Pular para o conteúdo principal

MONJA COEN EXPLICA : COMPAIXÃO,GANÂNCIA,RAIVA E IGNORÂNCIA (VÍDEOS)

Monja Coen explica: Compaixão, ganância, raiva e ignorância 
composta por palestras de grande sabedoria da querida Monja Coen, mestra e representante do Zen Budismo Brasileiro.
Esta sequência de vídeos traz temas do cotidiano e destina-se a todos aqueles que, como nós, estão na busca do autoconhecimento, da espiritualidade e de uma forma mais harmoniosa de viver.
Compartilhamos por concordar com a ideia dos produtores de que a sabedoria pertence a todos os seres.
Os episódios serão publicados sempre as Luas Cheias e Luas Novas, pois são momentos que representam a renovação e a oportunidade de refletirmos sobre a quinzena passada, e nos libertar do que consideramos negativo, através do Poema do Arrependimento, que deve ser recitado por três vezes após a reflexão sobre o tema.
Poema do Arrependimento
“Todo carma prejudicial alguma vez cometido por mim, desde tempos imemoriáveis
Devido à minha ganância, raiva e ignorância sem limites
Nascido de meu corpo, boca e mente
Agora, de tudo, eu me arrependo.”
Namaste!

Compaixão e os 3 venenos: ganância, raiva e ignorância
Buddha nos ensinou que tudo nesse mundo é impermanente, nada é fixo, mas ainda nos sentimos frustrados quando algo que não nos agrada acontece, e nesse momento podemos ser contaminados pelos três venenos que perturbam a mente humana: a ganância, a raiva e a ignorância.
Nesse vídeo, Monja Coen nos lembra como conviver com coisas difíceis, além de mostrar que tudo e todos que nos surgem no caminho são seres iluminados a nos mostrar o Caminho, e nos dar a oportunidade de fazer escolhas… De escolher o caminho certo para nossa evolução.
Todos nós, os Seres Humanos, podemos ser corrompidos, fazer bobagens, mas  também podemos ir corrigindo nossos erros.
O acolhimento. A compaixão.

Fonte:https://www.eusemfronteiras.com.br/monja-coen-explica-compaixao-ganancia-raiva-e-ignorancia-parte-1/

Quem é Monja Coen?

Monja-Coen-foto
Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras
Nascida em 1947, em São Paulo, a Monja Coen foi jornalista profissional e após uma transferência a trabalho para Los Angeles, Califórnia, iniciou suas praticas regulares de zazem no Zen Center of Los Angeles, onde fez seus votos monásticos em 1983.
O zazem é uma prática meditativa de observação, que busca o autoconhecimento do ser humano, onde o praticante fica sentado, com o corpo bem alinhado e de frente para uma parede branca, e utilizando-se de técnicas respiratórias aprende a observar suas emoções.
Após anos de treinamento e graduações numa extensa jornada monástica e passagens importantes por templos no Japão, em 2001 Monja Coen deixou o  Templo Busshinji e iniciou um pequeno grupo de zazen na casa de um de seus praticantes, que em pouco tempo ficou pequena, sendo criado oficialmente a Comunidade Zen Budista Zendo Brasil, Templo Tenzui Zenji, com início das caminhadas meditativas em parque públicos, no intuito de levar o zazen e o kinhim (meditação caminhando) para a população paulistana.

Desde que voltou ao Brasil, Monja Coen realiza palestras, oficializa casamentos, bençãos para residencias, empresas, crianças e recém nascidos.
A Monja já ordenou mais de 30 monásticos, entre homens e mulheres, e mais de 250 pessoas laicas.
As atividades da comunidade zazem no templo incluem retiros, treinamentos para noviços e noviças monásticos e cerimoniais arregimentados pela Soto Shu.
Atualmente a Monja reside no templo Tenzui Zenji em São Paulo, onde preside o Conselho Religioso da Comunidade Zen Budista Zendo Brasil e do Viazen/Vila zen do Rio Grande do Sul.
Seguem dois sites de relacionados à Monja Coen:
Site oficial da Monja Coen: www.monjacoen.com.br
Zendo Brasil: www.zendobrasil.org.br
“Eu compreendo você, reconheço em você um Ser Humano, muito parecido comigo.”

