Pular para o conteúdo principal

TIBET - TEMPLO SAGRADO DE JOKHANG


    
O Templo Jokhang se situa no centro da cidade de Lhasa, capital da Região Autônoma do Tibet da China. Trata-se do grande orgulho dos tibetanos.
O Templo Jokhang é o mais antigo conjunto arquitetônico de madeira que integra o estilo arquitetônico da etnia Han e da etnia tibetana. A construção do Templo data ao início do século 7. Através de várias restruturações, formou-se um conjunto arquitetônico que ocupa uma área de 25 mil metros quadrados. O sub-diretor da Comissão Administrativa do Templo, abade Nyima Cering disse: "O Templo Jokhang é um dos patrimônios culturais da humanidade onde está preservada uma estátua da imagem de Sakyamuni dourada, que a comunidade budismo considera como tesouro raro."
Informa-se que a estátua de Sakyamuni tem uma história de mais de 2 500 anos. Dizem que existem três estátuas de altura igual à estatura de Sakyamuni em três períodos de sua vida e a do Templo Jokhang é uma delas e é a melhor preservada.
O Templo Jokhang é um sagrado local dos budistas tibetanos, onde cabem dezenas de mil budistas para as cerimônias religiosas. O Templo foi construído em 647 após o casamento de rei do Tubo, Songtsen Gampo com a princesa nepalesa Tritsun e a princesa Wencheng da dinastia Tang. Ambas as princesas trouxeram sutras budistas e estátuas de buda e o templo foi construído exatamente para homenagear e guardar estas sutras e estátuas. Naquele tempo, o templo não era tão grande como se vê agora e tinha apenas oito salões. Uma série de obras de renovações e ampliações fez com que ele obtivesse a dimensão atual.
O Templo Jokhang tem uma área de construção de 25 mil metros quadrados e mais de 20 salões. O salão principal fica no centro do Templo e tem quatro andares, onde encontra-se a estátua dourada de Sakyamuni, fundador do budismo, que foi trazida pela princesa Wencheng. Quatro estátuas de guardas de Sakyamuni se colocam aos seus dois lados, vestidos como habitantes da etnia Han da dinastia Tang. Segundo registros históricos, estas estátuas foram construídas em memória dos que transportaram a estátua de Sakyamuni da capital da dinastia Tang para o Tibet. Os afrescos do Salão descrevem a chegada da princesa Wencheng ao Tibet e o processo da construção do Templo.
Em frente do Templo, há um monumento de 3 metros de altura em homenagem à amizade entre o Tibet e a dinastia Tang. Erguido em 823 d. C, o monumento descreve o casamento da princesa da dinastia Tang com o rei de Tubo para cimentar a amizade.
A guia do Templo, Li Xiaohua, disse: "O Templo Jokhang é como foco da devoção todos os dias. Muitos peregrinos vêem fazer compromisso ou cumprir o voto pintando as estátuas douradas."
Além da estátua de Sakyamuni, estão homenageadas uma estátua de Songtsen Gampo e imagens budistas. "O teto do primeiro e segundo andares está coberto de imagens de budas, algumas foram feitas por Songtsen Gampo pessoalmente", disse Li Xiaohua.
Todos os dias, devotos chegam ao Templo para prestar a homenagem às divindades. Muitas pessoas percorreram longos quilômetros ajoelhando-se ou lançando todo o corpo no chão a cada passo em sinal de reverência.


Fonte:http://portuguese.cri.cn/

Jokhang, a pérola tibetana...

Era chegado o grande momento... Após um dia de aclimatização, estávamos agora preparados para partir à descoberta de Lhasa, essa terra mítica que nos habituámos a admirar e a fantasiar à distância. 
Aproveitando a localização estratégica do nosso hotel, a poucos metros do coração religioso do Tibete, partimos à descoberta do Barkhor, provavelmente o local mais sagrado do Tibete, onde milhares de peregrinos vindo dos quatro cantos do país acorrem para dar corpo à sua premente devoção religiosa que se sente e se respira a cada passo.


