Pular para o conteúdo principal

AFINAL O QUE É O NIRVANA ?


Afinal o que é o Nirvana? O que é a felicidade suprema que Buda Gautama penetrou e ensinou?


Certamente essa pergunta tem inumeráveis respostas e fontes para serem conhecidas e absorvidas, então a visão abaixo é apenas uma delas, uma das boas. “
Onde Está o Nirvana?” está na terceira parte do segundo capítulo do livro “Budismo, Psicologia do Auto-Conhecimento” (Ed. Pensamento), do Dr. Georges da Silva e Rita Homenko, que começa com um diálogo entre o brâmane (a casta espiritual nobre da Índia antiga) Kutadanta e Buda sobre a natureza e a capacidade de encontrar o Nirvana. O trecho também é um complemento ao post e aos comentários do post de ontem, “A descrição de Thich Nhat Hanh para a iluminação do Buda: como se uma prisão de milhares de anos fosse aberta“.
ONDE ESTÁ O NIRVANA?
Certa vez, o brâmane Kutadanta perguntou ao Buda:
– Venerável Mestre, onde está o Nirvana?
– Onde quer que se obedeça é Lei (Doutrina)
Kutadanta replicou:
– Então o Nirvana não está em parte alguma e, portanto, não tem realidade.
O Bem-Aventurado disse:
– Não me entendeste. Escuta e responde. Qual é a morada do vento? Onde habita?
– Em parte alguma.
– Então não existe o vento? É uma ilusão?
Kutadanta não soube responder, e o Buda tornou a perguntar:
– Dize-me, ó brâmane, onde reside a sabedoria? Está em algum lugar?
– A sabedoria não tem lugar determinado, disse Kutadanta.
E o Bhagavad disse:
– Dirás que não há sabedoria, nem justiça, nem salvação porque, como o Nirvana, elas não tem lugar determinado? Assim como a brisa veloz atravessa o mundo durante o calor do dia, também o Tathagata veio aliviar a mente humana com o delicado e suave sopro que alivia o calor de todo sofrimento. Faze com que tua mente repouse na Verdade, difunde a Verdade e põe a Verdade em teu ser. E na verdade, viverás eternamente! O apego ao eu e à personalidade é morte continua, ao passo que quem vive e se move na Verdade, alcança o Nirvana.
~ trecho do livro “Psicologia do Auto-Conhecimento“, Cap 2, parte III (pag 51)
Logo a seguir deste trecho, os autores complementam:
O Nirvana não pode ser descrito porque não há nada em nossa experiência mundana com o qual possa ser comparado, e nada que possa ser usado para fornecer uma analogia satisfatória. Ainda é possível alcançá-lo e  experimentá-lo enquanto com o corpo vivo e, desse modo, obter a inabalável certeza de sua realidade como um Dhamma (Doutrina) que é independente de todos o fatores da vida condicionada. Este é o estado que Buda alcançou em vida e que possibilitou aos outros o atingirem, depois dele. Ele mostrou o Caminho com o convite: “Venha e veja por você mesmo” (Ehipassiko).
~ Dr Georges da Silva e Rita Homenko
Como complemento, quatro trechos do Dhammapada, o livro do Buda, onde está mencionado o Nirvana (Nibbana), tradução  de Marcos Beltrão:
“Aqueles sábios que não fazem o mal, e são sempre controlados em corpo, vão para o estado sem morte (Nibbana), para onde idos nunca se lamentam.”
“A fome é a pior doença. Os agregados os maiores males. Conhecendo isso como realmente é, os sábios realizam o Nibbana, a felicidade suprema.”
“A saúde é o maior ganho. A alegria a maior riqueza. Os dignos de confiança os melhores parentes. O Nibbana é a felicidade mais elevada.”
“Não há concentração naquele a quem falta sabedoria, nem há sabedoria naquele que falta concentração. Naquele em quem se encontram concentração e sabedoria, ele, de fato, está em presença do Nibbana.”
Fonte: http://dharmalog.com/2013/03/26/afinal-o-que-e-o-nirvana-o-que-e-a-felicidade-suprema-que-buda-gautama-penetrou-e-ensinou/

Postagens mais visitadas deste blog

OS MUDRAS NO BUDISMO E SEU SIGNIFICADO

Os Mudras no Budismo 

Os mudras são os gestos simbólicos que são associados aos budas. Esses gestos são muito utilizados na iconografia hindu e budista.