Postagens mais visitadas deste blog

OS MUDRAS NO BUDISMO E SEU SIGNIFICADO

Os Mudras no Budismo 

Os mudras são os gestos simbólicos que são associados aos budas. Esses gestos são muito utilizados na iconografia hindu e budista.

Mudra, uma palavra com muitos significados, é caracterizada como gesto, posicionamento místico das mãos, como selo ou também como símbolo. Estas posturas simbólicas dos dedos ou do corpo podem representar plasticamente determinados estados ou processos da consciências. Mas as posturas determinadas podem também, ao contrário, levar aos estados de consciência que simbolizam. Parece que os mudras originaram-se na dança indiana, que é considerada expressão da mais elevado religiosidade. [...] O significado espiritual dos mudras encontra sua expressão perfeita na arte indiana. Os gestos das divindades representadas na arte hinduísta e budista e os atributos que os acompanham simbolizam suas funções ou aludem a determinados acontecimentos mitológicos. [...] No decorrer dos séculos, os budas e bodhisattvas representados iconograficamente com s…

PORTÕES DA PRÁTICA BUDISTA - CHAGDUD TULKU RINPOCHE - SÍNTESE DE GISLAINE D'ASSUNPÇÃO

PORTÕES DA PRÁTICA BUDISTA

Chagdud Tulku Rinpoche
Ed. Paramitas Ltda, 1995, Taquara – R.S




Trabalhando com o Apego e Desejo
Para compreender como o sofrimento aparece, pratique observar sua mente. Neste espaço da mente não há problemas não há sofrimento. Então, alguma coisa prende sua atenção - uma imagem, um som, um cheiro. Sua mente se subdivide em interno e externo, “eu” e “outro” sujeito e objeto. Com a simples percepção do objeto, não há ainda nenhum problema, Porém, quando você se foca nela,  nota que é grande ou pequeno, branco ou preto, quadrado ou redondo. Então você faz um julgamento – por exemplo, se o objeto é bonito ou feio. Tendo feito esse julgamento, você reage a ele: decide que gosta ou não do objeto.
 É aí que o problema começa, pois “Eu gosto disto” conduz a “Eu quero isto”. Igualmente, “Eu não gosto disto” conduz a “Eu não quero isto”. Se gostamos de alguma coisa, se a queremos e não podemos tê-la, nós sofremos. Se a queremos, a obtemos e depois a perdemos, nós sofremos.…

QUAL O SIGNIFICADO DAS BANDEIRAS DE ORAÇÃO NO BUDISMO TIBETANO ? - AS CINCO CORES SIMBOLIZAM AS 5 SABEDORIAS DO BUDISMO

QUAL O SIGNIFICADO DAS BANDEIRAS DE ORAÇÃO NO BUDISMO TIBETANO? "Qual o significado das bandeiras coloridas? É alguma festa?" Esta é uma pergunta frequente feita por quem, pela primeira vez, chega a um centro ou mosteiro budista tibetano. A questão é legítima, uma vez que semelhante costume nunca existiu no nosso país. O costume vem do Tibete e remonta ao século XI. Foi o grande mestre indiano Atisha (982-1054) que ensinou aos seus discípulos como imprimir orações e mantras sobre pedaços de tecido, a partir de blocos de madeira gravados. Estas bandeiras, fixadas a um mastro ou a um bambu, ou cosidas a cordas esticadas entre dois pontos, ondulavam livremente ao vento. Esta tradição acabou por ser muito difundida no seio do Budismo tibetano. À volta dos mosteiros, nos sítios sagrados, presas aos ramos da árvore de Bodhi, em redor do grande Stupa em Boudhnath e mesmo junto a habitações, vemos por toda a parte. Desfraldadas ao vento, a sua presença sonora acompanha a cadência das o…