Pular para o conteúdo principal

A PRÁTICA DA COMPAIXÃO : MONGES BUDISTAS COMPRARAM LAGOSTAS NO CANADÁ PARA LIBERTAR

monks-free-lobsters.jpg

Monges Budistas compraram lagostas para libertar

Monges Budistas compraram lagostas destinadas para consumo e libertaram-nas. Libertaram  cerca de 270 kg de lagostas de volta para o Oceano. Estes Monges Budistas que estão no Canadá devolveram as lagostas vivas contidas em oito caixas para o Mar, evitando o seu consumo. Os 270 kg de crustáceos foram libertados nas águas da costa da Ilha Príncipe Eduardo pelos monges do Instituto Budista da Grande Iluminação, em inglês, Great Enlightenment Buddhist Institute Society.

Um dos monges, de seu nome Dan afirmou: “Esperamos com esperança que o local tenha sido bem escolhido e que não apanhem armadilhas”. Os monges usaram um barco,  e perante a estupefacção dos pescadores,  libertaram uma a uma. A operação toda envolveu um montante de 4.800 dólares.  As lagostas ainda receberam oração e foram benzidas com água purificada.  O grupo budista afirma que não é intenção desta acção de apelar ao vegetarianismo, mas sim promover o respeito e cultivar a compaixão,  e afirmam: “sejam lagostas, gansos,  moscas,  qualquer animal… Há que ter cuidado e atenção,  como por exemplo, conduzir devagar para não atropelar animais na rua”
Fonte:https://portaldobudismo.org/2016/07/13/monges-budistas-compraram-lagostas-para-libertar/
monks-free-lobsters.jpg

Postagens mais visitadas deste blog

OS MUDRAS NO BUDISMO E SEU SIGNIFICADO

Os Mudras no Budismo 

Os mudras são os gestos simbólicos que são associados aos budas. Esses gestos são muito utilizados na iconografia hindu e budista.

Mudra, uma palavra com muitos significados, é caracterizada como gesto, posicionamento místico das mãos, como selo ou também como símbolo. Estas posturas simbólicas dos dedos ou do corpo podem representar plasticamente determinados estados ou processos da consciências. Mas as posturas determinadas podem também, ao contrário, levar aos estados de consciência que simbolizam. Parece que os mudras originaram-se na dança indiana, que é considerada expressão da mais elevado religiosidade. [...] O significado espiritual dos mudras encontra sua expressão perfeita na arte indiana. Os gestos das divindades representadas na arte hinduísta e budista e os atributos que os acompanham simbolizam suas funções ou aludem a determinados acontecimentos mitológicos. [...] No decorrer dos séculos, os budas e bodhisattvas representados iconograficamente com s…

QUAL O SIGNIFICADO DAS BANDEIRAS DE ORAÇÃO NO BUDISMO TIBETANO ? - AS CINCO CORES SIMBOLIZAM AS 5 SABEDORIAS DO BUDISMO

QUAL O SIGNIFICADO DAS BANDEIRAS DE ORAÇÃO NO BUDISMO TIBETANO? "Qual o significado das bandeiras coloridas? É alguma festa?" Esta é uma pergunta frequente feita por quem, pela primeira vez, chega a um centro ou mosteiro budista tibetano. A questão é legítima, uma vez que semelhante costume nunca existiu no nosso país. O costume vem do Tibete e remonta ao século XI. Foi o grande mestre indiano Atisha (982-1054) que ensinou aos seus discípulos como imprimir orações e mantras sobre pedaços de tecido, a partir de blocos de madeira gravados. Estas bandeiras, fixadas a um mastro ou a um bambu, ou cosidas a cordas esticadas entre dois pontos, ondulavam livremente ao vento. Esta tradição acabou por ser muito difundida no seio do Budismo tibetano. À volta dos mosteiros, nos sítios sagrados, presas aos ramos da árvore de Bodhi, em redor do grande Stupa em Boudhnath e mesmo junto a habitações, vemos por toda a parte. Desfraldadas ao vento, a sua presença sonora acompanha a cadência das o…

PORTÕES DA PRÁTICA BUDISTA - CHAGDUD TULKU RINPOCHE - SÍNTESE DE GISLAINE D'ASSUNPÇÃO

PORTÕES DA PRÁTICA BUDISTA

Chagdud Tulku Rinpoche
Ed. Paramitas Ltda, 1995, Taquara – R.S




Trabalhando com o Apego e Desejo
Para compreender como o sofrimento aparece, pratique observar sua mente. Neste espaço da mente não há problemas não há sofrimento. Então, alguma coisa prende sua atenção - uma imagem, um som, um cheiro. Sua mente se subdivide em interno e externo, “eu” e “outro” sujeito e objeto. Com a simples percepção do objeto, não há ainda nenhum problema, Porém, quando você se foca nela,  nota que é grande ou pequeno, branco ou preto, quadrado ou redondo. Então você faz um julgamento – por exemplo, se o objeto é bonito ou feio. Tendo feito esse julgamento, você reage a ele: decide que gosta ou não do objeto.
 É aí que o problema começa, pois “Eu gosto disto” conduz a “Eu quero isto”. Igualmente, “Eu não gosto disto” conduz a “Eu não quero isto”. Se gostamos de alguma coisa, se a queremos e não podemos tê-la, nós sofremos. Se a queremos, a obtemos e depois a perdemos, nós sofremos.…