Pular para o conteúdo principal

O TIBET-FONTE DE GRANDE INFLUÊNCIA ESPIRITUAL E PACÍFICA PARA O MUNDO

O TIBET-FONTE DE GRANDE INFLUÊNCIA ESPIRITUAL E PACÍFICA PARA O MUNDO 
O Tibet (Xizang) é uma região autônoma da China com importante tradição budista. Cidade onde residia o Dalai Lama, líder espiritual e governador do Tibet de 1940 até o seu exílio em 1959. A região possui 2,8 milhões de habitantes (2007).

A capital é Lhasa (que significa "terra sagrada" em tibetano), situada a 3.700 metros de altitude.

Ao longo de sua história, o Tibet, por vezes, teve seu próprio governo e, outras vezes, esteve subordinado à China. Por séculos, o regime de governo interno foi uma teocracia feudal, sempre respeitado pelos estados vizinhos pela sua influência espiritual e pacífica.

O Dalai Lama , é o líder religioso do Tibet, considerado a manifestação de Bodhisattva Avalokiteshavara. O atual Dalai Lama é Tenzin Gyatso, governou o Tibet de 1940 a 1959, quando exilou-se em Dharmsala, na Índia, durante a invasão chinesa.

Tenzin Gyatso nasceu em 6 de julho de 1935, na vila de Taktser, província de Amdo, numa família de camponeses, com o nome de Lhamo Dhondup. Aos dois anos de idade foi reconhecido como a 14ª encarnação do Dalai Lama. Recebeu o prêmio Nobel da Paz em 1989 e ainda é reconhecido pelos tibetanos como o líder natural e de direito do Tibet.



O Tibet oriental é cheia de vales íngremes e altas montanhas que alcançam 5.000 metros acima do nível de mar. É comum percorrer verticalmente 3.000 metros pelo fundo dos vales para se chegar a estrada e continuar uma viagem ás longas pontes suspensas para a travessia dos rios.

O Tibet do norte é um platô elevado com cerca de 6000 metros acima do nível de mar. 
A terra gelada é mais difícil de ser atravessada do que cruzar os pólos devido ao ar rarefeito. A viagem por 
 todo o Tibet chega a levar meses ou até anos. No inverno as travessias se tornam quase que impossíveis.

O exército britânico teve que retirar-se após ter conquistado Lhasa (principal cidade) em 1904, pois o inverno estava vindo.No passado, o transporte utilizado pelos tibetanos eram os  cavalos e carneiros.

Os cavalos tibetanos são rudes e fortes, apropriados para o ar rarefeito.As principais mercadorias transportadas são o sal da área norte do lago, chá das áreas do sul.Para cruzar um rio, se for rasa, uma ponte de madeira é construída, se o vale for íngreme, uma ponte suspensa é construída. Quando o rio é grande, os tibetanos usam as jangadas feitas das peles dos animais. Nas áreas agrícolas, os tibetanos se utilizam do burro e do asno.

No início da Primavera de cada ano iniciam uma jornada por centenas e milhares de quilômetros. 

A Jornada pelo Sal, leva cerca de dois a três meses. Eles mesmos acabam consumindo uma boa parte do sal durante a viagem de volta, mas com o restante do sal eles devem sobreviver até a próxima viagem, isto é, que levará doze meses. 


Transporte Moderno 

Há um moderno aeroporto em Lhasa  e outro em Chamdo.

Há estradas por quase toda Tibet. Devido a altitude, os vales íngremes e a terra congelada, o projeto da construção de Ferrovia continua no papel há 30 anos.

O Tibet, antes da invasão

Os tibetanos chamam o seu país de Böd, termo derivado do nome de uma antiga religião, o Bön; às vezes, acrescentam o termo Kangchen, "Terra das Neves". O início de sua história data de 2.300 anos atrás. Nos oito primeiros séculos, foi governado por

uma dinastia militar que se fixou no vale Yarlung. Gradativamente, a dinastia foi expandindo o seu domínio no planalto tibetano, entre a China, a Birmânia, o Butão, a Índia e o Nepal, próximo às montanhas do Himalaya. Por se localizar a uma altitude média de 3.000 metros, o Tibet também é chamado de "Teto do Mundo".