O Barkhor, é todo o percurso exterior e que envolve a joía da coroa, a verdadeira pérola tibetana: o templo de Jokhang.
Percorrendo uma das ruas laterais que nos leva ao percurso sagrado do Barkhor, começamos a tomar contacto com toda aquela parafernália religiosa e não só, composta essencialmente por moinhos de oração de todos os tamanhos e feitios, coloridas bandeiras de oração, que espalham a palavra de Buda nos céus de Lhasa ao sabor do vento, manteiga de iaque que serve de combustível às velas que ardem nos templos e muitos outros objectos de culto ou tradicionais da cultura tibetana.

Ficamos com a sensação, que neste pequeno percurso, percorremos todo o Tibete, tal é a profusão de etnias munidas do seu vestuário tradicional que podemos observar. Aqui a tradição ainda é o que era e ainda bem...


O que de melhor tem o Barkhor, é o facto de continuar a ser um local vivo em todos os aspectos. A chacina da cultura e religião tibetana, parece aqui renascer das cinzas e mostrar ao mundo que uma tradição milenar, não se apaga em meia dúzia de anos. É incrível a visão de milhares de peregrinos, com rostos sofridos e corpos sacrificados arrastando-se pelo percurso, no sentido dos ponteiros do relógio, tal como se faz em qualquer templo tibetano, cegos de obstinação e completamente desligados do que se passa à sua volta. Parecem trazer um mundo cheio de nada e no entanto a sua força e tenacidade marcadas em cada ruga das suas peles curtidas, parecem carregar a sabedoria suprema, de quem não tendo nada, nada mais precisa do que a sua própria espiritualidade.
Engolidos pela multidão de peregrinos, e envolvidos pelos mantras e pelos moínhos de oração, seguimos extasiados pelo Barkhor, impelidos por uma corrente espiritual intensa, surreal e mística que nos leva até à entrada do Jokhang.


Se até aqui tudo nos parecia irreal, a entrada do templo, conseguiu suplantar todas as expectativas. Enquadrado por 2 postes enormes repletos de bandeiras de oração acompanhados por duas piras que cospem o fumo do incenso colocado pelos peregrinos a eloquência da entrada do templo acenta na sua simplicidade e acima de tudo nos peregrinos.


Estes concentram-se numa realização de rituais acompanhados por uma ladainha de mantras repetidamente recitados que fazem entrar em transe quem os recita e quem os escuta.


A atmosfera que se respira aqui é de uma fé electrizante, que nos despe de preconceitos e nos faz mergulhar num inebriante caleidoscópio de sentimentos ampliados pelos sons, cheiros, cores e rituais que se praticam e que nunca vislumbrei em nenhum outro local.


Na entrada, a concentração de pessoas é enorme. Dezenas deitam-se no chão e levantam-se num ritual acompanhado de mantras que parecem trespassar-nos a mente e que nos deixa num estado algo confuso e que dá a sensação de flutuarmos por ali. Depois de alguma dificuldade em descobrir a entrada, seguimos para o interior do templo, passando por um enorme moínho de oração com uma fila imensa para ali realizar a sua oração.

O interior do templo é composto pelas típicas madeiras detalhadamente pintadas e pelas cores garridas de paredes e panos pendurados. Inúmeros altares de budas e outras divindades são adorados nos sucessivos pátios, que compões todo o complexo. Aqui vivem os lamas, que cuidam do templo e é assim que no meio de toda esta vida, entramos surpreendentemente em pátios e em pisos superiores onde deambulamos completamente sozinhos.




A vista é soberba! Os picos escarpados, convivem com a visão mágnifica do Palácio Potala, que sobranceiro a toda a cidade, parece querer subir ao céu.
Deixámo-nos ficar por ali algum tempo, absorvidos por todo aquele cenário, e entranhando todas aquelas emoções, que não sei se as voltaremos a sentir, mas que foram provavelmente as mais fortes que sentimos em viagem.

Após estes momentos tão intensos, seguimos pela praça para arranjarmos transporte para o mosteiro de Sera. Sera pertence à esfera de 4 mosteiros mais sagrados do Tibete, juntamente com o Jokhang, o Drepung e o Ganden.
O mosteiro de Sera chegou a albergar 5000 monges, sendo que hoje em dia alberga apenas algumas centenas.


