Pular para o conteúdo principal

O QUE É O NIRVANA QUE OS BUDISTAS PREGAM ?

O QUE É O NIRVANA ?

É um conceito básico da religião budista e a meta máxima da prática espiritual dos seus seguidores. "O nirvana é um estado de paz e tranqüilidade alcançado através da sabedoria", diz a monja Coen Murayama, da Comunidade Zen-Budista de São Paulo. A palavra nirvana vem de nibbana, que quer dizer "extinguir, apagar" em páli, uma língua morta parecida com o sânscrito. Dentro do budismo esse conceito pode ser usado em várias situações, como para designar a morte. Costuma-se dizer, por exemplo, que Buda, o fundador da religião, entrou em pari-nirvana, ou na tranqüilidade final, ao deixar sua vida terrena. Os budistas também acreditam que quando uma pessoa chega ao fim do samsara - existência cíclica de renascimentos e sofrimentos a que todos os seres estão sujeitos - ela alcança o nirvana.
Para chegar a esse estado de total paz interior, os praticantes da religião se dedicam à meditação e buscam seguir no dia-a-dia vários ensinamentos que se caracterizam pela correção do modo de vida, como ser ético, paciente e generoso.

Fonte:http://mundoestranho.abril.com.br/materia/o-que-e-o-nirvana

No Budismo, Nirvana (Sânscrito: निर्वाण; Pāli: निब्बान; Prácrito: णिव्वाण) é o estado de libertação do sofrimento (ou dukkha) segundo o pensamento dos monges shramana (em Pāli, "Nibbāna" significa "sopro", "soprar", ou até "ser assoprado"), é o estado atingido pelos Arahant. De acordo com a concepção budista, o Nirvana seria uma superação do apego aos sentidos, do material e da ignorância; tanto como a superação da existência, a pureza e a transgressão do físico.
Siddhartha Gautama, o Buda, ou na maioria das tradições budistas, também conhecido como Supremo Buda (Sammāsambuddha) descreveu o Nirvana como um estado de calma, paz, pureza de pensamentos, libertação, transgressão física e de pensamentos, a elevação espiritual, e o acordar à realidade. O Hinduísmo também usa Nirvana como um sinônimo para suas ideias de moksha e fala-se a respeito em vários textos hindus tântricos, bem como na Bhagavad Gita. Os conceitos hindus e budistas de Nirvana "não devem ser considerados equivalentes".
Com esse estado de liberação, quebra-se a roda do karma, interrompendo o processo de contínuos renascimentos.
No entanto, a meta mais elevada do Budismo não é Nirvana, mas Bodhi.

Fonte:http://pt.wikipedia.org/wiki/Nirvana

nirvana é a mais alta felicidade, um estado completamente além do sofrimento. Todos aqueles que atingiram algum grau de iluminação desfrutam da paz do nirvana. Aqueles que atingem o nirvana não estão mais sujeitos ao renascimento no samsara — a existência cíclica — porque estão além do ciclo da morte e renascimento. O samsara é condicionado, isto é, surge de causas e condições; já o nirvana é incondicionado, não depende de causas e condições. Por isso, o nirvana não é um lugar, pois transcende o espaço; e o nirvana é eterno, pois transcende o tempo. O nirvana não é a "extinção do ser", mas sim a "extinção do sofrimento".


