budista Soto Shu do budismo japonês e praticante de Yoga,www.zendobrasil.org.br
Fonte:http://www.nowmaste.com.br/meditacao-zazen/

Postagens mais visitadas deste blog

OS MUDRAS NO BUDISMO E SEU SIGNIFICADO

Os Mudras no Budismo 

Os mudras são os gestos simbólicos que são associados aos budas. Esses gestos são muito utilizados na iconografia hindu e budista.

Mudra, uma palavra com muitos significados, é caracterizada como gesto, posicionamento místico das mãos, como selo ou também como símbolo. Estas posturas simbólicas dos dedos ou do corpo podem representar plasticamente determinados estados ou processos da consciências. Mas as posturas determinadas podem também, ao contrário, levar aos estados de consciência que simbolizam. Parece que os mudras originaram-se na dança indiana, que é considerada expressão da mais elevado religiosidade. [...] O significado espiritual dos mudras encontra sua expressão perfeita na arte indiana. Os gestos das divindades representadas na arte hinduísta e budista e os atributos que os acompanham simbolizam suas funções ou aludem a determinados acontecimentos mitológicos. [...] No decorrer dos séculos, os budas e bodhisattvas representados iconograficamente com s…

QUAL O SIGNIFICADO DAS BANDEIRAS DE ORAÇÃO NO BUDISMO TIBETANO ? - AS CINCO CORES SIMBOLIZAM AS 5 SABEDORIAS DO BUDISMO

QUAL O SIGNIFICADO DAS BANDEIRAS DE ORAÇÃO NO BUDISMO TIBETANO? "Qual o significado das bandeiras coloridas? É alguma festa?" Esta é uma pergunta frequente feita por quem, pela primeira vez, chega a um centro ou mosteiro budista tibetano. A questão é legítima, uma vez que semelhante costume nunca existiu no nosso país. O costume vem do Tibete e remonta ao século XI. Foi o grande mestre indiano Atisha (982-1054) que ensinou aos seus discípulos como imprimir orações e mantras sobre pedaços de tecido, a partir de blocos de madeira gravados. Estas bandeiras, fixadas a um mastro ou a um bambu, ou cosidas a cordas esticadas entre dois pontos, ondulavam livremente ao vento. Esta tradição acabou por ser muito difundida no seio do Budismo tibetano. À volta dos mosteiros, nos sítios sagrados, presas aos ramos da árvore de Bodhi, em redor do grande Stupa em Boudhnath e mesmo junto a habitações, vemos por toda a parte. Desfraldadas ao vento, a sua presença sonora acompanha a cadência das o…

PORTÕES DA PRÁTICA BUDISTA - CHAGDUD TULKU RINPOCHE - SÍNTESE DE GISLAINE D'ASSUNPÇÃO

PORTÕES DA PRÁTICA BUDISTA

Chagdud Tulku Rinpoche
Ed. Paramitas Ltda, 1995, Taquara – R.S




Trabalhando com o Apego e Desejo
Para compreender como o sofrimento aparece, pratique observar sua mente. Neste espaço da mente não há problemas não há sofrimento. Então, alguma coisa prende sua atenção - uma imagem, um som, um cheiro. Sua mente se subdivide em interno e externo, “eu” e “outro” sujeito e objeto. Com a simples percepção do objeto, não há ainda nenhum problema, Porém, quando você se foca nela,  nota que é grande ou pequeno, branco ou preto, quadrado ou redondo. Então você faz um julgamento – por exemplo, se o objeto é bonito ou feio. Tendo feito esse julgamento, você reage a ele: decide que gosta ou não do objeto.
 É aí que o problema começa, pois “Eu gosto disto” conduz a “Eu quero isto”. Igualmente, “Eu não gosto disto” conduz a “Eu não quero isto”. Se gostamos de alguma coisa, se a queremos e não podemos tê-la, nós sofremos. Se a queremos, a obtemos e depois a perdemos, nós sofremos.…