Conhecer o Tibete, passa obrigatoriamente por conhecer os mosteiros, o centro nevrálgico da cultura tibetana, onde estão cimentados os valores educativos, culturais e sociais.


A cerca de 5 quilómetros de Lhasa, facilmente acessível de taxi ou autocarro, o mosteiro de Sera nasce a partir de uma artéria principal antes da entrada, que serve de mercado. Os edifícios, onde predomina o branco, vão subindo a montanha de forma mais ou menos anárquica e vão compondo o mosteiro com todas as suas capelas, dormitórios, cozinhas e todos as outras divisões necessárias a um complexo desta dimensão. Uns frescos enormes e coloridamente pintados, parecem observar-nos das arribas escarpadas das montanhas circundantes.


Vêem-se centenas de peregrinos, munidos do inevitável moínho de oração, percorrendo a Kora, o percurso sagrado do templo, só parando nos moínhos de oração fixos colocados em diferentes pontos do percurso, ou nas inúmeras capelas que se sucedem.


A madeira coloridamente pintada, está também muito presente. No interior dos templos ainda mais, não existindo um espaço por preencher. No interior dos templos, podemos também admirar os inúmeros panos igualmente coloridos, que se encontram pendurados e que emprestam a todo o ambiente uma atmosfera quente e reconfortante.


A manteiga de iaque, mantém as velas acesas nos altares e o seu cheiro torna-se bastante intenso. Podemos ver inúmeras notas nos mais variados locais deixadas pelos peregrinos em honra das divindades ou motivos religiosos que mais lhes agradam.


Também nós contribuímos, não tanto por motivação religiosa mas sim porque estas doações são o único dinheiro disponível, juntamente com o bilhete de entrada cobrado aos turistas, para a manutenção de todo o mosteiro. Sabendo que Mao dizia que "a religião é o ópio do povo", e que os chineses bem se esforçaram por destruir a religião do Tibete, não é plausível que o mosteiro receba alguma doação oficial pelo trabalho notável que faz em todos os aspectos da vida quotidiana dos tibetanos.


A visita foi bastante agradável, pelo próprio mosteiro e pela vista que vamos admirando à medida que vamos subindo a montanha. No topo chegámos à sala de debate, um espaço dedicado aos debates sobre vários temas (excepto políticos obviamente) e que reune inúmeras filas de monges alinhados que sobem ao palanque para discutirem e contribuirem com a sua opinião relativamente ao assunto em questão. Se o tema do discurso nos foi infelizmente ininteligível, já a beleza do folclore que envolvia a cerimónia não o foi e deixou-nos a esperança num futuro em que estes debates voltem a ser verdadeiramente livres como o foram no passado. Vamos esperar...


Depois de uma pausa para o almoço, onde um apetitoso e suculento naco de iaque nos acalmou o apetite voraz que toda aquela miscelânea de emoções nos tinha provocado, partimos para o nosso próximo destino o Norbulinka, o palácio de verão dos Dalai Lamas.


Almoçámos em Lhasa, após termos apanhado o autocarro, onde pudemos através da universal linguagem gestual, "pôr a conversa em dia" com alguns tibetanos que nos acompanhavam na exígua viatura que servia de mini autocarro.


O Norbulinka, fica nas imediações de Lhasa e fica por isso acessível a pé, mas a caminhada ainda levava uns 20 ou 30 minutos e como já tínhamos alguns quilómetros nas pernas, apanhámos uma simpática bici-táxi.


O Norbulinka é na realidade mais do que um palácio, são vários palácios, jardins e outros aposentos, que serviam de base de verão aos Dalai Lamas, que fugiam desta forma ao calor abrasador que se fazia sentir no Palácio Potala, desde sempre a residência oficial do Dalai Lama. Foi a partir de 1755 com o sétimo Dalai Lama que se iniciou a construção do palácio de verão. A partir daí e até ao actual Dalai Lama, o décimo quarto, foram sendo construídos mais palácios que iam acolhendo os novos residentes.


