Pular para o conteúdo principal

VOCÊ SE CONHECE ? - MONJA COEN

Você se conhece?

Texto da Monja Coen publicado no jornal O Globo

É preciso cuidado. Buda dizia que a mente humana deve ser mais temida do que cobras venenosas e assaltantes vingadores.
O Carnaval passou, mas ainda continua.
Há carros alegóricos desfilando pelas ruas, com policiais e bandidos, traficantes e perdidos.
Há fantasias remendadas de plumas e brilhos nas pessoas que se emplumam para defender o indefensável.
O roto fala do rasgado.
Imaginam façanhas que se tornam vergonhosas artimanhas.
Acham-se salvadores da pátria. Mas é a pátria que nos salva a todos.
Hitler se achava um homem bom — queria a pureza da raça. Exterminador brutal, representante de uma grande parte da sociedade de sua época. Vergonha.
E muitos se calaram. Porque “não era comigo”. Até que venham bater à sua porta e, então, será tarde demais.
Os homens de barbas e capuzes negros que degolam e queimam pessoas em nome da fé e do estado — será que eles se consideram errados? Será que se acham salvadores do mundo? Quebrando obras de arte, patrimônio da humanidade?
É preciso cuidado.
Cuidado de cuidar com respeito e dignidade.
Buda dizia que a mente humana deve ser mais temida do que cobras venenosas e assaltantes vingadores. Você observa sua própria mente? Você se conhece e reconhece as manobras da politicagem mental, física e social?
É preciso acordar, despertar. Compreender as razões pelas quais as notícias nos são passadas. Regionais, nacionais, internacionais.
Há tanta gente boa no mundo.
Há tantos projetos que deram certo, que dão certo e nunca sabemos.
Escondido o bem, o mal se revela vitorioso.
Cada pessoa procurando pelos erros e faltas alheios. Nos telhados de vidro. No grande telhado de vidro que nos cobre a todos, em todo o planeta. Jogamos fezes e lixo para o alto, caem sobre nós mesmos.
Mas há flores e fragrâncias.
Há idosos e crianças felizes.
Há pessoas comprando nas lojas alimentos, roupas, automóveis, flores, presentes, encantamentos. Há quem não apertou o gatilho.
Há o policial que ajudou o bebê a nascer e impediu um crime. Você sabia que a polícia existe para nos proteger?
Alguém noticiou as boas ações dos bombeiros, dos militares, dos policiais, dos políticos, dos líderes, dos professores, dos médicos, dos religiosos, das mulheres, dos homens, das crianças, dos adolescentes, dos idosos?
Gente. Somos gente e somos bons. Podemos ficar envenenados pela ganância, raiva e ignorância. Por outro lado, podemos nos curar com a compreensão clara e o discernimento correto.
Queremos o bem, o bem de todos os seres. Logo, temos de incluir e de nos unir — não para impedir, atrapalhar, ferir, queimar, mas para construir uma realidade que mostre todas as suas faces.
Sem fantasias, sem máscaras.
O carnaval passou.
Vamos deixar passar o carro fantasmagórico dos ódios e rancores.
Vamos cantar a possibilidade de cuidar e reparar sem parar o fluxo contínuo e puro das ações que beneficiem todos os seres.
Mãos em prece.
Fonte:http://www.nowmaste.com.br/voce-se-conhece/

Postagens mais visitadas deste blog

OS MUDRAS NO BUDISMO E SEU SIGNIFICADO

Os Mudras no Budismo 

Os mudras são os gestos simbólicos que são associados aos budas. Esses gestos são muito utilizados na iconografia hindu e budista.

Mudra, uma palavra com muitos significados, é caracterizada como gesto, posicionamento místico das mãos, como selo ou também como símbolo. Estas posturas simbólicas dos dedos ou do corpo podem representar plasticamente determinados estados ou processos da consciências. Mas as posturas determinadas podem também, ao contrário, levar aos estados de consciência que simbolizam. Parece que os mudras originaram-se na dança indiana, que é considerada expressão da mais elevado religiosidade. [...] O significado espiritual dos mudras encontra sua expressão perfeita na arte indiana. Os gestos das divindades representadas na arte hinduísta e budista e os atributos que os acompanham simbolizam suas funções ou aludem a determinados acontecimentos mitológicos. [...] No decorrer dos séculos, os budas e bodhisattvas representados iconograficamente com s…

PORTÕES DA PRÁTICA BUDISTA - CHAGDUD TULKU RINPOCHE - SÍNTESE DE GISLAINE D'ASSUNPÇÃO

PORTÕES DA PRÁTICA BUDISTA

Chagdud Tulku Rinpoche
Ed. Paramitas Ltda, 1995, Taquara – R.S




Trabalhando com o Apego e Desejo
Para compreender como o sofrimento aparece, pratique observar sua mente. Neste espaço da mente não há problemas não há sofrimento. Então, alguma coisa prende sua atenção - uma imagem, um som, um cheiro. Sua mente se subdivide em interno e externo, “eu” e “outro” sujeito e objeto. Com a simples percepção do objeto, não há ainda nenhum problema, Porém, quando você se foca nela,  nota que é grande ou pequeno, branco ou preto, quadrado ou redondo. Então você faz um julgamento – por exemplo, se o objeto é bonito ou feio. Tendo feito esse julgamento, você reage a ele: decide que gosta ou não do objeto.
 É aí que o problema começa, pois “Eu gosto disto” conduz a “Eu quero isto”. Igualmente, “Eu não gosto disto” conduz a “Eu não quero isto”. Se gostamos de alguma coisa, se a queremos e não podemos tê-la, nós sofremos. Se a queremos, a obtemos e depois a perdemos, nós sofremos.…

QUAL O SIGNIFICADO DAS BANDEIRAS DE ORAÇÃO NO BUDISMO TIBETANO ? - AS CINCO CORES SIMBOLIZAM AS 5 SABEDORIAS DO BUDISMO

QUAL O SIGNIFICADO DAS BANDEIRAS DE ORAÇÃO NO BUDISMO TIBETANO? "Qual o significado das bandeiras coloridas? É alguma festa?" Esta é uma pergunta frequente feita por quem, pela primeira vez, chega a um centro ou mosteiro budista tibetano. A questão é legítima, uma vez que semelhante costume nunca existiu no nosso país. O costume vem do Tibete e remonta ao século XI. Foi o grande mestre indiano Atisha (982-1054) que ensinou aos seus discípulos como imprimir orações e mantras sobre pedaços de tecido, a partir de blocos de madeira gravados. Estas bandeiras, fixadas a um mastro ou a um bambu, ou cosidas a cordas esticadas entre dois pontos, ondulavam livremente ao vento. Esta tradição acabou por ser muito difundida no seio do Budismo tibetano. À volta dos mosteiros, nos sítios sagrados, presas aos ramos da árvore de Bodhi, em redor do grande Stupa em Boudhnath e mesmo junto a habitações, vemos por toda a parte. Desfraldadas ao vento, a sua presença sonora acompanha a cadência das o…