Por volta do século VI, diversas campanhas militares foram enviadas para as terras vizinhas. O povo tibetano, nômade, tinha uma reputação de "bárbaro" na China, na Turquia, na Pérsia, na Mongólia e na Índia. Mas, no século VII, o imperador tibetano Songzen Gampo começou a transformar a civilização feudo - militar em um império mais pacífico. Investigando as civilizações da China e da Índia, Songzen notou a presença do budismo Mahayana (Grande Veículo) e decidiu fazer uma grande adaptação cultural. Enviou estudantes para a Índia, onde aprenderam a língua sânscrita e começaram a traduzir a vasta literatura budista para a língua tibetana.

Songzen construiu muitos templos imperiais, como o Jokhang e o Ramochê (ambos na nova capital tibetana, Lhassa). Seus sucessores continuaram a transformação cultural, custeando as traduções, organizando conferências e criando instituições. O auge do processo ocorreu por volta do ano de 790, com o imperador Trisong Detsen. Ele fundou o monastério de Samye, com a ajuda dos mestres Padma Sambhava e Shantirakshita. Além dos estudos budistas, diversas artes e ciências floresceram: matemática, medicina, psicologia, anatomia, neurologia, química, botânica, política, arquitetura, poesia etc. Os especialistas vinham da Pérsia, da Índia, da Uighuria, da Mongólia e da China.

Depois da ascensão dos estudos em Samye, houve um período de confusão; uma revolta na família real fez a dinastia entrar em colapso. A nação se fragmentou e o budismo foi temporariamente perseguido. Um século depois, as instituições budistas ressurgiram. Nos três séculos seguintes, sob a influência do indiano Atisha (que viveu no Tibet de 1042 a 1055, quando faleceu), os estudos refloresceram, a construção de monastérios aumentou e a tradução dos textos canônicos foi concluída, dando lugar à produção de textos realmente tibetanos.

Como a força do budismo era grande, a "política de não-violência" impediu o surgimento de novas dinastias. As famílias nobres que governavam áreas locais foram perdendo sua influência para as instituições monásticas. Nos séculos XIII e XIV, o Tibet foi incorporado ao império mongol e dividido em treze regiões administrativas. Cada uma destas regiões era governada por uma família nobre e por uma hierarquia monástica. A família Khön e a hierarquia Sakya foram favorecidas pelo imperador mongol, Khubilai Khan.
No fim do século XIV, a dinastia nativa de Pagmodru passou a controlar o Tibet. Na mesma época, o lama Je Tsong Khapa iniciou a "renascença espiritual" do budismo tibetano, realizando o Grande Festival das Orações na cidade de Lhassa, em 1409. (O Grande Festival das Orações, ou Mönlan Chenmo, era comemorado anualmente no Tibet até 1960, quando os chineses fortaleceram a invasão e limitaram as atividades religiosas).

O Tibet continuou com a política de não-violência. Nos séculos XV e XVI, a quantidade de militares diminuiu e a de monges aumentou. Gendün Drupa, jovem discípulo de Je Tsong Khapa, estava liderando uma nova escola budista, chamada Geluk; ela usava novos ensinamentos, textos e monastérios, como o Tashilhunpo, fundado em 1445 pelo próprio Gendün. Após a sua morte, um garoto foi aclamado como reencarnação de Gendün. Depois de vários testes e milagres, isto foi confirmado e o garoto passou a ser chamado de Gendün Gyatso. Na encarnação seguinte, novamente cercada de

testes e milagres, foi chamado de Sönam Gyatso. Em sua visita à Mongólia, em 1573, Sönam recebeu do imperador Altan Khan o título de Dalai Lama ("Oceano de Sabedoria"). Como era a terceira reencarnação de Gendün, Sönam passou a ser conhecido como Sua Santidade o Terceiro Dalai Lama.

