Pular para o conteúdo principal

COZINHANDO COM ATENÇÃO PLENA - UM ENSINAMENTO EM FORMA DE PRECE,PARA COZINHAR COMO PRÁTICA DE MEDITAÇÃO - THICH NHAT HANH


COZINHANDO COM ATENÇÃO PLENA



Trecho extraído do livro: Touching the Earth, de Thich Nhat Hanh. Um ensinamento em forma de prece, para o cozinhar e o trabalho na cozinha como prática de meditação.

Senhor Buda, quando estou cozinhando para a Sanga ou minha família, eu posso praticar a atenção plena e a cozinha se torna minha sala de meditação. Quando eu coloco a água numa bacia para lavar os vegetais, eu olho profundamente na água para ver sua maravilhosa natureza. Eu vejo que a água vem do alto das montanhas ou do interior da terra diretamente para minha cozinha. Eu sei que há lugares na Terra onde existe a escassez de água e as pessoas têm que andar quilômetros para buscá-la. Aqui, a água está disponível assim que eu abro a torneira. Se a água falta por algumas horas, eu sinto imediatamente sua falta.
Consciente da preciosidade da água limpa, eu valorizo a água que está disponível pra mim. Eu também valorizo a eletricidade que uso para acender a luz e ferver uma jarra de água. Eu apenas preciso estar consciente da existência de água e eletricidade que está facilmente disponível para mim, e fico feliz imediatamente. Quando estou descascando os vegetais ou cozinhando eles, eu posso fazê-lo com atenção plena e com amor. Eu sei que trabalhando com atenção plena e amor, eu saberei como manter minha energia e não ficarei cansado.
Quando vejo o ato de cozinhar como meio de oferecer nutrição e cuidado para minha família e amigos, eu facilmente encontrarei alegria e paz no que estarei fazendo. Olhando profundamente para o tomate, a cenoura ou um pedaço de tofu, eu posso ver a natureza maravilhosa dessas coisas, como eles foram nutridos pelo solo, pelo sol, pela chuva, desde que era uma semente. Quando eu faço um chá, eu olho profundamente para ver as colinas de plantas de chá nas montanhas do norte do Vietnam ou as colinas enevoadas na India.
Trabalhando em silêncio com meus amigos e família, nós cozinhamos a refeição com atenção plena, amor e alegria. Na cozinha há um altar para o Bodhisattva da cozinha, e quando começamos a cozinhar nós podemos acender um incenso e continuar a prática de cozinhar numa dimensão espiritual.
Consagrado Buda, eu devo organizar minha vida e devo ter tempo e energia suficiente para cozinhar de um modo vagaroso e pacífico. Eu prometo que não falarei com irritação nem de modo desagradável na cozinha. Eu estou consciente que a energia do amor e da harmonia na cozinha diretamente penetra no alimento que estou cozinhando e que oferecerei para meus entes queridos.
Tocando a Terra
Eu toco a terra três vezes antes de invocar o Bodhisattva da cozinha, pedindo ao Bodhisattva para ser testemunha da minha pratica de cozinhar com atenção consciente.
Fonte:https://budismopetropolis.wordpress.com/2015/12/14/cozinhando-com-atencao-plena/

 

Postagens mais visitadas deste blog

OS MUDRAS NO BUDISMO E SEU SIGNIFICADO

Os Mudras no Budismo 

Os mudras são os gestos simbólicos que são associados aos budas. Esses gestos são muito utilizados na iconografia hindu e budista.

Mudra, uma palavra com muitos significados, é caracterizada como gesto, posicionamento místico das mãos, como selo ou também como símbolo. Estas posturas simbólicas dos dedos ou do corpo podem representar plasticamente determinados estados ou processos da consciências. Mas as posturas determinadas podem também, ao contrário, levar aos estados de consciência que simbolizam. Parece que os mudras originaram-se na dança indiana, que é considerada expressão da mais elevado religiosidade. [...] O significado espiritual dos mudras encontra sua expressão perfeita na arte indiana. Os gestos das divindades representadas na arte hinduísta e budista e os atributos que os acompanham simbolizam suas funções ou aludem a determinados acontecimentos mitológicos. [...] No decorrer dos séculos, os budas e bodhisattvas representados iconograficamente com s…

PORTÕES DA PRÁTICA BUDISTA - CHAGDUD TULKU RINPOCHE - SÍNTESE DE GISLAINE D'ASSUNPÇÃO

PORTÕES DA PRÁTICA BUDISTA

Chagdud Tulku Rinpoche
Ed. Paramitas Ltda, 1995, Taquara – R.S




Trabalhando com o Apego e Desejo
Para compreender como o sofrimento aparece, pratique observar sua mente. Neste espaço da mente não há problemas não há sofrimento. Então, alguma coisa prende sua atenção - uma imagem, um som, um cheiro. Sua mente se subdivide em interno e externo, “eu” e “outro” sujeito e objeto. Com a simples percepção do objeto, não há ainda nenhum problema, Porém, quando você se foca nela,  nota que é grande ou pequeno, branco ou preto, quadrado ou redondo. Então você faz um julgamento – por exemplo, se o objeto é bonito ou feio. Tendo feito esse julgamento, você reage a ele: decide que gosta ou não do objeto.
 É aí que o problema começa, pois “Eu gosto disto” conduz a “Eu quero isto”. Igualmente, “Eu não gosto disto” conduz a “Eu não quero isto”. Se gostamos de alguma coisa, se a queremos e não podemos tê-la, nós sofremos. Se a queremos, a obtemos e depois a perdemos, nós sofremos.…

QUAL O SIGNIFICADO DAS BANDEIRAS DE ORAÇÃO NO BUDISMO TIBETANO ? - AS CINCO CORES SIMBOLIZAM AS 5 SABEDORIAS DO BUDISMO

QUAL O SIGNIFICADO DAS BANDEIRAS DE ORAÇÃO NO BUDISMO TIBETANO? "Qual o significado das bandeiras coloridas? É alguma festa?" Esta é uma pergunta frequente feita por quem, pela primeira vez, chega a um centro ou mosteiro budista tibetano. A questão é legítima, uma vez que semelhante costume nunca existiu no nosso país. O costume vem do Tibete e remonta ao século XI. Foi o grande mestre indiano Atisha (982-1054) que ensinou aos seus discípulos como imprimir orações e mantras sobre pedaços de tecido, a partir de blocos de madeira gravados. Estas bandeiras, fixadas a um mastro ou a um bambu, ou cosidas a cordas esticadas entre dois pontos, ondulavam livremente ao vento. Esta tradição acabou por ser muito difundida no seio do Budismo tibetano. À volta dos mosteiros, nos sítios sagrados, presas aos ramos da árvore de Bodhi, em redor do grande Stupa em Boudhnath e mesmo junto a habitações, vemos por toda a parte. Desfraldadas ao vento, a sua presença sonora acompanha a cadência das o…