Buda foi ao inferno. E os demônios ao Nirvana


Dizem que certa feita um Buda foi parar no inferno e que os diabos fizeram de tudo para atentá-lo. Queriam vê-lo infeliz e sofrendo. Não conseguindo foram perguntar a ele: "Como você consegue ficar bem no inferno?". Buda respondeu apenas: "Ah! Aqui é o inferno?" E esses diabinhos ficaram com ele. Mais tarde um chefe diabo veio ver o que estava acontecendo e encontrou todos os diabinhos silenciosamente sentados em meditação, junto ao Buda. Ele conseguira transformar o inferno na Terra Pura. Buda não tentou destruir os demônios, não tentou acabar com o inferno. Apenas manteve a mente quieta e tranqüila. Nirvana é percebermos a transitoriedade de tudo que existe e sermos capazes de tranqüilamente agirmos para transformar as coisas de maneira que o bem seja comum a todos os seres.
Na tradição Soto Zen existem seis mundos ou planos espirituais. São eles: o mundo dos infernos, dos animais, dos espíritos revoltados e briguentos, dos espíritos insaciáveis, dos seres humanos e dos seres celestiais. Esses mundos formam uma roda que gira sem parar. Algumas pessoas pensam que isso se refere a diferentes encarnações, vidas sucessivas, mas no Budismo sabemos que em um mesmo dia, talvez até mesmo apenas em uma hora, podemos passar pelos seis mundos.
Eles seriam a Roda de Samsara, o transmigrar incessante de um mundo a outro. Ora feliz e angelical, ora sofrendo terríveis torturas, ora brigando e reclamando, ora insatisfeita, ora seguindo apenas os instintos animais, ora como humanos entre o ir e vir do saber e não saber.
Mestre Dogen (1200-1253) fundador da tradição Soto Zen no Japão, escreveu que Samsara é Nirvana. Muitos pensam que para entrar no estado de Nirvana, de paz e tranqüilidade sábias, de harmonioso extinguir das paixões e apegos é preciso morrer ou afastar-se do mundo, da família, do trabalho, de suas atividades e relacionamentos, ir morar nas cavernas nos montes remotos.
Mestre Dogen, entretanto, nos diz que a própria roda de samsara é o Nirvana. Se percebermos esse constante transmigrar, não estaremos apenas sofrendo ou regozijando, mas aprendendo, compreendendo, transcendendo, transformando e crescendo. Nirvana não está separado de nossa vida, de nossos relacionamentos, de nosso trabalho, do trânsito, dos problemas e dificuldades. Nirvana é um estado de espírito. É perceber tudo isso e conseguir não entrar em nenhum dos seis mundos. É ficar acima de tudo.

Fonte:http://www.monjacoen.com.br/textos-budistas/textos-da-monja-coen/130-buda-foi-ao-inferno-e-os-demonios-ao-nirvana

Para os seguidores do budismo, o nirvana é o último estágio no caminho espiritual do ser humano, quando acontece sua suprema libertação. “Buda diz que libertação é um estado de paz interior permanente, alcançado quando abandonamos sentimentos negativos, como raiva, apego e ignorância. Paz é sinônimo de felicidade e todos nós queremos ser felizes e nos livrar do sofrimento”, afirma a monja Kelsang Pälsang, professora do Centro Budista Mahabodhi e diretora nacional do budismo kadampa no Brasil. A palavra nirvana vem do sânscrito e pode ser entendida como “extinção do sofrimento”. Também pode ser compreendida como um estado mental que aniquila a personalidade. O ser humano deixa de existir como tal para ter uma existência divina. Segundo o budismo, quando isso ocorre, o ciclo de morte e renascimento cessa. Os budistas acreditam que o nirvana pode ser alcançado pela meditação e pela prática do “caminho do meio”, que inclui oito passos: a compreensão correta (não existe um “eu” individual), a atitude correta (boa vontade), a fala correta (honestidade), a ação correta (não-violência), o modo de vida correto (não impor sofrimento aos outros), o esforço correto (concentrar-se em ações nobres), a atenção correta (máxima percepção do presente) e a concentração correta (ter a mente tranquila).

Fonte:http://mdemulher.abril.com.br/blogs/100-respostas/vida-simples/o-que-e-nirvana/

O que é Nirvana:

No Budismo, o significado de Nirvana é o estado de libertação atingido pelo ser humano ao percorrer sua busca espiritual. O termo tem origem no sânscrito, podendo ser traduzido por “cessação do sofrimento”.