Não se pode dizer, que este complexo de palácios e jardins sejam fascinantes, já que a manutenção dos jardins e dos palácios não é muito cuidada, mas o passeio é agradável. Tivemos a sorte de apanhar um espectáculo de danças e musica tradiocional (talvez a ópera tibetana), que nos permitiu tomar contacto com a sua arte e admirar os trajes tradicionais (que na realidade não seriam muito diferentes do que já havíamos visto).
Nada no Tibete é luxuoso ou extravagante, por isso não se pode dizer que as expectativas tenham sido defraudadas. A magnificiência dos locais nunca está na obra mas sim na espiritualidade que esta carrega, transmitida pelo fervor religioso que os tibetanos lhe dão e que se transmite como uma força revitalizadora. Aqui não se sente essa energia, dado que não é um complexo religioso. Como local monumental, tem pouco a dizer, porque inclusivamente grande parte dos edifícios se encontram fechados. O palácio do décimos quarto dalai lama, será o mais interessante de se visitar, porque para além de possuir alguma informação interessante sobre a História do Tibete e de todos os Dalai Lamas, podemos ver os seus aposentos oficiais e pessoais.


O mais interessante desta visita, foi o passeio relaxante nos jardins e o contacto directo com inúmeras famílias tibetanas que aqui acorrem para passear.


Para terminar o dia, e como em Lhasa, os restaurantes são raros, fomos jantar a uma pousada, cujo restaurante vinha recomendado no lonely planet. A especialidade era imagine-se iaque burguer! Por mais que tentemos fugir da globalização, parece que ela nos vem sempre bater à porta! Se o McDonalds descobre isto, acabam-se os iaques no Tibete e no Nepal, porque estava muito bom. Uma experiência a não repetir é o chá de manteiga de iaque, tão apreciado pelos tibetanos. Manteiga derretida com sal misturado, não é própriamente assim, que apetece terminar o jantar...


Recolhemos ao hotel, tão cansados como felizes...

Postagens mais visitadas deste blog

OS MUDRAS NO BUDISMO E SEU SIGNIFICADO

Os Mudras no Budismo 

Os mudras são os gestos simbólicos que são associados aos budas. Esses gestos são muito utilizados na iconografia hindu e budista.

Mudra, uma palavra com muitos significados, é caracterizada como gesto, posicionamento místico das mãos, como selo ou também como símbolo. Estas posturas simbólicas dos dedos ou do corpo podem representar plasticamente determinados estados ou processos da consciências. Mas as posturas determinadas podem também, ao contrário, levar aos estados de consciência que simbolizam. Parece que os mudras originaram-se na dança indiana, que é considerada expressão da mais elevado religiosidade. [...] O significado espiritual dos mudras encontra sua expressão perfeita na arte indiana. Os gestos das divindades representadas na arte hinduísta e budista e os atributos que os acompanham simbolizam suas funções ou aludem a determinados acontecimentos mitológicos. [...] No decorrer dos séculos, os budas e bodhisattvas representados iconograficamente com s…

5 PRECEITOS BUDISTAS PARA ENCONTRAR A PAZ INTERIOR

5 Preceitos Budista para encontrar a paz interior

SOBRE AS ESCOLAS DENTRO DO BUDISMO

SOBRE AS ESCOLAS DENTRO DO BUDISMO Como a maioria das religiões e filosofias mundiais, o Budismo de acordo com a sua evolução histórica dividiu-se em diversos grupos e segmentos que diferenciam entre si em algumas doutrinas e visões do budismo. Não conseguiremos aqui distinguir todos os ramos do budismo que existem ou já existiram, mas analisaremos aqueles de maior relevância histórica. Escola TheravadaO Budismo Theravada; quer dizer literalmente, "o ensino dos anciões", ou "o antigo ensino" é considerada a mais antiga escola de Budismo ainda existente. Por muitos séculos, o Theravada tem sido a religião predominante no Sri Lanka, Birmânia e Tailândia; atualmente, o número de budistas Theravada em todo o mundo excede 100 milhões de pessoas. Em décadas recentes, o Theravada começou a fincar suas raízes no Ocidente. Escola MahayanaA Escola Mahayana (nome que quer dizer "grande veículo") é atualmente a maior das duas principais tradições do Budismo existentes h…