Pular para o conteúdo principal

AS 6 PERFEIÇÕES PARA A ILUMINAÇÃO

As 6 perfeições para a iluminação

As 6 perfeições para a iluminação
Hoje celebramos o “Ohigan” (20 de março). “Ohigan” é comemorado duas vezes por ano, durante o equinócio da primavera e do outono que é a época do ano em que o dia e a noite tem a mesma duração. O “Ohigan” também é um momento de transição entre os dias curtos de inverno e os longos dias de verão, ou o inverso. Como um momento de transição sazonal, também representa as transições da vida humana, desde o verão da vida até o inverno escuro da morte. É por isso que o “Ohigan” é um momento para recordar aqueles que já faleceram, particularmente os nossos antepassados e entes queridos. É também um tempo para dar atenção a outro tipo de transição, desta margem do nascimento e da morte para a outra margem do esclarecimento, no qual o nascimento e a morte são transcendidos. Na verdade, nós recitamos o Odaimoku e o Sutra do Lótus com a finalidade de permitir que cheguem à outra margem, a do despertar, tanto aqueles que estão vivos quanto aqueles que estão falecidos, por quem dedicamos os méritos de nossa prática.
Para qualquer tipo de viagem é preciso fazer as malas, ou tomar providências. Mesmo uma viagem de curta duração exige que se prepare uma muda de roupa e artigos de higiene pessoal, como barbeador, desodorante, e assim por diante. Que tipo de provisões, então, que precisamos de viagem para a margem da iluminação? Neste caso, um kit de barbear ou toalhas não serão suficientes. Precisamos de algo que seja menos substancial e ao mesmo tempo mais real. De acordo com o Budismo Mahayana, quem aspira à iluminação vai precisar daquilo que é chamado de “os seis paramitas”. “Paramita” é geralmente traduzido como “perfeição”, ou seja, “seis perfeições.” Mas, na verdade, significa “atravessar”. Então, essas são as seis características daqueles que são capazes de atravessar desta margem do sofrimento para a outra margem, a da iluminação, e que, além disso, são capazes de ajudar os outros a fazer essa transição e cruzar em segurança.
No Sutra sobre Desvendar os Mistérios (em sânscrito Samdhinirmochana Sutra), o Buda explica estas seis provisões para fazer a travessia ao Bodhisattva Kannon, Aquele que ouve os Clamores do Mundo, que perguntou ao Buda: “Quantas coisas devem os bodhisattvas aprender?” O Buda respondeu: “Em geral, seis coisas os bodhisattvas devem aprender: generosidade, disciplina, paciência, diligência, meditação e sabedoria”
Mais adiante, Kannon pergunta: “Quantos tipos diferentes de cada um dos seis paramitas existem?” O Buda respondeu: “Existem três tipos. Os três tipos de generosidade (doação) estão em doar de bens, doar o ensino, e dando o destemor.” O Buda então começa a explicar cada um dos seis paramitas em termos de benefício mínimo, um benefício de longo alcance e um benefício verdadeiramente transcendente ou altruísta. Ele começa com o paramita de doação. Doação de bens materiais é útil, mas dar às pessoas o ensinamento através do qual elas podem se ajudar é ainda melhor. O melhor de tudo é lutar sem medo por pessoas em momentos de necessidade ou sofrimento, mesmo colocando em risco sua reputação ou até mesmo a própria vida.
“Os três tipos de disciplina são a disciplina de cada vez mais abrir mão daquilo que não é bom, a disciplina de cada vez mais desenvolver aquilo que é bom, e a disciplina de cada vez mais beneficiar todos os seres.” Aqui vemos que a disciplina não é apenas autocontrole, mas é a ação de trabalhar ativamente para o bem estar dos outros.