É uma renúncia ao apego material que não eleva o espírito e apenas traz sofrimento. Através da meditação se consegue percorrer os passos fundamentais para chegar ao nirvana, considerado como a última etapa a alcançar pelos praticantes da religião.
Nirvana é utilizado num sentido mais geral para designar alguém que está num estado de plenitude e paz interior, sem se deixar afetar por influências externas. Também se emprega com o sentido de aniquilamento de certos traços negativos da própria personalidade, porque a pessoa consegue se livrar de tormentos como orgulho, ódio, inveja ou egoísmo, sentimentos que afligem o ser humano impedindo-o de viver em paz.
Dentro do mundo budista, Nirvana é o nome do maior (e mais puro) estado de espírito que um homem poderia chegar. É uma consciência singular de que, uma vez atingido, permite que o espírito seja consciente de sua unidade com todo o resto. Essa consciência também reconhece que a separação de conceitos singulares - como certo e errado, você e outros, vida e morte - é ilusória.
O primeiro ser humano a atingir o Nirvana era príncipe, Siddhartha Gautama (o Buda de nossos tempos), que viveu cerca de 563 aC a 483 aC. Depois de um longo e árduo caminho de auto-conhecimento e de abdicação, ele iniciou os ensinamentos que iria mais tarde tornar a base do budismo. Agora, a pergunta é: se o Nirvana é uma consciência tão singular que um monte de gente passa toda a sua vida para o atingir, é possível explicar como chegar ao Nirvana? É um trabalho árduo, sem dúvida, mas uma vez que Buda atingiu o Nirvana, ele explicou alguns fatos simples que este artigo irá relembrar. A seguir são listados os passos que o próprio Buda nos deixou. Lembre-se, contudo, que a viagem se constrói todos os dias em todas as nossas ações, a partir do momento em que dizemos bom dia até a hora de se deitar novamente para dormir.

O que é o Nirvana, a “liberdade de todas as visões e todo sofrimento”, por Thich Nhat Hanh (VÍDEO)

Não é fácil explicar o Nirvana, o “estado de estar livre de todo sofrimento”, o venerado (e perseguido) estado de Buddha, mas o monge budista vietnamitaThich Nhat Hanh (Caminhos Para a Paz Interior, Cultivando a Mente do Amor) parece tornar a tarefa mais simples e compreensível. Neste vídeo “What Is Nirvana?” (O que é o Nirvana?, com legendas em português, 6min32seg), Thich Nhat Hanh concentra a definição de Nirvana como liberdade das visões e percepções incorretas, ou, mais radicalmente, a liberdade de todas as visões – “pois no Budismo todas as visões são incorretas”. Citando o cientista Lavoisier e falando sobre a impermanência usando as nuvens, a chuva, a neve e o gelo, Thich Nhat Hanh explica a causa do medo, da violência e do ódio, e como o Nirvana não é um conceito distante, mas o caminho para a perfeita felicidade.
Para ativar as legendas em português, clique em “Select Language” (abaixo do vídeo). Caso o vídeo não apareça, tente atualizar esta página ou use este link alternativo.

O QUE É O NIRVANA QUE OS BUDISTAS PREGAM?







Para os seguidores do budismo, o nirvana é o último estágio no caminho espiritual do ser humano, quando acontece sua suprema libertação. “Buda diz que libertação é um estado de paz interior permanente, alcançado quando abandonamos sentimentos negativos, como raiva, apego e ignorância. É uma renúncia ao apego material que não eleva o espírito e apenas traz sofrimento. Através da meditação se consegue percorrer os passos fundamentais para chegar ao nirvana, considerado como a última etapa a alcançar pelos praticantes da religião. segundo o pensamento dos monges shramana (em Pāli, "Nibbāna" significa "sopro", "soprar", ou até "ser assoprado"), é o estado atingido pelos Arahant. De acordo com a concepção budista, o Nirvana seria uma superação do apego aos sentidos, do material e da ignorância; tanto como a superação da existência, a pureza e a transgressão do físico. Siddhartha Gautama, o Buda, ou na maioria das tradições budistas, também conhecido como Supremo Buda (Sammāsambuddha) descreveu o Nirvana como um estado de calma, paz, pureza de pensamentos, libertação, transgressão física e de pensamentos, a elevação espiritual, e o acordar à realidade. O Hinduísmo também usa Nirvana como um sinônimo para suas idéias de moksha e fala-se a respeito em vários textos hindus tântricos, bem como na Bhagavad Gita. Os conceitos hindus e budistas de Nirvana "não devem ser considerados equivalentes". Ao atingir o nirvana, é possível escapar da samsara, o ciclo de reencarnação que é característica tanto do hinduísmo como do budismo. Em cada vida, uma alma é punida ou recompensada baseando-se em suas ações passadas, ou carma, feitas na vida atual e em vidas passadas (que também inclui vidas que vivemos como animais). É importante perceber que a lei do carma não ocorre devido ao julgamento de um deus sobre o comportamento da pessoa; na verdade, é algo mais parecido com as leis do movimento de Newton: cada ação tem uma reação de mesma intensidade e no sentido oposto. Acontece automaticamente, por si só.

