Pular para o conteúdo principal

MEDITAÇÃO E COMPAIXÃO SEGUNDO CHAGDUD TULKU RINPOCHE


Meditação e compaixão segundo Chagdud Tulku Rinpoche


Podemos dizer que meditação e compaixão estão intimamente relacionadas, interligadas e, de certa forma, uma é a forma que faz a outra crescer. Com a meditação, olhamos para a nossa condição, compreendemos quem somos, crescemos como o observador e como Ser Humano. Transformamos as emoções negativas e desenvolvemos um sentido para a felicidade e paz duradoura. A compaixão leva-nos a querer terminar o sofrimento dos outros, sendo muitas vezes uma virtude desperta pela meditação (consciente ou inconsciente). Todos sabemos, no nosso íntimo, que a verdadeira felicidade apenas pode ser atingida quando todos a atingirem. O Rinpoche Chagdud fala-nos sobre a Compaixão e a Meditação, de uma forma simples, como caminho para a felicidade e paz da mente e coração.
“Quando olhas para as condições dos outros, sentes compaixão. Compaixão significa desejar que o sofrimento dos outros possa terminar. Ter compaixão cultiva as boas qualidades dentro de ti e ajuda-te a perceber a tua própria boa fortuna. Os problemas, embora reais, não são esmagadores; tu podes lidar com eles. Saber isso libertará algum do stress e da tensão na tua vida.
Se contemplares como é estar na pele dos outros seres e então voltares à tua própria experiência da realidade, encontrarás tranquilidade na mente — um lugar onde há conforto e calma, onde percebes que os teus problemas não são tão esmagadores. Deixa a tua mente descansar nesta tranquilidade tanto quanto dure. Quando a agitação, as inquietações e preocupações surgirem de novo, volta os pensamentos de regresso às condições dos outros. Então, vai ao lugar da calma e relaxa. Este é um tipo de meditação.
Compaixão e Meditação segundo Chagdud Tulku ལྕགས་མདུད་
Compaixão e Meditação segundo Chagdud Tulku ལྕགས་མདུད་
A meditação tem dois propósitos: remover a ilusão da mente e então acentuar o que é natural na mente. Muitas pessoas pensam que meditação significa limpar a lousa da mente e sentar tranquilamente sem pensamentos, até que experimentam algo agradável. Este tipo de meditação pode ser feita por um curto período de tempo, mas há muito mais do que isto a ser feito. Uma mente descansada e confortável é algo que cultivamos. Não é um estado de relaxamento que impomos à força numa mente perturbada.
Essencialmente, há duas coisas que nos sobrecarregam e nos causam uma falta de paz: medo e esperança. Essas emoções estão constantemente a empurrar-nos, puxando-nos para uma direcção e depois para outra. Tememos isto ou queremos aquilo todo o tempo.Sentar em quietude por algum tempo ajuda, mas não produz mudança durável.
O que produz uma transformação profunda começa com a contemplação. A nossa mente ordinária é como uma fita que passa num gravador. Já foi gravada com os pensamentos e com a fala de todos à nossa volta — os pais, professores, colegas de trabalho. Todas as nossas experiências de vida estão na fita. Quando sentamos e meditamos por um instante, é como colocar o gravador em “pausa”. Mas logo que paramos de meditar — tão logo o botão de “pausa” é desapertado — o mesmo velho barulho começa a tocar de novo pela nossa mente e novamente somos empurrados e puxados sem socorro pela esperança e pelo medo.”
Chagdud Tulku Rinpoche
De fato a meditação não pode ter só um papel de encontro com o vazio. Este é importante para adquirirmos consciência mas a mesma deve ser trabalhada perante os desafios da vida quotidiana e dos pensamentos e emoções resultantes. Meditar é também tratar.
A Meditação Terapêutica Integral une perspectivas de vários sistemas de meditação, praticados ao longo de mais de 20 anos para trazer equilíbrio, harmonia e percursos terapêuticos.
A Meditação Terapêutica Integral une perspectivas de vários sistemas de meditação, praticados ao longo de mais de 20 anos para trazer equilíbrio, harmonia e percursos terapêuticos.