“Os três tipos de paciência são a paciência para suportar a calúnia, a paciência para ter serenidade no sofrimento, e a paciência para observar a verdadeira realidade.” Aqui alguém é paciente mesmo com aqueles que nos têm causado ofensa ou mesmo danos. Mas o melhor mesmo é ser paciente com todas as formas de sofrimento, não desanimar e seguir em frente. A última é a mais notável e especial para os bodhisattvas. Enfrentar todas as coisas como elas realmente são, isto é a impermanência e o vazio de todas as coisas requer muita paciência e coragem. No início, os ensinamentos sobre o “não-eu” e o “vazio” são extremamente desconcertante, mas com paciência os bodhisattvas chegam a perceber que as coisas, inclusive a verdadeira natureza de nossas próprias vidas, não são “vazias e sem sentido”, mas “vazias e maravilhosas.” Este é uma conversa para outro dia, mas por agora vamos apenas notar que o próprio Buda percebeu que o próprio Buda Dharma requer muita paciência e coragem para compreender e apreciar.
“Os três tipos de diligência são a diligência como armadura, a diligência como o esforço focado para o desenvolvimento cada vez maior de boas qualidades, e a diligência do esforço focado em ajudar os seres sencientes.” Diligência como armadura significa que a maior proteção que podemos ter é nos esforçar continuamente para superar nosso próprio egoísmo e falta de visão, bem como contra qualquer sofrimento que possamos nos confrontar. Evitar maus hábitos e reduzir aqueles que já temos pode ser apenas um começo, no entanto. Nós também precisamos cultivar ativamente o bem. Mas, além disso, os bodhisattvas fazem esforços para o bem de todos os seres.
“Os três tipos de meditação são meditação em um estado de felicidade sem pensamento discriminativo, quieto e silencioso, extremamente tranquilo e impecável, que pode curar as dores das aflições; meditação que traz qualidades virtuosas e poderes, e a meditação que traz benefício para os seres sencientes.” Aqui se fala em meditação primeiramente em termos dos vários estados de calma permanente, os dhyanas de onde a palavra Zen vem. Algumas formas de meditação presentes nos sutras concedem poderes milagrosos que podem ser usados para ajudar a todos os seres. O melhor de tudo é atingir um estado de meditação onde a paz e a felicidade é comunicada a todos os seres, assim, inspirando-os a iniciar a sua própria prática.
“Os três tipos de sabedoria são a sabedoria convencional focada na verdade mundana, a sabedoria focada na verdade suprema, e sabedoria focada em beneficiar os seres sencientes.” A verdade mundana convencional cobre tudo, desde o velho senso comum até à física teórica, mas a coisa mais importante é agir com habilidade no mundo, de modo a beneficiar os outros. A verdade última é perceber o vazio onde todas as coisas estão inter-relacionadas de forma dinâmica e toda a dualidade é transcendida. O melhor de tudo é perceber qual a melhor forma de usar o seu despertar para ajudar todos os seres a também despertar para a verdade.
Estes são os seis paramitas , os seis tipos de qualidades que nos permitem passar da ilusão para a iluminação, do nascimento e morte para a imortalidade. De acordo com Nichiren no Kanjin Honzon Sho : “… O mérito de Buda Shakyamuni em praticar a via do bodhisattva que conduz à Iluminação, assim como pregar e salvar todos os seres vivos desde que ele atingiu o estado de Buda, está totalmente contido nos cinco caracteres do Myo Ho Ren Ge Kyo. Conseqüentemente, quando nós nos devotamos à esses cinco caracteres, os méritos que ele acumulou antes e depois de seu Despertar, são naturalmente trazidos até nós. ”
Isso significa que devemos ouvir a descrição dos seis paramitas como uma promessa de que estas são as qualidades que vamos encontrar dentro de nossas próprias vidas e que devemos as cultivar mais e mais com base na nossa convicção no Namu Myoho Renge Kyo.
Esta frase curta é uma semente que plantamos em nossas vidas e que cultivamos cada vez que a recitamos, e os seis paramitas estão entre os inúmeros frutos que essa semente vai produzir em nossas vidas. Vamos recitar Namu Myoho Renge Kyo com plena confiança e alegre expectativa nos frutos transcendentes que serão nossas provisões para atravessar para a outra margem, a margem do despertar perfeito e completo e da ação compassiva sem limites em nome de todos os seres.
*texto do rev. Ryuei Mccormick Shonin, da Nichiren Shu.
**crédito da imagem: http://500px.com/photo/6717984
As 6 perfeições para a iluminação