S.S. o Quinto Dalai Lama (1617-1682), o "Grande", foientronado como rei do Tibet e fundou os palácios de Ganden e Potala. O "Grande" desmilitarizou totalmente o país, promovendo o desenvolvimento das instituições monásticas e continuando com a política de não-violência. A independência do Tibet foi garantida por Shun Chih, imperador dos manchus. O "Grande" também incentivou os mongóis a praticarem o budismo, enquanto os manchus defenderiam as sociedades budistas desmilitarizadas através de um protetorado. A pacificação e desmilitarização dos mongóis pelos tibetanos foi uma das maiores transformações sociais da história.

Atualmente, o governo da República Popular da China afirma que o Tibet já fazia parte do seu território; porém, os Dalai Lamas governaram o Tibet sem interferências chinesas até o início do século XX.

Fonte : Revista Turismo

Postagens mais visitadas deste blog

OS MUDRAS NO BUDISMO E SEU SIGNIFICADO

Os Mudras no Budismo 

Os mudras são os gestos simbólicos que são associados aos budas. Esses gestos são muito utilizados na iconografia hindu e budista.

Mudra, uma palavra com muitos significados, é caracterizada como gesto, posicionamento místico das mãos, como selo ou também como símbolo. Estas posturas simbólicas dos dedos ou do corpo podem representar plasticamente determinados estados ou processos da consciências. Mas as posturas determinadas podem também, ao contrário, levar aos estados de consciência que simbolizam. Parece que os mudras originaram-se na dança indiana, que é considerada expressão da mais elevado religiosidade. [...] O significado espiritual dos mudras encontra sua expressão perfeita na arte indiana. Os gestos das divindades representadas na arte hinduísta e budista e os atributos que os acompanham simbolizam suas funções ou aludem a determinados acontecimentos mitológicos. [...] No decorrer dos séculos, os budas e bodhisattvas representados iconograficamente com s…

PORTÕES DA PRÁTICA BUDISTA - CHAGDUD TULKU RINPOCHE - SÍNTESE DE GISLAINE D'ASSUNPÇÃO

PORTÕES DA PRÁTICA BUDISTA

Chagdud Tulku Rinpoche
Ed. Paramitas Ltda, 1995, Taquara – R.S




Trabalhando com o Apego e Desejo
Para compreender como o sofrimento aparece, pratique observar sua mente. Neste espaço da mente não há problemas não há sofrimento. Então, alguma coisa prende sua atenção - uma imagem, um som, um cheiro. Sua mente se subdivide em interno e externo, “eu” e “outro” sujeito e objeto. Com a simples percepção do objeto, não há ainda nenhum problema, Porém, quando você se foca nela,  nota que é grande ou pequeno, branco ou preto, quadrado ou redondo. Então você faz um julgamento – por exemplo, se o objeto é bonito ou feio. Tendo feito esse julgamento, você reage a ele: decide que gosta ou não do objeto.
 É aí que o problema começa, pois “Eu gosto disto” conduz a “Eu quero isto”. Igualmente, “Eu não gosto disto” conduz a “Eu não quero isto”. Se gostamos de alguma coisa, se a queremos e não podemos tê-la, nós sofremos. Se a queremos, a obtemos e depois a perdemos, nós sofremos.…

PARA COMPREENDER O BUDISMO

PARA COMPREENDER O BUDISMO
1- INTRODUÇÃO:
O Budismo é uma religião e filosofia baseada nos ensinamentos deixados por Siddhartha Gautama, ou Sakyamuni (o sábio do clã dos Sakya), o Buda histórico, que viveu aproximadamente entre 563 e 483 a.C. no Nepal. De lá se espalhou através da ÍndiaÁsiaÁsia Central,TibeteSri Lanka (antigo Ceilão), Sudeste Asiático como também para países do Leste Asiático, incluindo ChinaMyanmarCoréiaVietnã eJapão. Hoje o budismo se encontra em quase todos os países do mundo, amplamente divulgado pelas diferentes escolas budistas, e conta com cerca de 376 milhões de seguidores. Os ensinamentos básicos do budismo são: evitar o mal, fazer o bem e cultivar a própria mente. O objetivo é o fim do ciclo de sofrimento,samsara, despertando no praticante o entendimento da realidade última - o Nirvana. A moral budista é baseada nos princípios de preservação da vida e moderação. O treinamento mental foca na disciplina moral (sila), concentração meditativa (samadhi), …