Fontes de pesquisa:
http://mdemulher.abril.com.br
http://www.significados.com.br
http://pt.wikipedia.org
http://budismojapones.webnode.com.br
http://pessoas.hsw.uol.com.br

Fonte:http://www.variedades1.com/2012/08/

Postagens mais visitadas deste blog

5 PRECEITOS BUDISTAS PARA ENCONTRAR A PAZ INTERIOR

5 Preceitos Budista para encontrar a paz interior

DALAI LAMA: ATRÁS DE NOSSA ANSIEDADE ESTÁ O MEDO DE NÃO SER NECESSÁRIO

DALAI LAMA: ATRÁS DE NOSSA ANSIEDADE ESTÁ O MEDO DE NÃO SER NECESSÁRIOO medo de não ser necessário é um dos maiores causadores de tristezas no ser humano.  De muitas maneiras, nunca houve um melhor momento para estar vivo. A violência assola alguns cantos do mundo, e muitos ainda vivem sob o domínio de regimes tirânicos. 

E embora todas as grandes religiões do mundo ensinem amor, compaixão e tolerância, a violência impensável está sendo perpetrada em nome da religião.
E ainda assim, poucos dentre nós são pobres, cada vez menos pessoas tem fome, menos crianças morrem e mais homens e mulheres sabem ler do que nunca. 

Em muitos países, o reconhecimento dos direitos das mulheres e das minorias é agora norma. Ainda há muito trabalho a fazer, é claro, mas há esperança e há progresso.
Quão estranho, então, ver tanta raiva e grande descontentamento em algumas das nações mais ricas do mundo. 

Nos Estados Unidos, Grã-Bretanha e em todo o continente europeu, as pessoas são convulsionadas com frustraçã…

ESCUTA COMPASSIVA - THICH NHAT HANH ENTREVISTADO POR OPRAH WINFREY (VÍDEO LEGENDADO EM PORTUGUÊS)

Thich Nhat Hanh entrevistado por Oprah Winfrey - Escuta Compassiva - LEGENDADO

Thich Nhat Hanh diz que ouvir pode ajudar a terminar com o sofrimento do outro, colocar fim a uma guerra e mudar o mundo para melhor. Assista a ele explicar como praticar a escuta compassiva.




Quem SomosNós somos um grupo de meditação budista e estudo dos textos do mestre Zen Vietnamita Thich Nhat Hanh.  Nos reunimos semanalmente nas 3a feiras das 19:30hs às 21:00hs, na Rua Jornalista Orlando Dantas, n. 5 no Flamengo - Rio de Janeiro. Clique aqui para ver o mapa. Todos estão convidados a participar conosco da nossa prática de plena consciência segundo os métodos ensinados por Thich Nhat Hanh e detalhada no quadro ao lado. Mesmo os que nunca meditaram ou têm pouca experiência estão convidados. Aos iniciantes serão dadas instruções antes do início da prática. Por isso sugerimos que os iniciantes cheguem 15 minutos antes do início. Semanalmente estudamos um texto de Thich Nhat Hanh. Para conhecer o texto dessa semana…