Pular para o conteúdo principal

OS SEGREDOS DO ROSÁRIO DE 108 CONTAS NO BUDISMO

ROSÁRIO DAS 108 CONTAS
Rosário de 108 Contas usado por Shaka.

OS SEGREDOS  DO  ROSÁRIO DE 108 CONTAS NO BUDISMO 

Rosário de 108 Contas


O Rosário de 108 Contas (108 Bīzu no rozario - 108ビーズのロザリオ) é um item de vital importância nas Guerras Santas travadas contra Hades, uma vez que, juntamente com a Terra Enclausurada a barreira de Atena e os Caixões construídos por Deathtoll de Câncer, são as únicas formas conhecidas de selar as almas dos Espectros e portanto impedir que possam ser chamados de volta à vida.
Este rosário foi baseado no "Japamala".
Japamala
Japa” significa “repetição” e caracteriza também a prática yogi para a repetir palavras sagradas, murmurando-as ou sussurrando-as.
A palavra “Mala” também é de origem sânscrita e significa “corrente” ou “cordão”. O Mala representa a realidade interna. Quando as contas são transparentes, o Mala é visível, se não são, de qualquer maneira, você sabe que ali passa um cordão que mantém as contas unidas.
Assim, “Japamala” tem como significado a repetição de mantras, escrituras sagradas ou nome de divindades, formando uma corrente de energia. É também o nome dado ao colar de contas utilizado para auxílio a esta prática.
Exemplos de religiões e filosofias que utilizam colares semelhante ao “japamala”:
§  Para budistas tibetanos o mala é elemento religioso de destaque, ajudando a limpar a mente . Para eles a repetição desses sons sagrados, ajuda abrir o coração para o amor e a compaixão.
§  Os católicos utilizam o rosário ou “terço” para fazer as orações. O rosário possui 50 contas separadas de dez em dez por outra conta maior, e seus extremos se unem em uma cruz. Somando 54.contas.
§  Na umbanda e no candomblé , as contas são feitas de pedras ou materiais naturais, e cada pessoa tem o seu rosário particular, condicionado com as cores correspondentes ao nível de desenvolvimento espiritual e à vibração energética.  Segundo eles, servem para proteger e manter boas energias.
§  No sufismo e islamismo,o tasbi, como é conhecido o rosário muçulmano, pode ser feito de madeira, madrepérola, metais e pedras preciosas, com ricos significados dentro da astrologia islâmica, contem 99 ou 33 contas.
O Japamala é utilizado para contar mantras em grupos de 108 repetições. Um Mala pode conter contas que somem múltiplos de 108, de modo que facilitem o cálculo do número total de 108 repetições. Por exemplo, as pulseiras usadas para este fim possuem 27 contas, existem também malas com 54 contas.

 ROSÁRIO DE 108 CONTAS FEITO POR ASMITA
Rosário de 108 Contas criado por Asmita.


Confecção e Efeito

Mangá Clássico - Originalmente o rosário utilizado por Shaka de Virgem foi, segundo o mesmo, uma criação de Budapara exterminar criaturas malignas, tem a função de selar as almas dos Espectros aprisionando-os nas 108 contas após a morte do mesmo. Desconhece-se o material utilizado em sua criação.

The Lost Canvas - O rosário foi confeccionado no Século XVIII, usando como matéria-prima os frutos da lendária Mokurenji, uma árvore que cresce no topo da Grande Cachoeira de Sangue no Meikai. Colhidos e levados até Jamir por Tenma de PégasoYato de Unicórnio e Yuzuriha, os frutos foram unidos num rosário por Hakurei de Altar; este explicou que os frutos, uma das matérias-primas das sapuris, ganhariam o poder de prender as almas dos Espectros mortos, uma vez que recebessem um poder tão intenso quanto o que permitia que Mokurenji vivesse e crescesse no inferno. Asmita de Virgem, concentrando sua cosmo- energia ao máximo, criou o rosário a custa de sua própria vida.

Por que o número 108?

O número “108” é considerado um número sagrado, por diversas razões matemáticas, físicas e metafísicas. Para se ter uma ideia, este número é produto de operações matemática simples e precisas. Por exempo, ao se multiplicar 1 elevado a ele mesmo por 2 elevado à 2ª e por 3 elevado à 3ª o resultado é 1 x 4 x 27 = 108. O alfabeto sânscrito possui 54 letras ou fonemas masculinos e 54 que são chamados femininos, resultando em 108 fonemas. O número nove é considerado um número sagrado para os Hindus, 1 + 0 + 8 = 9. O “108″ também aparece como a representação do chakra cardíaco; no Shri Yantra; nos textos védicos, onde 108 é o número em que se divide o tempo entre passado, presente e futuro; na astrologia, com seu 9 planetas e 12 casas (9×12 = 108); na astronomia, que mede o diâmetro do Sol como sendo 108 vezes o diâmetro da Terra. E ainda 108 são o número de Gopis de Krishna, 108  são os Upanisades, 108 são o número de contas do japamala  e poderia citar ainda muito mais sobre o número 108.