Mudra, uma palavra com muitos significados, é caracterizada como gesto, posicionamento místico das mãos, como selo ou também como símbolo. Estas posturas simbólicas dos dedos ou do corpo podem representar plasticamente determinados estados ou processos da consciências. Mas as posturas determinadas podem também, ao contrário, levar aos estados de consciência que simbolizam. Parece que os mudras originaram-se na dança indiana, que é considerada expressão da mais elevado religiosidade. [...] O significado espiritual dos mudras encontra sua expressão perfeita na arte indiana. Os gestos das divindades representadas na arte hinduísta e budista e os atributos que os acompanham simbolizam suas funções ou aludem a determinados acontecimentos mitológicos. [...] No decorrer dos séculos, os budas e bodhisattvas representados iconograficamente com s…

QUAL O SIGNIFICADO DAS BANDEIRAS DE ORAÇÃO NO BUDISMO TIBETANO ? - AS CINCO CORES SIMBOLIZAM AS 5 SABEDORIAS DO BUDISMO

QUAL O SIGNIFICADO DAS BANDEIRAS DE ORAÇÃO NO BUDISMO TIBETANO? "Qual o significado das bandeiras coloridas? É alguma festa?" Esta é uma pergunta frequente feita por quem, pela primeira vez, chega a um centro ou mosteiro budista tibetano. A questão é legítima, uma vez que semelhante costume nunca existiu no nosso país. O costume vem do Tibete e remonta ao século XI. Foi o grande mestre indiano Atisha (982-1054) que ensinou aos seus discípulos como imprimir orações e mantras sobre pedaços de tecido, a partir de blocos de madeira gravados. Estas bandeiras, fixadas a um mastro ou a um bambu, ou cosidas a cordas esticadas entre dois pontos, ondulavam livremente ao vento. Esta tradição acabou por ser muito difundida no seio do Budismo tibetano. À volta dos mosteiros, nos sítios sagrados, presas aos ramos da árvore de Bodhi, em redor do grande Stupa em Boudhnath e mesmo junto a habitações, vemos por toda a parte. Desfraldadas ao vento, a sua presença sonora acompanha a cadência das o…

PORTÕES DA PRÁTICA BUDISTA - CHAGDUD TULKU RINPOCHE - SÍNTESE DE GISLAINE D'ASSUNPÇÃO

PORTÕES DA PRÁTICA BUDISTA

Chagdud Tulku Rinpoche
Ed. Paramitas Ltda, 1995, Taquara – R.S




Trabalhando com o Apego e Desejo
Para compreender como o sofrimento aparece, pratique observar sua mente. Neste espaço da mente não há problemas não há sofrimento. Então, alguma coisa prende sua atenção - uma imagem, um som, um cheiro. Sua mente se subdivide em interno e externo, “eu” e “outro” sujeito e objeto. Com a simples percepção do objeto, não há ainda nenhum problema, Porém, quando você se foca nela,  nota que é grande ou pequeno, branco ou preto, quadrado ou redondo. Então você faz um julgamento – por exemplo, se o objeto é bonito ou feio. Tendo feito esse julgamento, você reage a ele: decide que gosta ou não do objeto.
 É aí que o problema começa, pois “Eu gosto disto” conduz a “Eu quero isto”. Igualmente, “Eu não gosto disto” conduz a “Eu não quero isto”. Se gostamos de alguma coisa, se a queremos e não podemos tê-la, nós sofremos. Se a queremos, a obtemos e depois a perdemos, nós sofremos.…