Postagens mais visitadas deste blog

OS MUDRAS NO BUDISMO E SEU SIGNIFICADO

Os Mudras no Budismo 

Os mudras são os gestos simbólicos que são associados aos budas. Esses gestos são muito utilizados na iconografia hindu e budista.

Mudra, uma palavra com muitos significados, é caracterizada como gesto, posicionamento místico das mãos, como selo ou também como símbolo. Estas posturas simbólicas dos dedos ou do corpo podem representar plasticamente determinados estados ou processos da consciências. Mas as posturas determinadas podem também, ao contrário, levar aos estados de consciência que simbolizam. Parece que os mudras originaram-se na dança indiana, que é considerada expressão da mais elevado religiosidade. [...] O significado espiritual dos mudras encontra sua expressão perfeita na arte indiana. Os gestos das divindades representadas na arte hinduísta e budista e os atributos que os acompanham simbolizam suas funções ou aludem a determinados acontecimentos mitológicos. [...] No decorrer dos séculos, os budas e bodhisattvas representados iconograficamente com s…

PORTÕES DA PRÁTICA BUDISTA - CHAGDUD TULKU RINPOCHE - SÍNTESE DE GISLAINE D'ASSUNPÇÃO

PORTÕES DA PRÁTICA BUDISTA

Chagdud Tulku Rinpoche
Ed. Paramitas Ltda, 1995, Taquara – R.S




Trabalhando com o Apego e Desejo
Para compreender como o sofrimento aparece, pratique observar sua mente. Neste espaço da mente não há problemas não há sofrimento. Então, alguma coisa prende sua atenção - uma imagem, um som, um cheiro. Sua mente se subdivide em interno e externo, “eu” e “outro” sujeito e objeto. Com a simples percepção do objeto, não há ainda nenhum problema, Porém, quando você se foca nela,  nota que é grande ou pequeno, branco ou preto, quadrado ou redondo. Então você faz um julgamento – por exemplo, se o objeto é bonito ou feio. Tendo feito esse julgamento, você reage a ele: decide que gosta ou não do objeto.
 É aí que o problema começa, pois “Eu gosto disto” conduz a “Eu quero isto”. Igualmente, “Eu não gosto disto” conduz a “Eu não quero isto”. Se gostamos de alguma coisa, se a queremos e não podemos tê-la, nós sofremos. Se a queremos, a obtemos e depois a perdemos, nós sofremos.…

PARA COMPREENDER O BUDISMO

PARA COMPREENDER O BUDISMO
1- INTRODUÇÃO:
O Budismo é uma religião e filosofia baseada nos ensinamentos deixados por Siddhartha Gautama, ou Sakyamuni (o sábio do clã dos Sakya), o Buda histórico, que viveu aproximadamente entre 563 e 483 a.C. no Nepal. De lá se espalhou através da ÍndiaÁsiaÁsia Central,TibeteSri Lanka (antigo Ceilão), Sudeste Asiático como também para países do Leste Asiático, incluindo ChinaMyanmarCoréiaVietnã eJapão. Hoje o budismo se encontra em quase todos os países do mundo, amplamente divulgado pelas diferentes escolas budistas, e conta com cerca de 376 milhões de seguidores. Os ensinamentos básicos do budismo são: evitar o mal, fazer o bem e cultivar a própria mente. O objetivo é o fim do ciclo de sofrimento,samsara, despertando no praticante o entendimento da realidade última - o Nirvana. A moral budista é baseada nos princípios de preservação da vida e moderação. O treinamento mental foca na disciplina moral (sila), concentração meditativa (samadhi), …