*Sou Designer, Mestre, Terapeuta de Reiki, Mestre de Karuna, Presidente da Associação Portuguesa de Reiki e co-fundador do CENIF. Autor dos livros «O Grande Livro do Reiki» e «Reiki – Elevação da Consciência». Professor de Meditação Terapêutica Integral. Acima de tudo quero partilhar contigo o porquê de Reiki ser a «Arte Secreta de Convidar a Felicidade».
Fonte:
http://www.joaomagalhaes.com/
o-tao-do-reiki/2014/10/meditacao-
e-compaixao-segundo-chagdud-
                             tulku-rinpoche/

Postagens mais visitadas deste blog

OS MUDRAS NO BUDISMO E SEU SIGNIFICADO

Os Mudras no Budismo 

Os mudras são os gestos simbólicos que são associados aos budas. Esses gestos são muito utilizados na iconografia hindu e budista.

Mudra, uma palavra com muitos significados, é caracterizada como gesto, posicionamento místico das mãos, como selo ou também como símbolo. Estas posturas simbólicas dos dedos ou do corpo podem representar plasticamente determinados estados ou processos da consciências. Mas as posturas determinadas podem também, ao contrário, levar aos estados de consciência que simbolizam. Parece que os mudras originaram-se na dança indiana, que é considerada expressão da mais elevado religiosidade. [...] O significado espiritual dos mudras encontra sua expressão perfeita na arte indiana. Os gestos das divindades representadas na arte hinduísta e budista e os atributos que os acompanham simbolizam suas funções ou aludem a determinados acontecimentos mitológicos. [...] No decorrer dos séculos, os budas e bodhisattvas representados iconograficamente com s…

PORTÕES DA PRÁTICA BUDISTA - CHAGDUD TULKU RINPOCHE - SÍNTESE DE GISLAINE D'ASSUNPÇÃO

PORTÕES DA PRÁTICA BUDISTA

Chagdud Tulku Rinpoche
Ed. Paramitas Ltda, 1995, Taquara – R.S




Trabalhando com o Apego e Desejo
Para compreender como o sofrimento aparece, pratique observar sua mente. Neste espaço da mente não há problemas não há sofrimento. Então, alguma coisa prende sua atenção - uma imagem, um som, um cheiro. Sua mente se subdivide em interno e externo, “eu” e “outro” sujeito e objeto. Com a simples percepção do objeto, não há ainda nenhum problema, Porém, quando você se foca nela,  nota que é grande ou pequeno, branco ou preto, quadrado ou redondo. Então você faz um julgamento – por exemplo, se o objeto é bonito ou feio. Tendo feito esse julgamento, você reage a ele: decide que gosta ou não do objeto.
 É aí que o problema começa, pois “Eu gosto disto” conduz a “Eu quero isto”. Igualmente, “Eu não gosto disto” conduz a “Eu não quero isto”. Se gostamos de alguma coisa, se a queremos e não podemos tê-la, nós sofremos. Se a queremos, a obtemos e depois a perdemos, nós sofremos.…

QUAL O SIGNIFICADO DAS BANDEIRAS DE ORAÇÃO NO BUDISMO TIBETANO ? - AS CINCO CORES SIMBOLIZAM AS 5 SABEDORIAS DO BUDISMO

QUAL O SIGNIFICADO DAS BANDEIRAS DE ORAÇÃO NO BUDISMO TIBETANO? "Qual o significado das bandeiras coloridas? É alguma festa?" Esta é uma pergunta frequente feita por quem, pela primeira vez, chega a um centro ou mosteiro budista tibetano. A questão é legítima, uma vez que semelhante costume nunca existiu no nosso país. O costume vem do Tibete e remonta ao século XI. Foi o grande mestre indiano Atisha (982-1054) que ensinou aos seus discípulos como imprimir orações e mantras sobre pedaços de tecido, a partir de blocos de madeira gravados. Estas bandeiras, fixadas a um mastro ou a um bambu, ou cosidas a cordas esticadas entre dois pontos, ondulavam livremente ao vento. Esta tradição acabou por ser muito difundida no seio do Budismo tibetano. À volta dos mosteiros, nos sítios sagrados, presas aos ramos da árvore de Bodhi, em redor do grande Stupa em Boudhnath e mesmo junto a habitações, vemos por toda a parte. Desfraldadas ao vento, a sua presença sonora acompanha a cadência das o…