Pular para o conteúdo principal

COMO LIDAR COM AS EMOÇÕES - DZOGCHEN PONLOP RINPOCHE

Como lidar com as emoções?

(Trecho do livro “Buda Rebelde” de Dzogchen Ponlop Rinpoche)

Antes que possamos estender nossa compaixão aos outros, temos que primeiro estendê-la a nós mesmos. Como fazemos isso? Temos que olhar para a nossa mente e reconhecer como as nossas expressões neuróticas – os nossos pensamentos confusos e emoções perturbadoras – estão na verdade, ajudando-nos a acordar. Nossa agressão pode nos ajudar a desenvolver clareza e paciência. Nossa paixão pode nos ajudar a abandonar apegos e ser mais generosos. Basicamente, uma vez que reconhecemos que essa mesma mente é a mente da compaixão e do despertar, podemos valorizá-la e assim, confiar em nossa capacidade de trabalhar com ela. Ela é, no fim das contas, uma boa mente, uma mente que nos levará à iluminação. Quando compreendemos isso, começamos a abandonar nossa atitude anterior, de repulsa às nossas emoções.

De início, consideramos as nossas emoções como algo negativo, algo a superar; precisamos nos acalmar, diminuir a temperatura. Agora, reconhecemos como a própria energia das emoções ativa a nossa inteligência e nos encoraja a acordar, de forma que podemos apreciar de que maneira elas nos ajudam a ver mais claramente.Começamos a entender o que elas nos têm dito esse tempo todo. Estivemos sentados, ouvindo a mente, deixando-a falar, conhecendo essa desconhecida e agora a conversa está em outro nível. Não somente ouvimos as palavras da nossa amiga, mas também sentimos o calor ou a frieza de sua temperatura emocional. Através da conexão e confiança que cultivamos, alcançamos uma troca mais íntima e profunda.

A raiva não é só estar bravo com relação a algo. A paixão não é só o desejo de ter algo. Não são apenas padrões habituais ou estados aflitivos da mente. Há nelas uma grande ânsia por clareza, uma ânsia por conexão genuína, um desejo por liberdade. Em vez de serem “inimigas”, as emoções são, na verdade, a face do buda rebelde. Ainda não encaramos a sua face, ainda não sabemos como ele é, quando caminha pelo mundo. Até agora, o buda rebelde foi o fio da espada de nossa inteligência. Finalmente, vemos que ele é também a gentileza do nosso coração.É tão suave que nunca se quebra completamente, o que significa que também é forte. De certo modo, as nossas emoções e pensamentos confusos estão, o tempo todo, armando a sua própria revolução da mente. Estão resistindo ao nosso tratamento injusto e repressivo. Estão dizendo: “Não congele a minha energia. Não me cubra de rótulos. Não tente me melhorar. Seja um pouco mais corajoso. Reconheça-me e aceite-me como sou. Você pode se surpreender.”


Fonte: Budismo Petrópolis


http://despertarcoletivo.com/como-lidar-com-as-emocoes/

Postagens mais visitadas deste blog

OS MUDRAS NO BUDISMO E SEU SIGNIFICADO

Os Mudras no Budismo 

Os mudras são os gestos simbólicos que são associados aos budas. Esses gestos são muito utilizados na iconografia hindu e budista.

Mudra, uma palavra com muitos significados, é caracterizada como gesto, posicionamento místico das mãos, como selo ou também como símbolo. Estas posturas simbólicas dos dedos ou do corpo podem representar plasticamente determinados estados ou processos da consciências. Mas as posturas determinadas podem também, ao contrário, levar aos estados de consciência que simbolizam. Parece que os mudras originaram-se na dança indiana, que é considerada expressão da mais elevado religiosidade. [...] O significado espiritual dos mudras encontra sua expressão perfeita na arte indiana. Os gestos das divindades representadas na arte hinduísta e budista e os atributos que os acompanham simbolizam suas funções ou aludem a determinados acontecimentos mitológicos. [...] No decorrer dos séculos, os budas e bodhisattvas representados iconograficamente com s…

PORTÕES DA PRÁTICA BUDISTA - CHAGDUD TULKU RINPOCHE - SÍNTESE DE GISLAINE D'ASSUNPÇÃO

PORTÕES DA PRÁTICA BUDISTA

Chagdud Tulku Rinpoche
Ed. Paramitas Ltda, 1995, Taquara – R.S




Trabalhando com o Apego e Desejo
Para compreender como o sofrimento aparece, pratique observar sua mente. Neste espaço da mente não há problemas não há sofrimento. Então, alguma coisa prende sua atenção - uma imagem, um som, um cheiro. Sua mente se subdivide em interno e externo, “eu” e “outro” sujeito e objeto. Com a simples percepção do objeto, não há ainda nenhum problema, Porém, quando você se foca nela,  nota que é grande ou pequeno, branco ou preto, quadrado ou redondo. Então você faz um julgamento – por exemplo, se o objeto é bonito ou feio. Tendo feito esse julgamento, você reage a ele: decide que gosta ou não do objeto.
 É aí que o problema começa, pois “Eu gosto disto” conduz a “Eu quero isto”. Igualmente, “Eu não gosto disto” conduz a “Eu não quero isto”. Se gostamos de alguma coisa, se a queremos e não podemos tê-la, nós sofremos. Se a queremos, a obtemos e depois a perdemos, nós sofremos.…

PARA COMPREENDER O BUDISMO

PARA COMPREENDER O BUDISMO
1- INTRODUÇÃO:
O Budismo é uma religião e filosofia baseada nos ensinamentos deixados por Siddhartha Gautama, ou Sakyamuni (o sábio do clã dos Sakya), o Buda histórico, que viveu aproximadamente entre 563 e 483 a.C. no Nepal. De lá se espalhou através da ÍndiaÁsiaÁsia Central,TibeteSri Lanka (antigo Ceilão), Sudeste Asiático como também para países do Leste Asiático, incluindo ChinaMyanmarCoréiaVietnã eJapão. Hoje o budismo se encontra em quase todos os países do mundo, amplamente divulgado pelas diferentes escolas budistas, e conta com cerca de 376 milhões de seguidores. Os ensinamentos básicos do budismo são: evitar o mal, fazer o bem e cultivar a própria mente. O objetivo é o fim do ciclo de sofrimento,samsara, despertando no praticante o entendimento da realidade última - o Nirvana. A moral budista é baseada nos princípios de preservação da vida e moderação. O treinamento mental foca na disciplina moral (sila), concentração meditativa (samadhi), …