Budismo

§  O número 108 é um número importante no budismo, pois são 108 as paixões negativas que o homem tem.
§  São 108 as trilhas deixadas a Buda.
§  108 pode simbolizar também as 108 paixões ou os 108 divindades do kongokai, e às vezes também os 108 Conhecimentos.
§  Na Coreia do Sul há um templo com 108 etapas que representam a 108 curvas kármicas antes de alcançar os 6 céus budistas.


Fonte:http://pt-br.saintseiya.wikia.com/wiki/Ros%C3%A1rio_de_108_Contas

Postagens mais visitadas deste blog

QUAL O SIGNIFICADO DAS BANDEIRAS DE ORAÇÃO NO BUDISMO TIBETANO ? - AS CINCO CORES SIMBOLIZAM AS 5 SABEDORIAS DO BUDISMO

QUAL O SIGNIFICADO DAS BANDEIRAS DE ORAÇÃO NO BUDISMO TIBETANO? "Qual o significado das bandeiras coloridas? É alguma festa?" Esta é uma pergunta frequente feita por quem, pela primeira vez, chega a um centro ou mosteiro budista tibetano. A questão é legítima, uma vez que semelhante costume nunca existiu no nosso país. O costume vem do Tibete e remonta ao século XI. Foi o grande mestre indiano Atisha (982-1054) que ensinou aos seus discípulos como imprimir orações e mantras sobre pedaços de tecido, a partir de blocos de madeira gravados. Estas bandeiras, fixadas a um mastro ou a um bambu, ou cosidas a cordas esticadas entre dois pontos, ondulavam livremente ao vento. Esta tradição acabou por ser muito difundida no seio do Budismo tibetano. À volta dos mosteiros, nos sítios sagrados, presas aos ramos da árvore de Bodhi, em redor do grande Stupa em Boudhnath e mesmo junto a habitações, vemos por toda a parte. Desfraldadas ao vento, a sua presença sonora acompanha a cadência das o…

OS MUDRAS NO BUDISMO E SEU SIGNIFICADO

Os Mudras no Budismo 

Os mudras são os gestos simbólicos que são associados aos budas. Esses gestos são muito utilizados na iconografia hindu e budista.

Mudra, uma palavra com muitos significados, é caracterizada como gesto, posicionamento místico das mãos, como selo ou também como símbolo. Estas posturas simbólicas dos dedos ou do corpo podem representar plasticamente determinados estados ou processos da consciências. Mas as posturas determinadas podem também, ao contrário, levar aos estados de consciência que simbolizam. Parece que os mudras originaram-se na dança indiana, que é considerada expressão da mais elevado religiosidade. [...] O significado espiritual dos mudras encontra sua expressão perfeita na arte indiana. Os gestos das divindades representadas na arte hinduísta e budista e os atributos que os acompanham simbolizam suas funções ou aludem a determinados acontecimentos mitológicos. [...] No decorrer dos séculos, os budas e bodhisattvas representados iconograficamente com s…

PORTÕES DA PRÁTICA BUDISTA - CHAGDUD TULKU RINPOCHE - SÍNTESE DE GISLAINE D'ASSUNPÇÃO

PORTÕES DA PRÁTICA BUDISTA

Chagdud Tulku Rinpoche
Ed. Paramitas Ltda, 1995, Taquara – R.S




Trabalhando com o Apego e Desejo
Para compreender como o sofrimento aparece, pratique observar sua mente. Neste espaço da mente não há problemas não há sofrimento. Então, alguma coisa prende sua atenção - uma imagem, um som, um cheiro. Sua mente se subdivide em interno e externo, “eu” e “outro” sujeito e objeto. Com a simples percepção do objeto, não há ainda nenhum problema, Porém, quando você se foca nela,  nota que é grande ou pequeno, branco ou preto, quadrado ou redondo. Então você faz um julgamento – por exemplo, se o objeto é bonito ou feio. Tendo feito esse julgamento, você reage a ele: decide que gosta ou não do objeto.
 É aí que o problema começa, pois “Eu gosto disto” conduz a “Eu quero isto”. Igualmente, “Eu não gosto disto” conduz a “Eu não quero isto”. Se gostamos de alguma coisa, se a queremos e não podemos tê-la, nós sofremos. Se a queremos, a obtemos e depois a perdemos, nós sofremos.…